Início » Notícias » restauração

Tag: restauração

Estratégias Políticas para o Cerrado foram lançadas em Brasília no dia 04/09

Méle Dornelas/Acervo ISPN

 

O documento “Estratégias Políticas para o Cerrado” foi fruto de um processo de construção coletiva de diversas organizações da sociedade civil, como Instituto Centro de Vida (ICV), Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN), Instituto Socioambiental (ISA), Rede Cerrado e WWF-Brasil. A entrega simbólica do documento foi realizada pela Secretária Executiva da Rede Cerrado, Kátia Favilla, no evento “Desenvolvimento para Sempre – compromisso ambiental dos candidatos às eleições 2018” organizado pela Frente Parlamentar Ambientalista.

O documento reúne 27 recomendações em defesa do Cerrado e de seus povos e comunidades tradicionais, que foram baseadas em resultados de consultas interinstitucionais, incluindo a realização do Seminário Estratégia Nacional para o Cerrado no âmbito da Câmara dos Deputados e uma oficina de trabalho, que contou com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF Cerrado). Nessa oportunidade, além das organizações realizadoras, outras 13 organizações da sociedade civil e da academia colaboraram com o processo.

Leia matéria completa e acesse o documento na íntegra no site da Rede Cerrado.

 

Ato de entrega do documento Estratégias Políticas para o Cerrado. Méle Dornelas/Acervo ISPN
Ato de entrega do documento Estratégias Políticas para o Cerrado. Méle Dornelas/Acervo ISPN
Ato de entrega do documento Estratégias Políticas para o Cerrado. Méle Dornelas/Acervo ISPN

O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão, da Fundação MacArthur e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Sementes para restauração

A Rede de Sementes do Cerrado, através do projeto “Mercado de sementes e restauração: provendo serviços ambientais e biodiversidade”, coloca à venda 71 espécies de plantas nativas do Cerrado para restauração ecológica. Além de 42 espécies de árvores, a lista conta com 15 herbáceas e 14 arbustivas. Este projeto recebe apoio do do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, sigla em inglês) e do Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).

Acesse a página da Rede de Sementes do Cerrado para mais informações.

 


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão, da Fundação MacArthur e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

FestFlor 2018

 

Brasília recebeu a sexta edição da FestFlor Brasil (feira nacional da cadeia produtiva de flores e plantas ornamentais), realizada entre os dias 28 de junho e 1º de julho no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Entre os mais de 150 estandes que participaram do evento, havia um com 100% de plantas e sementes nativas do Cerrado. Era o estande do projeto Jardins de Cerrado, idealizado pela arquiteta e paisagista Mariana Siqueira e realizado em parceria com diversas instituições, entre elas a Rede de Semente do Cerrado.

Ali, os visitantes encontraram mudas de ervas e arbustos nativos produzidos de forma pioneira no viveiro experimental do projeto, pelas mãos de Claudomiro de Almeida Cortes. Foram vendidas mudas de macela-do-campo, catuaba, caliandra, mimosa e diversos capins nativos, entre outros.

O estande divulgou também a comercialização de sementes nativas, tanto com a finalidade de restauração ecológica (realização da RSC e parceiros) quanto para paisagismo (através de parceria com a empresa VerdeNovo Sementes Nativas).

Um dos atrativos do espaço Jardins de Cerrado foram as publicações da Rede de Sementes do Cerrado. Dezenas de livros sobre gramíneas, árvores,  flores e frutos nativos foram adquiridos pelos visitantes.

O evento contou ainda com duas palestras sobre a introdução de plantas nativas do Cerrado no paisagismo, ambas ministradas por Mariana Siqueira: “Produção de sementes e mudas de ervas e arbustos do Cerrado” (dia 29/06) e “Jardins de Cerrado: potencial paisagístico da savana brasileira” (dia 30/06).

Nas palestras e no estande, foi divulgado o projeto Mercado de Sementes e Restauração: provendo serviços ambientais e biodiversidade, realizado pela Rede de Sementes do Cerrado em parceria com ICMBio, UnB e Associação Cerrado de Pé, entre outros. O projeto é financiado pelo Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão, da Fundação MacArthur e do Banco Mundial), com o Instituto Internacional de Educação do Brasil.

Com isso, a flora do Cerrado aproxima-se, a cada dia mais, dos jardins urbanos e da vida das pessoas – e as sementes nativas têm uma importância crucial nesse processo!

