Início » Notícias » Rede Cerrado

Tag: Rede Cerrado

Rede Cerrado: 27 anos de articulação de povos e comunidades tradicionais

por Thays Puzzi, assessoria de comunicação da Rede Cerrado

Apoio do CEPF e DGM/Brasil conseguiu multiplicar ações de fortalecimento e integração entre as mais 50 organizações associadas

Constituída na década de 1990 durante a ECO-92 por um conjunto de entidades que, naquele momento, viram na articulação em rede uma estratégia de luta e resistência, a Rede Cerrado, ao longo de mais de 25 anos de história, tornou-se referência na área socioambiental e no apoio à construção de políticas públicas que visam conservar o Cerrado e garantir direitos aos povos e às comunidades tradicionais que habitam o Bioma. Nos últimos dois anos (2018-2019), em especial, a Rede Cerrado, por meio do apoio do Fundo de Parcerias para Ecossistemas Críticos (CEPF, na sigla em inglês para Critical Ecosystem Partnership Fund) e do DGM/Brasil, conseguiu multiplicar ações de fortalecimento e integração entre as mais 50 organizações associadas.

Mesa de abertura do IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado, realizado de 11 a 14 de setembro de 2019, Brasília, DF. Foto: ©Aryanne Amaral/Acervo IEB

“A Rede Cerrado atuou junto às organizações associadas para apoiar, por exemplo, o Ministério Público Federal na construção de plataforma de Territórios Tradicionais, realizou uma série de encontros e seminários sobre territórios com representantes de povos e comunidades tradicionais, realizou a nona edição do Encontro e Feira dos Povos do Cerrado e, está em fase final de apoio na construção de um aplicativo, desenvolvido pelo IPAM, para mapeamento de Territórios Tradicionais. Foram muitas ações realizadas com o apoio do CEPF e das entidades associadas”, destacou Rodrigo Noleto, coordenador do programa Amazônia do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN). Para ele, é importante manter a Rede Cerrado viva, pois, segundo Noleto, muitas vezes ela é a voz de socorro, de apoio e de articulação de povos e comunidades tradicionais. “Espero que a Rede Cerrado possa sair fortalecida, e mantenha as condições de articulação tão necessárias para esse período em que vivemos”, observou.

O sentimento é compartilhado pelo geraizeiro Samuel Caetano, do Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas Gerais (CAA-NM). Para ele, a Rede Cerrado é uma parceira estratégica para as organizações que prezam pelo desenvolvimento sustentável e uma relação mais harmoniosa com o meio ambiente. “A Rede Cerrado se consolidou como um espaço político para essas organizações, pois proporciona a unificação das lutas com um debate mais qualificado e estratégico. É onde nós, povos e comunidades tradicionais do Cerrado, trocamos experiências, pensamos e formulamos políticas públicas que defendam o Cerrado e seus povos”, ressaltou.

Foto: ©Acervo Rede Cerrado

Já Maria do Socorro Teixeira Lima, quebradeira de coco babaçu e coordenadora-geral da Rede Cerrado, os últimos dois anos foram essenciais para o fortalecimento institucional da Rede Cerrado. Para ela, agora, é preciso ampliar o trabalho junto às comunidades de base. “Por isso a continuidade da Rede Cerrado é tão importante. Nós a resgatamos, a reestruturamos. Deixo esse recado para os nossos parceiros”. Rose Mary Araújo, da Mulheres em Ação do Pantanal (Mupan), considera essencial o apoio dado à Rede Cerrado. “Não existem paisagens sem pessoas e a Rede Cerrado precisa muito desse apoio, principalmente agora que estamos restabelecidos. No campo político não existe outra organização como a Rede Cerrado”, destacou. César Victor do Espírito Santo, da Fundação Pró-Natureza (Funatura) disse que o CEPF veio suprir uma lacuna no Cerrado, já que ele, historicamente, é um Bioma que recebe poucos recursos para projetos de conservação. “O fortalecimento da Rede Cerrado é muito importante para fazer com que as pautas do Cerrado sejam levadas a diante. Não somente dos povos e comunidades tradicionais, mas também as relacionadas à conservação da biodiversidade’, completou.

