Início » Notícias » Rede Bartô

Tag: Rede Bartô

Agricultores familiares do DF recebem capacitação para a coleta de sementes nativas do Cerrado

Nos meses de maio e junho a Rede Bartô concluiu mais duas etapas do Componente de “Regularização ambiental do Assentamento Rural Roseli Nunes” – parte do projeto Agroflorestas Prestadoras de Serviços Ecossistêmicos.

Foto: Acervo Rede Bartô

A partir do mapa de uso e ocupação do solo, foi gerada uma base de dados que serviu para retificar os Cadastros Ambientais Rurais dos agricultores, adiantando bastante o processo de Regularização Ambiental do Assentamento. A regularização traz benefícios para os assentados como acesso ao crédito e programas de incentivo à produção.

O processo de restauração ambiental do Assentamento Rosely Nunes, está sendo construído de modo que todas as fases do processo possam ser internalizadas pela comunidade local para que faça sentido para eles. Foram trabalhadas nessa etapa questões sociais, mas principalmente econômicas, em torno das oportunidades do mercado de coleta de sementes de espécies nativas do Cerrado para os agricultores. Essa atividade é a continuidade de uma parceria entre a Rede Bartô, Tikré Soluções Ambientais, Rede de Sementes do Cerrado, o Fundo de Parceria Para Ecossistemas Críticos (CEPF Cerrado) e Instituto Internacional de Educação do Brasil.

Foto: Acervo Rede Bartô

As atividades contaram com a participação dos agricultores do assentamento, que coletaram mais de 16 kg de sementes de espécies nativas do Cerrado. Após a coleta, elas foram beneficiadas e armazenadas adequadamente. Posteriormente serão utilizadas para recuperar áreas do assentamento que foram degradadas.

“A ideia na outra ponta é empoderar os próprios agricultores da técnica de restauração ecológica por meio da semeadura direta, para que eles mesmos possam fazer o processo de restauração em outras oportunidades. Quem sabe até como profissão, gerando renda no futuro” diz Fabrício Lima, coordenador do projeto.

A atividade foi adaptada para seguir todos os cuidados de segurança e saúde, seguindo as orientações de prevenção ao coronavírus. A Rede Bartô elaborou um protocolo de segurança com medidas a serem adotadas pela equipe e pelos beneficiários para garantir a segurança de todos. Conheça o projeto Agroflorestas Prestadoras de Serviços Ecossistêmicos e a Rede Bartô!


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

Projetos em foco: Agrofloresta prestadora de serviços ecossistêmicos

Entre os dias 1 e 2 dezembro de 2018, a Associação Rede Rio São Bartolomeu de Mútua Cooperação – Rede Bartô promoveu um curso de implantação de sistemas agroflorestais em parceria com o especialista Felipe Caltabiano, através do projeto Agrofloresta prestadora de serviços ecossistêmicos, que conta com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB). O curso envolveu representantes da Rede Bartô e os beneficiários diretos do projeto, que são os produtores rurais do Assentamento Oziel Alves, localizado em Planaltina (DF).

O projeto Agrofloresta prestadora de serviços ecossistêmicos, que é executado pela própria Rede Bartô, visa beneficiar comunidades de agricultores familiares que se encontram no Cerrado, no RIDE Brasília e fazem parte de uma área chave para a biodiversidade. Um dos componentes principais deste projeto é contribuir com a segurança alimentar e melhoria de renda das famílias mediante a produção orgânica de alimentos nas agroflorestas, promovendo paisagens produtivas sustentáveis, que servirão de modelo e exemplo para todos os comunitários replicarem.

No decorrer do Curso de Implantação de Sistemas Agroflorestais foi realizado o plantio de uma área de 500 m², com foco na produção de hortaliças de ciclos, raízes e frutas. Além das espécies de produção, também foram semeadas espécies arbóreas a partir de sementes e espécies nativas do Cerrado. Além destas atividades, os participantes tiveram a oportunidade de aprofundar seus conhecimentos em consórcios de hortaliças, utilização de diferentes tipos de material orgânico para cobertura de solo, aplicação dos sistemas agroflorestais para diferentes sistemas de produção, etc. De acordo com a equipe da Rede Bartô, “os produtores puderam compartilhar sua experiência com sistemas agroflorestais e relataram a grande melhoria em suas propriedades, desde que começaram a trabalhar dentro desta lógica de produção. A grande maioria já se encontra bem apropriada dos princípios básicos dos SAF’s e estão entusiasmados com as perspectivas e potencialidades destes modelos de produção”.

Quer conhecer os outros projetos apoiados pelo Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB)? Acesse o nosso site ou inscreva-se no nosso boletim eletrônico.

 

Plantio de hortaliças dentro do Sistema Agroflorestal.
Equipe da Rede Bartô e agricultores.


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.