*Texto fornecido pela Rede de Sementes do Cerrado

 


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão, da Fundação MacArthur e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

ADEQUAÇÃO AMBIENTAL EM PROPRIEDADES RURAIS: a aplicação do Programa de Regularização Ambiental (PRA)

 

 

O Projeto Biomas visa a desenvolver e incorporar soluções com árvores para uso sustentável das propriedades rurais brasileiras e capacitar produtores rurais e técnicos como potenciais executores e multiplicadores destas soluções. Em relação ao novo Código Florestal, esse projeto busca integrar a oferta de produtos agrícolas e florestais, ampliando a possibilidade de ganhos econômicos atrelados à conservação do meio ambiente. O Projeto, fruto da parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), está implantado nos seis Biomas Brasileiros (Pampa, Pantanal, Amazônia, Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica) e é gerido através de uma coordenação em âmbito nacional e coordenações regionais. A Embrapa Cerrado é responsável pela gestão das atividades no Cerrado.

Entre os dias 25 e 27 de junho de 2018, na Embrapa Sede em Brasília (DF) ocorreu o curso de adequação ambiental da propriedade rural, que contou com a realização do Projeto Biomas, Serviço Florestal Brasileiro, Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural, Ministério do Meio Ambiente,  Confederação Nacional de Agricultura  e EMBRAPA.

Curso de Adequação Ambiental

O curso teve o objetivo de testar uma proposta de ementa para um curso em EaD para que agricultores, técnicos multiplicadores e profissionais possam atuar na adequação ambiental das propriedades rurais, em apoio ao Programa de Regularização Ambiental previsto na legislação de proteção da vegetação nativa. Onde participaram analistas e pesquisadores da EMBRAPA, SFB, SEDR-MMA, ICMBio, EMATER, SENAR, CNA, Secretaria de Agricultura do DF, SEMA, IBRAM, entre outros, com atividades na análise e na implementação em restauração, restauradores, gestores ambientais, ou seja, atores importantes para o desenvolvimento do Programa de Regularização Ambiental. Foi prevista a participação de 70 pessoas.

Confira a programação:

25 de junho

8h      Abertura do Curso: Recepção dos participantes e Apresentação do Projeto Biomas e Expectativas do Evento. CNA – MMA – Embrapa

8h30 Desafios para conservação e restauração do Bioma Cerrado. José Felipe Ribeiro, Embrapa

10h     Intervalo

10h30 Vegetação do Cerrado: fatores bioticos e abioticos. José Felipe Ribeiro, Embrapa

11h30 Interações flora e fauna na restauração. Marcelo Kuhlmann – Projeto Biomas

12h15 Almoço

13h15 Coleta, beneficiamento e armazenamento de sementes de espécies nativas para recomposição ambiental. Maria Cristina de Oliviera – FUP UnB

14h15 Viveiros e produção de mudas de espécies nativas. Maria Cristina de Oliviera – FUP UnB

15h15 Intervalo

15h30 Legislação Brasileira de Sementes e Mudas aplicada a sementes e mudas das espécies florestais, nativas ou exóticas e das de interesse medicinal ou ambiental. MAPA

17h     Encerramento do dia

26 de junho

8h      Estratégias de recomposição de ambientes florestais degradados ou alterados – Riscos e desafios associados à RAD

Daniel Luis Mascia Vieira, Embrapa

10h     Intervalo

10h30 Estratégias de recomposição de ambientes savanicos e campestres degradados ou alterados Alexandre Sampaio – ICMbio

12h30 Almoço

13h30 Monitoramento de trabalhos de recomposição: Por que, o que, quem, onde e quando monitorar? Daniel Luis Mascia Vieira, Embrapa

15h     Intervalo

15h30 Prática: Monitoramento de áreas em recomposição. Alexandre Sampaio – ICMbio; Daniel Luis Mascia Vieira e José Felipe Ribeiro, Embrapa

17h     Encerramento do dia

27 de junho

8h      Sistema Web Ambiente. O que é, para que serve e como usar. Allan Milhomens – SEDR/MMA

9h      Conservação da Biodiversidade: Sustentabilidade e Inovação. Análise financeira dos modelos. O negócio da Cadeia da Restauração! José Felipe Ribeiro, Embrapa

10h     Intervalo

10h30 Legislação Ambiental Federal: Lei 12.651/2012, CAR, PRA e PRADA. Entenda a Lei de Proteção da Vegetação Nativa (12.651/2012) e sua importância na restauração. Janaina Rocha – SFB/MMA

11h15 Situação do CAR e PRA no Distrito Federal. Amanda Porto – IBRAM

12h30 Encerramento

 

 

Campanha Compensa Cerrado

No mês de junho foi lançada a Campanha Compensa Cerrado por um novo modelo de compensação florestal visando a recuperação e conservação do Cerrado.