O objetivo principal do projeto apoiado pelo CEPF Cerrado foi fortalecer institucionalmente a Rede Cerrado, além de ampliar sua incidência. A principal ação foi a realização do IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado que reuniu na capital federal, Brasília, mais de 500 representantes de povos e comunidades tradicionais de todo o Cerrado e cerca de sete mil pessoas da sociedade em geral. Além de trocarem experiências entre si e debaterem estratégias para a manutenção do Cerrado em pé, eles puderam expor produtos da sociobiodiversidade e mostrar um pouco da diversidade cultural e gastronômica para cerca de sete mil pessoas que prestigiaram o evento.

I Oficina de Territórios da Rede Cerrado realizada em novembro de 2018. Foto: ©Thays Puzzi/Acervo Rede Cerrado

Outro projeto que permitiu a ampliação das ações da Rede Cerrado foi o Programa DGM/FIP (Dedicated Grant Mechanism for Indigenous People and Local Communities – Fundo de Investimento Florestal), do Banco Mundial.

Para Kátia Favilla, secretária-executiva da Rede Cerrado, esses últimos dois anos foram essenciais para reforçar os processos de articulação e animação da Rede Cerrado. “Para os próximos anos, o maior desafio será a atuação em conjunto das organizações em um cenário com poucos recursos financeiros e desmonte de políticas públicas ambientais e de garantia de direitos dos povos e comunidades tradicionais. Somente com a união das entidades e o fortalecimento das comunidades em suas localidades, além de um forte trabalho de base, poderemos garantir a existência do Cerrado e dos seus povos”, afirmou Favilla.

Rede Cerrado e CEPF Cerrado

A Rede Cerrado conta com apoio do CEPF Cerrado para executar o projeto “Rede fortalecida, Cerrado conservado”, que tem o objetivo de ampliar a incidência política da Rede na elaboração, implementação e monitoramento de políticas públicas de promoção ao desenvolvimento sustentável, com respeito aos direitos de agricultores familiares, povos e comunidades tradicionais.


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

Leia mais

No mês do Cerrado, povos e comunidades tradicionais elevam vozes em defesa do bioma

por Thays Puzzi, Assessoria de Comunicação da Rede Cerrado

IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado, promovido pela Rede Cerrado, foi prestigiado por aproximadamente sete mil pessoas. Seminários, oficinas, shows e comercialização de produtos da sociobiodiversidade movimentaram a capital federal de 11 a 14 de setembro

Mesa de abertura no IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado. Foto: A. Amaral / Acervo IEB

Cerrado: o que te faz lembrar dele? Mesmo que alguns ainda não percebam ou não saibam, este Bioma é rico em diversidades. Tem cultura, tem gente, tem planta, tem animais, tem vida! E isso pode ser vivenciado pelas quase sete mil pessoas que prestigiaram a nona edição do Encontro e Feira dos Povos do Cerrado, que ocorreu em Brasília, de 11 a 14 de setembro. Seminários, oficinas, shows, comercialização de produtos da sociobiodiversidade, além da tradicional Corrida de Toras deram vazão às riquezas e às principais demandas do Bioma, dos povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais que foram os protagonistas do evento, que teve início, não por acaso, no Dia Nacional do Cerrado.

Com o tema ‘Pelo Cerrado Vivo: Território, Diversidades e Democracia‘, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado, promovido pela Rede Cerrado, foi um espaço de encontros, celebração, denúncias, lutas e resistências. “Foi muito gratificante porque nós unimos forças por uma luta comum que é a defesa do Cerrado. Eu participo desde a primeira edição e vivenciar essa união, apresentar nossas riquezas e produtos foi muito bom”, destacou Lucely Pio, quilombola e raizeira que, além de trazer cosméticos a base de plantas medicinais do Cerrado, presenteou os participantes ministrando uma oficina sobre saúde da mulher. Ao todo, foram realizadas durante o evento 18 oficinas com a participação de mais de 750 pessoas. Diferentes temas foram abordados, como gênero, juventudes, gestão territorial, neoextrativismo, conflitos socioambientais, produção e comercialização de produtos agroextrativistas, entre outros.

Cerimônia de abertura do IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado. Foto: ©A. Amaral / Acervo IEB

“Meu sentimento é de felicidade, de realização. Pela situação que estamos vivendo, a realização deste encontro foi muito importante. Uma vitória de cada um de nós que juntos nesta Rede fizemos nosso evento acontecer. É preciso chamar a atenção de toda a sociedade. Pedimos que nos ajudem a cuidar do Cerrado, a combater todo o mal que está acontecendo com ele”, desabafou Maria do Socorro Teixeira Lima, quebradeira de coco babaçu e coordenadora geral da Rede Cerrado.

