Home » News » UFMT

Tag: UFMT

Projeto estimula a conservação dos recursos hídricos e das áreas úmidas na Chapada dos Guimarães (MT)

 

 

Veredas na região de atuação do projeto. Foto: Acervo LabSensor/UFMT

by Luana Luizy, Communication Advisor, International Education Institute of Brazil

Mapear, diagnosticar e identificar recursos hídricos e áreas úmidas para promover a gestão e a conservação das águas na região da Chapada dos Guimarães (MT): essas foram ações desenvolvidas pelo projeto Mapeamento e Análise de Recursos Hídricos e Áreas Úmidas do Corredor da Chapada dos Guimarães”.

A proteção de áreas úmidas contribui para o fornecimento de água para a zona urbana e a zona rural. As ações do projeto estimularam o fortalecimento de medidas ambientais de órgãos gestores hídricos e ambientais, como o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a Agência Nacional de Águas (ANA), a Secretaria do Meio Ambiente (Sema) e os Comitês de Bacias Hidrográficas.

As áreas escolhidas pelo projeto – envolvendo Veredas, Campos Úmidos, Brejos e Florestas Ripárias, existentes no hot spot[1] Cerrado, mais especificamente no estado do Mato Grosso – foram estratégicas para servirem de apoio na tomada de decisões com os órgãos ambientais envolvidos.

“A quantificação e qualificação dos recursos hídricos e áreas úmidas (AUs) na área estudada representam um grande avanço perante a importância do hotspot[1] Cerrado, no ponto de vista ecológico e ecossistêmico”, comenta o dr. Gustavo Manzon Nunes, do Laboratório de Sensoriamento Remoto e Geotecnologias (LabSensoR- UFMT) e da Fundação de Apoio e Desenvolvimento da UFMT (UNISELVA).

Drone que identificou e diagnosticou as áreas úmidas no projeto. Foto: Acervo LabSensor/UFMT

O uso de geotecnologias, tais como sensores acoplados em drones, possibilita mapeamentos que permitem delimitar e classificar a cobertura vegetal com seus habitats em áreas prioritárias para conservação, assim como verificar a sensibilidade das áreas úmidas ao longo das estações do ano e analisar o impacto do uso de métodos de Manejo Integrado do Fogo.

“A gestão de recursos naturais no Cerrado enfrenta vários desafios para mapeamento via Sensoriamento Remoto, pois são necessárias novas abordagens para coleta de informações de dados de larga escala com alta precisão, o que torna o uso de Sistemas de Aeronaves Remotamente Pilotadas (RPAS) uma potente ferramenta, com múltiplas aplicações na área de gestão de recursos naturais no Cerrado”, explica Gustavo.

Os resultados do projeto contribuíram para o mapeamento de oito AUs focais, com o uso de um sensor de alta resolução espacial, o que gerou: análises em escalas de detalhe; classificação de tipologias; identificação de espécies reveladoras de ambientes de Veredas; assim como o mapeamento antes e após o uso do Manejo Integrado do Fogo.

 

Proteção dos Recursos Hídricos

Campanha de campo no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, MT. Foto: Acervo pessoal Gustavo Manzon

At Veredas que foram especialmente avaliadas no projeto desempenham a função de corredores ecológicos e também de um manancial de água, especialmente no período de escassez hídrica.

“Através de múltiplos sensores acoplados em RPAS/drones, além de coleta de informações biométricas e quantitativas em campo nas Áreas Úmidas selecionadas, os resultados deste projeto possibilitaram gerar informações espaciais, estruturais e biofísicas da cobertura vegetal, possibilitando identificar inúmeras Áreas Úmidas existentes no planalto até então ainda não mapeadas, com objetivo de criar  medidas para a conservação e a tomada de decisões, para a sua melhor gestão”, completa Gustavo.

 

Parceria com o CEPF Cerrado

O apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, na sigla em inglês) e do IEB proporcionou o mapeamento, com o uso de sensores remotos integrados em RPAS/Drones e em satélites, a fim de diagnosticar e identificar as Áreas Úmidas de médio e pequeno tamanho, o que fornece parâmetros para a elaboração de leis, assim como ajuda a orientar esforços futuros de pesquisa.

As recomendações para o futuro indicam a inclusão de pequenas áreas úmidas no inventário nacional, com a realização de mapeamentos em melhores escalas, a fim de padronizar ações estratégicas de manejo e de proteção.