O Distrito Federal tem uma regra que obriga a todos que desmatarem áreas de Cerrado, para fins de urbanização, a compensarem os impactos que causaram. A legislação que regulamenta a compensação, no entanto, é antiga (Decreto 14783, 1993) e sua implementação ao longo desses 25 anos demonstrou que, para que ela cumpra com seu objetivo, ela precisa ser atualizada.*
Um grupo de especialistas, representantes do governo, sociedade civil e setor produtivo, no âmbito da Aliança Cerrado, trabalhou durante dois anos para formular uma nova regra de compensação para o DF, que pudesse ao mesmo tempo trazer mais benefícios e menos custos financeiros. A proposta, que passou também por análise do Conselho de Meio Ambiente – CONAM, está aguardando aprovação do Governo do Distrito Federal.*

Para mais informações da campanha acesse a página oficial!

*Texto por Compensa Cerrado · Campanha pela assinatura do novo Decreto de Compensação Florestal do DF

 

 

Comunidades rurais recebem capacitação em gestão da propriedade rural no DF

 

 

A equipe da Rede Bartô, através do projeto “Agrofloresta prestadora de serviços ecossistêmicos”, realizou no mês de Abril capacitação no pré-assentamento Rosely Nunes, localizado na bacia do rio Pipiripau, região nordeste do Distrito Federal, a 55 Km do centro de Brasília (DF).

Trinta comunitários, entre homens, mulheres, jovens e adultos participaram da capacitação em Gestão da Propriedade Rural, que teve como objetivo ministrar noções básicas da administração da propriedade rural. “Esta capacitação tem um caráter continuado”, informou Rafael Pinzón, líder do projeto. O acompanhamento das famílias irá se manter ao longo do processo de produção e plantio de mudas, especialmente ao longo da produção na propriedade de cada família. Os principais temas abordados foram a gestão da casa, da propriedade e saúde, da propriedade e alimentação, da propriedade e produção, da propriedade e agroecologia, agricultura sustentável, transição agroecológica, gestão da propriedade e comercialização e controles para a gestão da propriedade.

A capacitação despertou o interesse pela gestão da propriedade a partir da gestão da habitação. Os grupos de trabalho  sugeriram melhorias para aumentar a qualidade de vida da comunidade, a partir da higiene no ambiente familiar. Aspectos importantes para a gestão da propriedade também entraram na pauta de discussões, como a aquisição dos insumos e ferramentas, plantio, cuidados com as plantações, colheita, armazenamento e comercialização.

 

Foto: Rede Bartô

 

 

WebAmbiente auxilia tomadas de decisão no processo de adequação ambiental

 

 

O WebAmbiente foi lançado este ano e é um sistema de informação interativo, que tem como objetivo facilitar o armazenamento e a busca de informações sobre soluções tecnológicas para uso, recuperação e restauração da paisagem em Áreas de Reserva Legal e de Preservação Permanente ao nível nacional. O sistema também visa apoio à implementação do novo Código Florestal, ao estimular o uso do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e reúne informações sobre coletas de semente, produção de mudas e plantios de restauração ecológica.

Os destaques da  nova ferramente são o Simulador de Recomposição Ambiental, que fornece sugestões específicas para recomposição de áreas. E a lista extensa e atualizada de espécies da flora nativa que pode ser acessada por bioma, formação vegetal e fitofisionomia com indicações das espécies que podem ser utilizadas nos processos de recomposição.

Esta iniciativa faz parte de uma ação conjunta da Embrapa e da Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável-MMA, em cooperação com diversos especialistas de diferentes instituições parceiras.

Para conhecer o sistema acesse: https://www.webambiente.gov.br/  

Mais informações:  

 

 

Rede de Sementes do Cerrado irá promover cursos em Goiás e Minas Gerais sobre restauração ecológica e coleta de sementes

A Rede de Sementes do Cerrado irá promover no mês de Junho os cursos “Coleta de Sementes” e “Restauração Ecológica”. O curso de Coleta de Sementes será ministrado nas cidades de Mambaí (GO) e na região do Peruaçu (MG) e o curso de Restauração Ecológica somente na região do Peruaçu (MG).