Com uma mistura de sentimentos refletidos no olhar, ela lembrou de todas as problemáticas enfrentadas pelo Cerrado, seus povos e comunidades tradicionais. Atualmente, ele é o Bioma mais ameaçado do Brasil. Mais da metade da vegetação original do Cerrado já foi desmatada. Ele, que é o segundo maior Bioma do país, ocupando 24% de todo território nacional, concentra 30% de toda biodiversidade do país e 5% da biodiversidade do planeta. Além disso, é no Cerrado que estão localizadas oito das doze regiões hidrográficas brasileira, abastecendo seis das oito grandes bacias hidrográficas do país. É no Cerrado, por exemplo, onde estão três dos principais aquíferos do Brasil: Bambuí, Urucuia e Guarani. O avanço indiscriminado das grandes monoculturas no Bioma tem afetado diretamente a sociobiodiversidade e as águas do Cerrado, responsáveis por abastecer grande parte do país.

Seminário “A Importância dos Povos e Comunidades para a conservação do Cerrado” em Brasília, DF no dia Nacional do Cerrado. Foto: ©A. Amaral / Acervo IEB

Além disso, a região Centro-Oeste do Brasil, quase toda ocupada pelo Cerrado, está na segunda posição quando se trata da elevação do número de incêndios florestais (atrás da Amazônia), apresentando o crescimento de 100% do número de focos de incêndio no comparativo com dados de 2018, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). No início do mês de setembro, por exemplo, o incêndio no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, situado no Mato Grosso, destruiu quase 4 mil hectares de sua área.

Leia a Carta Política do IX Encontro e Feiras dos Povos do Cerrado e esta matéria completa no site da Rede Cerrado!

A Rede Cerrado conta com apoio do CEPF Cerrado para executar o projeto “Rede fortalecida, Cerrado conservado”, que tem o objetivo de ampliar a incidência política da Rede na elaboração, implementação e monitoramento de políticas públicas de promoção ao desenvolvimento sustentável, com respeito aos direitos de agricultores familiares, povos e comunidades tradicionais. Durante o IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado, a Rede Cerrado e algumas instituições parceiras do CEPF Cerrado promoveram discussões importantes relacionadas à temas como gênero e território, comércio justo e solidário da cadeia do baru, gestão territorial e ambiental nas terras indígenas do Cerrado, conflitos socioambientais no MATOPIBA e a comercialização dos produtos agroextrativistas do Cerrado.

Fiquem ligados, pois logo vamos publicar mais notícias sobre o desdobramento destas discussões durante o IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado!


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Rede Cerrado lança campanha para IX Encontro e Feira do Povos do Cerrado

via Rede Cerrado

É TUDO OU NADA!

Está no ar a campanha de financiamento coletivo para a realização do IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado.  Você sabe por que esse encontro é importante?

Realizado desde 2001, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado é um grande espaço de troca de experiências e articulações em defesa do Bioma e dos seus povos.

A nona edição do Encontro se constitui em um momento intenso de mobilização e integração entre diversos setores e atores interessados na defesa do Cerrado e de seus povos.

Além de ser uma grande festa pela reunião da diversidade dos povos do Cerrado, ele tem se tornado um importante instrumento de articulação e fortalecimento dos povos, além de se constituir como um meio de acessibilidade e discussão de políticas públicas e a comercialização de produtos dos Povos do Cerrado.

Pelo Cerrado Vivo: diversidades, territórios e democracia. Este será o tema da nona edição do Encontro e Feira dos Povos do Cerrado. Com abertura no dia 11 de setembro, Dia Nacional do Cerrado, o Encontro e Feira será realizado em Brasília até dia 14 de setembro e será um espaço de debates, reflexões e trocas de experiências sobre a realidade do bioma e os desafios enfrentados pelos povos e comunidades tradicionais que habitam o Cerrado.

Foi para arrecadar fundos complementares para a realização do evento, que a Rede Cerrado lança uma campanha de financiamento coletivo para que qualquer pessoa que lute pela conservação do Cerrado e dos seus povos possa colaborar com a construção do encontro.

Quem organiza o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado?

A Rede Cerrado! Um coletivo de organizações que congrega 54 organizações formalmente filiadas e cerca de trezentas organizações participantes das atividades da Rede.

Contamos com o seu apoio!