Foram realizadas contribuições relativas à preservação de áreas úmidas, principalmente com a análise espacial em Veredas, utilizando RPAS/Drones no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães (PNCG); o mapeamento de Áreas-Chave para Biodiversidade (KBAs), envolvendo mais de 900 mil hectares; a classificação de fitofisionomias do Cerrado, para auxiliar o Plano de Manejo do PNCG; além de pesquisas envolvendo o uso do Manejo Integrado do Fogo (MIF), visando à prevenção de incêndios em períodos secos do ano.

 

Quer saber mais sobre as ações desse projeto? Veja o vídeo abaixo, que mostra os seus principais resultados para a conservação das áreas úmidas da Chapada dos Guimarães e do Cerrado.


[1] Os hotsposts podem ser definidos como áreas com grande biodiversidade, ricas principalmente em espécies endêmicas, e que apresentam alto grau de ameaça. Essas áreas são, portanto, locais que necessitam de atenção urgente, sendo consideradas prioritárias nos programas de conservação.

 

The Critical Ecosystem Partnership Fund is a joint initiative of the French Development Agency, Conservation International, the European Union, Global Environmental Management, the Government of Japan and the World Bank. A key goal is to ensure that civil society is involved in biodiversity conservation.

 

Bacia que abastece área de transição entre Pantanal mato-grossense e Cerrado sofre ameaças do agronegócio

 

 

Projeto investe na conservação de recursos hídricos que abastecem comunidades tradicionais no Mato Grosso

by Luana Luizy, Communication Advisor, International Education Institute of Brazil

Em meio às áreas de pressão do agronegócio, a bacia do Rio de São Lourenço, no estado do Mato Grosso, é uma das principais formadoras do Pantanal, mas sofre com os constantes impactos na qualidade da água, vindos das hidrelétricas, das monoculturas de soja e do pasto, turismo, pesca e diluição de esgotos, presentes na região.

Identificação da qualidade de água na Bacia do Rio São Lourenço, MT. Foto: Acervo Departamento de Geografia – UFMT

Localizada em uma região de rica biodiversidade, uma vez que está em uma área de transição entre o Cerrado e o Pantanal, a bacia do Rio São Lourenço também é de suma importância para as comunidades tradicionais, tais como assentados/as, indígenas e pescadores/as.

“A bacia do Rio São Lourenço fornece 40% da água do Pantanal e abastece a bacia do Rio Cuiabá. Essa região é atingida pela implantação de inúmeras Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCHs), pela supressão de vegetação natural para a formação de pastagem e áreas de plantios, chácaras de lazer e áreas de assoreamento do Rio”, explica Cleberson Ribeiro, professor do Departamento de Geografia da UFMT.

A fim de promover a conservação da bacia, o projeto “Monitoramento da Qualidade em Multiescala na Bacia do Rio São Lourenço (MT)” – foi desenvolvido pelo Departamento de Geografia da UFMT e pela Fundação de Apoio e Desenvolvimento da UFMT (UNISELVA), contou com o apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, na sigla em inglês) e do IEB – procurou investir em ações que contribuíssem para a proteção e a gestão dos recursos hídricos na região, de grande importância para as comunidades tradicionais, os indígenas e os assentados.

“Aprofundamos conhecimentos sobre os aspectos físicos e químicos dos mananciais da bacia e desenvolvemos atividades de empoderamento das comunidades tradicionais para que pudessem participar ativamente na proteção e gestão dos recursos hídricos. O projeto é resultado de um esforço científico para diagnosticar a situação atual dos recursos hídricos na bacia do Rio São Lourenço, detectar seus problemas e identificar os principais agentes que causam a sua deterioração”, explana Peter Zeilhofer, do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) e coordenador do projeto.

Bacia do Rio São Lourenço, MT. Foto: Acervo Departamento de Geografia – UFMT

As ações do projeto voltaram-se para a Chapada dos Guimarães (MT), mas também envolveram outras cidades do estado de Mato Grosso, como Poxoréo, Dom Aquino, Tesouro, Jaciara, Santo Antônio do Leverger, São Pedro da Cipa, Juscimeira, Guiratinga, Rondonópolis, São José do Povo, Alto Garças, Pedra Preta, Itiquira, Primavera do Leste e Campo Verde.

O projeto também visou reduzir os conflitos de uso da água e incentivar o fomento para a proteção e a conservação, com o forte envolvimento de comunidades. “Os conflitos sociais impactam assentadas e assentados, povos indígenas e inúmeras comunidades de pescadores e pescadores que vivem das águas da bacia”, afirma Cleberson.