O curso de restauração faz parte do projeto “Capacitação em restauração ecológica do Cerrado”, que recebe apoio do CEPF Cerrado, e tem o objetivo de capacitar atores em ações de restauração, além de demais envolvidos no processo de restauração, sobre o diagnóstico de áreas degradadas, planejamento da restauração, técnicas de restauração e monitoramento dos resultados da restauração. O curso de coleta de sementes é uma iniciativa do projeto “Mercado de sementes e restauração: provendo serviços ambientais e biodiversidade”, que também recebe apoio do CEPF Cerrado e visa atuar nos principais elos da cadeia de produção de sementes nativas: os coletores de sementes, os diversos tipos de compradores de sementes e a interligação entre estes atores.

As inscrições para cada curso podem ser realizadas nos links abaixo:

Coleta de Sementes – Mambaí/GO – 8 a 10 de junho
https://goo.gl/forms/g2D7HdxkILfTXdJl1

Coleta de Sementes – Peruaçu/MG – 12 a 13 de junho
https://goo.gl/forms/dHiVTswQVp3j6q1K2

Restauração Ecológica – Peruaçu/MG – 14 a 15 de junho
https://goo.gl/forms/15HBcy5GApJ1twau1

 

 

 

 

Projeto de restauração no Tocantins ajuda a recompor áreas de Cerrado

O projeto Restaura Tocantins está ajudando a recompor 15 hectares de áreas de Cerrado no estado, através da técnica de semeadura direta de sementes nativas, onde as sementes coletadas são lançadas diretamente no local a ser restaurado. Através desta coleta, beneficiamento e armazenamento de sementes de espécies arbóreas nativas foi constituído um amplo banco de germoplasma e foram instalados Módulos Demonstrativos de Restauração (MDR) em áreas degradadas e alteradas de Preservação Permanente (APP) e Reserva Legal (RL), nas propriedades rurais da região central do Tocantins. Os MDR serão monitorados por meio de avaliações periódicas de parâmetros e indicadores da sucessão ecológica e do potencial uso econômico.

Técnica de semeadura direta. Foto: Ricardo Haidar
Técnica de semeadura direta. Foto: Ricardo Haidar
Técnica de semeadura direta. Foto: Ricardo Haidar
Técnica de semeadura direta. Foto: Ricardo Haidar
Área em processo de restauração. Foto: Ricardo Haidar
Área em processo de restauração. Foto: Ricardo Haidar
Área em processo de restauração. Foto: Ricardo Haidar
Foto: Ricardo Haidar
Fruto e sementes de fava-de-bolota. Foto: Ricardo Haidar
Fotos: Ricardo Haidar
Fotos: Ricardo Haidar

 

O grande objetivo do projeto é promover o uso racional da flora e da cobertura de vegetação nativa do estado do Tocantins, transformando áreas subutilizadas em zonas estratégicas para a economia do estado, diminuindo o custo da restauração e proporcionando a viabilidade econômica destas áreas para o produtor rural. Esse projeto é uma iniciativa da Universidade Estadual do Tocantins (UNITINS) em cooperação técnica com instituições de extensão, fomento, fiscalização e planejamento florestal/rural do estado do Tocantins, e conta com o apoio de instituições de pesquisa/ensino, do terceiro setor e de recursos privados de proprietários rurais.

Veja a matéria completa:

 

 

 

 

Missão IEB, CEPF e CI/GEF visita projetos em conservação do Cerrado no Mato Grosso do Sul

Neste mês de abril, o Instituto Internacional de Educação do Brasil/CEPF Cerrado recebeu a visita do time do CEPF internacional e da Conservação Internacional/GEF para uma visita aos projetos que já estão em execução nas áreas de Cerrado do Mato Grosso do Sul.

Os projetos foram aprovados na Primeira Chamada 2016 do CEPF Cerrado e são executados pela Associação Hanaiti Yomo’omo (AHY), ECOA, Fundação Neotrópica do Brasil e WWF-Brasil e estão desenvolvendo trabalhos voltados para a restauração, capacitação, gestão territorial, políticas públicas, áreas protegidas e agroecologia.

A AHY e a ECOA trabalham com o fortalecimento de comunidades, a primeira buscando a inclusão de indígenas e a segunda com  assentados rurais, através da agregação de valor e geração de renda por meios de produtos agrícolas e agroextrativistas do Cerrado. Além disso, a ECOA está seguindo com um processo de restauração da vegetação iniciado em 2016 em 15 áreas (totalizando aproximadamente 22 ha). A Fundação Neotrópica do Brasil e o WWF-Brasil buscam o fortalecimento dos CONDEMAs, a fim de subsidiar decisões locais que contribuam para conservação do Cerrado e para o alcance das metas mundiais de conservação da biodiversidade. Além disso, O WWF-Brasil visa promover o planejamento municipal participativo do uso do solo e desenvolver programas de base comunitária para restauração ecológica.

Conheça os detalhes de cada projeto no site do CEPF Cerrado.

Território quilombola em Corguinho, MS.
Viveiro de mudas na comunidade indígena Aldeia Brejão em Nioaque, MS.
Áreas de Cerrado em restauração em Miranda, MS.
Equipes do IEB, CEPF, CI, ECOA, Fundação Neotrópica do Brasil e WWF-Brasil.

Fotos: Aryanne Amaral / IEB

O retorno da fauna silvestre em área restaurada no Corredor Miranda-Bodoquena

A equipe técnica da ECOA (Ecologia e Ação) junto com monitores assentados, vêm realizando o monitoramento de uma área reflorestada de 22 ha, que teve o processo de restauração iniciado em 2016. Nestas visitas, eles identificaram áreas com grande potencial de regeneração natural, onde nascentes estão se recuperando gradativamente com auxílio da vegetação em reflorestamento. Além do processo de restauração dos serviços ecossistêmicos, a equipe técnica da ECOA vêm registrando a presença constante do retorno da fauna silvestre na região. Na área já foram confirmadas as presenças da anta (Tapirus terrestris), mão-pelada (Procyon cancrivorus) e de tuiuiús (Jabiru mycteria).

Registros da presença de tuiuiús e mão-pelada na área em processo de regeneração. ©ECOA
Pegada de anta na área. ©ECOA

A ECOA executa atividades no projeto “Corredor Miranda-Bodoquena: preenchendo lacunas socioambientais” em regiões dos municípios de Nioaque e Miranda (MS). O projeto é apoiado pelo CEPF Cerrado e tem como objetivo auxiliar na revegetação e conservação do bioma, através do fortalecimento do extrativismo não madeireiro nas comunidades e assentamentos do corredor Miranda – Bodoquena.

 

Comunidades rurais recebem capacitação através de projeto apoiado pelo CEPF Cerrado

Nos dias 23 e 24 de fevereiro (2018), a equipe da Rede Bartô, através do projeto “Agrofloresta prestadora de serviços ecossistêmicos” realizou capacitações em comunidades rurais presentes na bacia do rio Pipiripau, localizado na região nordeste do Distrito Federal, a 55 Km do centro de Brasília (DF).

Os novos assentados rurais da Reforma Agrária, comunidade Roseli Nunes, receberam uma capacitação voltada para importância do trabalho coletivo, onde foram apresentadas noções sobre as bases do associativismo e cooperativismo. A comunidade Oziel Alves teve a capacitação voltada para a apresentação do novo Código Florestal, onde foram ressaltadas a importância das Áreas de Preservação Permanente, Reserva Legal, Cadastro Ambiental Rural e restauração do Cerrado. Ao todo, as capacitações envolveram 44 pessoas com a média de idade entre 18 e 60 anos.

Os próximos passos do projeto prevem a conservação de áreas de Cerrado dentro do lote dos agricultores, através da regeneração natural e plantio de mudas;  a manutenção das áreas comunitárias de Reserva Legal, através de campanha contínua de educação ambiental e do enriquecimento com mudas e a implantação de agroflorestas.

O projeto “Agrofloresta prestadora de serviços ecossistêmicos” tem apoio do CEPF Cerrado e tem como objetivo principal, o beneficiamento de comunidades de agricultores familiares que se encontram no bioma Cerrado e no RIDE Brasília, e que fazem parte de uma área chave para a biodiversidade no Brasil Central. Mais informações sobre o projeto no site do CEPF Cerrado.