Participação social

Como resultado do projeto com o CEPF Cerrado, o aplicativo de Participação Social foi desenvolvido para monitorar e coletar dados georreferenciados pelas populações locais. Elas podem colaborar com denúncias e informes, aos órgãos responsáveis, sobre problemas causados por desmatamento, erosão e assoreamento.

Por meio desse aplicativo, o/a usuário/a pode participar de políticas públicas, reportando ao Comitê de Bacias Hidrográficas de sua região as agressões ao meio ambiente. O aplicativo pode ser facilmente baixado na Play Store. Acesse on here!

 

Saiba mais sobre o projeto:

http://www.​geografiaufmt.​com.​br/index.php/pt-br/

http://cepfcerrado.iieb.org.br/projetos/monitoramento-da-qualidade-em-multiescala-na-bacia-do-rio-sao-lourenco-mt/


The Critical Ecosystem Partnership Fund is a joint initiative of the French Development Agency, Conservation International, the European Union, Global Environmental Management, the Government of Japan and the World Bank. A key goal is to ensure that civil society is involved in biodiversity conservation.

 

The project begins & #8220; Multiscale quality monitoring in the São Lourenço River basin & #8221; in Mato Grosso

 

 

¹The basin of São Lourenço River It has an area of about 22,000 km² and consists of one of the main Wetland Grosso, integrating the Paraguay River hydrographic region. In addition, it has sections that make up the ecological corridor Cerrado-Pantanal and is mostly made up of key areas for biodiversity (KBAs).

Climatological station in the São Lourenço river basin. Photo: © Geography Department Collection (GEO-UFMT)

¹Originally the basin was covered by vegetation formations of the Cerrado. However, from the 1960s, intense changes in land use and occupation occurred in the region, and agricultural areas for commodities, pasture and urban occupation were occupying the space. At this time, the municipality of Rondonopolis developed as one of the most populous and industrialized of Mato Grosso. The region has mining activities (sand, gravel and gold) at its headwaters, relevant tourist activities in some of its tributaries (Cachoeira de Fumaça complex, Jaciara municipality), has 10 Small Hydroelectric Plants (SHPs) in operation, whose influences on The ecological functions of the biome itself and the Pantanal plain are little known.

Project presentation to the community. Photo: © Geography Department Collection (GEO-UFMT)

¹The watershed is formed by the performance of different social actors, among which stand out the peasants, indigenous people and fishermen. The peasants total approximately 2,800 families and are distributed in 38 settlements. Already the nearly 1,000 indigenous people belong to the Bororo people and are located in two Indigenous Lands (TI Tadarimana and TI Jarudore). The fishermen are organized by the Federation of Fishermen and Aquacultures of the State of Mato Grosso (Fepesc) and Colony Z-3 (Rondonópolis), totaling more than 150 families.

The work is performed by Department of Geography, Federal University of Mato Grosso (UFMT) / UNISELVA Foundation and by December 2020 the project & #8220; Multiscale quality monitoring in the São Lourenço River basin, Mato Grosso & #8221;, which is supported by Critical Ecosystem Partnership Fund (CEPF) Critical Ecosystem Partnership Fund  CEPF Cerrado) and Brazilian International Institute of Education (IEB), will:

  • Identify spatiotemporal patterns of water quality in the São Lourenço river basin
  • Develop an application for mobile phones (GIS-Participatory) that enables the dissemination of information related to water resources, and that reinforces the interaction between, and with the participation of social actors interested in the different forms of water use in the basin.
  • Develop participatory diagnoses on the situation / relationship of communities that affect and are affected by the multiple uses of Water Resources, seeking an understanding of existing conflicts regarding the use and management of HR.

The main objective of this project is monitor and model water quality at multiple scales in the São Lourenço River basin. Making these data available through a participatory GIS, along with work in communities in the basin, will empower and enable the direct participation of social groups in the monitoring of conditions and management of water resources in the basin.


Source: text adapted from the original project proposal & #8220; Multiscale quality monitoring in the São Lourenço River basin, Mato Grosso & #8221;

The Critical Ecosystem Partnership Fund is a joint initiative of the French Development Agency, Conservation International, the European Union, Global Environmental Management, the Government of Japan and the World Bank. A key goal is to ensure that civil society is involved in biodiversity conservation.