 

Capacitações realizadas pela Rede Bartô em comunidade rurais localizadas no entorno de Brasília (DF). Fotos: ©Aryanne Amaral

 

 

 

Ações de conservação promovidas pela sociedade civil e comunidades no Corredor Prioritário Miranda-Bodoquena

A ONG Ecologia e Ação (ECOA) iniciou suas atividades no projeto “Corredor Miranda-Bodoquena: preenchendo lacunas socioambientais” em regiões dos municípios de Nioaque e Miranda (MS). O projeto é apoiado pelo CEPF Cerrado e tem como objetivo auxiliar na revegetação e conservação do bioma, através do fortalecimento do extrativismo não madeireiro nas comunidades e assentamentos do corredor Miranda – Bodoquena.

A equipe técnica da ECOA junto com monitores assentados, vêm realizando o monitoramento de uma área reflorestada de 22 ha, que teve o processo de restauração iniciado em 2016. Nestas visitas, eles identificaram áreas com grande potencial de regeneração natural, onde nascentes estão se recuperando gradativamente com auxílio da vegetação em reflorestamento.

Ao início destas primeiras ações na região, a equipe da ECOA recebeu um retorno positivo de proprietários rurais, que se dispuseram a colaborar, o que gerou uma lista de espera de pessoas dispostas à reflorestarem as suas Áreas de Preservação Permanente (APPs). Normalmente, como relatou a equipe, uma das maiores dificuldades encontradas por ações de reflorestamento é a anuência dos proprietários. Em muitas regiões há uma dificuldade bastante grande em encontrar pessoas que autorizem o fechamento e replantio das APPs.

Com estas ações, o projeto prevê que a médio e longo prazo, as bases comunitárias e associações nos assentamentos estarão fortalecidas pelo aumento da produção extrativista, que será promovida através do plantio de espécies, o que beneficia a ampliação das áreas de conservação do Cerrado no corredor Bodoquena – Miranda.

 

Área de 22 ha que passou por um processo de reflorestamento e está sendo monitorada pelo projeto Corredor Miranda-Bodoquena, realizado pela Ong Ecologia e Ação (ECOA) e com apoio do CEPF Cerrado.

 

 

Pegadas de mão-pelada (Procyon cancrivorus) registradas por projeto apoiado pelo CEPF Cerrado

Pegadas de mão-pelada, ou também popularmente conhecido como guaxinim ou cachorro-do-mangue, foram registradas pela equipe da ONG ECOA durante viagem técnica. O diretor científico Rafael Morais fez o registro em uma área que está passando por um processo de recomposição da vegetação nativa de Cerrado, na região do assentamento Boa Esperança (Mato Grosso do Sul). De acordo com a nota divulgada pela equipe, o animal é raro em região de supressão vegetal. Veja a notícia completa no site da ECOA.

As atividades da ECOA estão sendo apoiadas pelo Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF Cerrado), através do projeto “Corredor Miranda-Bodoquena”, que visa auxiliar na revegetação e conservação do Cerrado, através do fortalecimento do extrativismo não madeireiro nas comunidades e assentamentos do corredor Miranda – Bodoquena, Mato Grosso do Sul.

Conheça mais sobre os projetos apoiados pelo CEPF Cerrado neste link!

 

Pegadas de mão-pelada/guaxinim (Procyon cancrivorus) registradas pela equipe da Ong ECOA. Foto retirada do site da ECOA (©Rafael Morais).

 

 

Cursos de adequação da propriedade rural no Cerrado serão oferecidos em Brasília e Cuiabá

 

No Cerrado, estima-se que haja mais de 5 milhões de hectares a serem restaurados para cumprimento da legislação e da meta de restauração assumida pelo governo Brasileiro durante a COP21 (2015). Os desafios são muitos e a inovação é necessária, para que práticas que hoje são inovadoras, passem a ser testadas e implementadas em larga escala de forma a permitir a restauração ecológica de vegetações campestres e savânicas, que caracterizam mais de 60% da área original do Cerrado¹.

O projeto “Mercado de Sementese Restauração Provendo Serviços Ambientais e Biodiversidade” administrado pela Rede de Sementes do Cerrado e sob coordenação do ICMBio e parcerias da Embrapa e Universidade de Brasília, foi contemplado na Primeira Chamada do edital do CEPF. Neste projeto, três toneladas de sementes serão distribuídas para fomentar o uso de técnicas, além de promover a melhoria do comércio de sementes, através de treinamento de coletores, desenvolvimento de um aplicativo para comunicação entre as pontas da cadeia de restauração e serão realizados cursos.

O curso Adequação Ambiental da Propriedade Rural permeia temas como a caracterização ecológica do Cerrado, legislação ambiental federal, estratégias de recomposição, espécies nativas de interesse econômico, riscos e desafios associados à RAD e o monitoramento da recomposição. O primeiro curso aconteceu em Palmas (TO) entre os dias 09 e 11 de outubro (2017) e os próximos estão programados para ocorrer em Cuiabá (MT), no período de 29/11 a 01/12 e em Brasília (DF), no período de 05 a 07/12. Os detalhes da programação do curso que será oferecido em Brasília podem ser acessados aqui, as inscrições podem ser efetuadas através do portal da Embrapa Cerrados até o dia 26/11 e mais informações podem ser obtidas através do telefone (61) 3388-9940. As inscrições para o curso de Cuiabá já estão encerradas, porém mais informações podem ser obtidas com a analista ambiental da SEMA (MT) que está à frente da atividade, Ligia Nara Vendramin, através do email (ligiavendramin@sema.mt.gov.br).

 

¹Adaptado do texto enviado por Alexandre Bonesso Sampaio – Analista Ambiental CECAT/ICMBio

Projeto “Restauração de Campos e Savanas no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros” é premiado em conferência internacional sobre restauração

Equipe do projeto “Restauração de Campos e Savanas no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros” recebendo o prêmio na VII Conferência Mundial da Sociedade Internacional de Restauração Ecológica (SER). (Foto cedida pela equipe)

O projeto “Restauração de Campos e Savanas no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (PNCV)” foi premiado como o melhor projeto de restauração apresentado na VII Conferência Mundial da Sociedade Internacional de Restauração Ecológica (SER), realizada entre agosto e setembro de 2017. O projeto, coordenado pelo ICMBio, concorreu com outros 14 projetos, tendo ficado entre os três finalistas. Este projeto foi iniciado em 2010, no intuito de erradicar espécies invasoras e restaurar áreas degradadas no Parque. Em 2012, o analista Alexandre Bonesso Sampaio (CECAT/ICMBio) em parceria com outros servidores, propuseram a ampliação da escala dos experimentos de restauração, incluindo as espécies herbáceo-arbustivas do Cerrado. A técnica testada foi a semeadura direta de espécies nativas, em muito inspirada no método de restauração das florestas do entorno do Parque Nacional do Xingu. Este projeto já contou com o financiamento da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e Rede de Sementes do Cerrado, e conta, com apoio de pesquisadores da Embrapa, como Daniel Mascia Vieira e José Felipe Ribeiro, e da UnB, Isabel Belloni Schmidt e Sarah Caldas, além de contar com o apoio da comunidade do entorno do PNCV. O projeto sempre buscou gerar conhecimento e aprimorar técnicas de restauração de menor custo e alta eficiência para restaurar formações savânicas e campestres do Cerrado, envolvendo as comunidades locais em todas as etapas. Em 2016, todos os envolvidos no projeto se uniram para orientar uma ação inovadora no Parque. O objetivo era realizar reposição florestal via semeadura direta de plantas nativas, promovendo em larga escala a primeira restauração de formações savânicas e campestres do Cerrado. Os plantios desta reposição foram realizados em 2015 e 2016, onde foi possível restaurar 94 ha.

A restauração ecológica de savanas e campos do Cerrado é um desafio ainda pouco estudado e aplicado. Apesar disso, as práticas desenvolvidas no PNCV, com réplicas na REBIO Contagem (Brasília-DF) e na Fazenda Entre-Rios (PAD-DF), indicam que é possível restaurar em larga escala as formações savânicas e campestres. Este resultado só foi atingido graças ao envolvimento ativo da comunidade do entorno do PNCV, especialmente na produção de sementes nativas e nas atividades de semeadura e manutenção das áreas. Hoje, há mais de 70 famílias de coletores de sementes organizadas junto à Associação Cerrado de Pé, que é primeira a ofertar sementes de espécies herbáceo-arbustivas no Cerrado. Atualmente os coletores da Chapada dos Veadeiros ofertam sementes de 80 espécies nativas, entre ervas, arbustos e árvores. Desde 2012 foram restaurados 105 ha, a partir da semeadura de cerca de 25 toneladas de sementes de plantas nativas, movimentando R$ 170.000 para comunidades locais.

adaptado do texto enviado por Alexandre Bonesso Sampaio – Analista Ambiental CECAT/ICMBio