Veja mais detalhes do financiamento coletivo para a realização do IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado no link e faça parte dessa grande rede de solidariedade: https://benfeitoria.com/encontroefeirapovosdocerrado

 


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Eleita nova coordenação diretiva da Rede Cerrado

Nos dias 07 e 08 de maio, entidades da Rede Cerrado estiveram reunidas em Brasília para a realização da VIII Assembleia Geral, que elegeu nova coordenação diretiva, que irá assumir os trabalhos até 2021.

O Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), na representação de Maria do Socorro Teixeira Lima, segue na coordenação geral da Rede Cerrado, com suplência de Hiparidi Top’tiro, que representa a Mobilização dos Povos Indígenas do Cerrado (MOPIC), e na coordenação administrativa financeira, estão os representantes da FUNATURA e MUPAN. O Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB) está entre as entidades que irão compor a coordenação colegiada, que presta auxílio à coordenação diretiva.

VII Assembleia Geral da Rede Cerrado

Além da eleição, a Assembleia também teve o objetivo de avaliar a atuação da Rede Cerrado no ano de 2018 e planejar atividades para este ano, como a realização do Encontro e Feira dos Povos do Cerrado.

Veja a matéria completa no site da Rede Cerrado.

Acompanhe as novidades da Rede Cerrado no Facebook e no Twitter.

A Rede executa o projeto Rede Fortalecida, Cerrado conserva (REFORCE), que tem o objetivo de ampliar a incidência política da Rede Cerrado na elaboração, implementação e monitoramento de políticas públicas relacionadas à promoção do desenvolvimento sustentável com respeito aos direitos de agricultores familiares, povos e comunidades tradicionais. Este projeto conta com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Funde Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Cerrado: estratégias e perspectivas territoriais para os próximos anos

via Rede Cerrado

II Oficina de Territórios da Rede Cerrado contará com representantes de povos e comunidades tradicionais do Bioma que farão diálogo direto com governo e Ministério Público Federal

Em continuidade ao processo de debates sobre os direitos territoriais de povos e comunidades tradicionais iniciado no ano passado, nos próximos dias 08 e 09 de maio, a Rede Cerrado reunirá representantes de indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco babaçu, geraizeiros, raizeiras, extratvisitas, entre outros povos tradicionais do Bioma, em Brasília (DF), para diálogo direto com o governo e Ministério Público Federal para debater perspectivas e traçar estratégicas conjuntas para os próximos anos.

Se em 2018 os diálogos deram luz a novas formas para a garantia desses territórios, agora estratégias serão pensadas e traçadas frente a conjuntura já estabelecida pela atual gestão federal.

O Cerrado, além de ser, atualmente, o Bioma mais ameaçado do Brasil, de acordo com dados do Caderno de Conflitos do Campo 2018, da Comissão Pastoral da Terra, foi a região que mais sofreu com a expulsão de famílias do campo. O aumento registrado de 2017 para 2018 foi de mais de 14 mil por cento.

Mesa de Diálogos com governo federal e MPF

Como parte da programação da II Oficina de Territórios da Rede Cerrado, na próxima quarta-feira, dia 08 de maio, ocorrerá uma mesa de diálogos com representantes da atual gestão do governo federal referente a temas, como: regularização dos territórios, políticas públicas e extinção das instâncias de participação social.

Além de representantes de povos e comunidades tradicionais do Cerrado, o ato contará com a presença e participação do professor e pesquisador Alfredo Wagner, de representantes da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal (MPF), e da procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat.

A atividade, intitulada como Mesa de Diálogos sobre Territórios Tradicionalmente Ocupados é ação conjunta entre a Rede Cerrado, o Conselho Nacional dos Povos e Comunidades Tradicionais (CNPCT) e o Ministério Público Federal, em conjunto com a Articulação em Defesa das Terras Tradicionalmente Ocupadas. A atividade será transmitida ao vivo pela TV MPF.

Já na quinta-feira, dia 09, os trabalhos continuam no Instituto Divino Mestre, também em Brasília, com o objetivo de integrar ações e fortalecer estratégias conjuntas com outras organizações e coletivos.

Assembleia Geral da Rede Cerrado

Na próxima semana, nos dias 06 e 07 de maio, a Rede Cerrado também realizará sua Assembleia Geral cujo missão será eleger a nova coordenação geral da entidade para os próximos três anos. Na oportunidade, estarão presentes representantes das organizações associadas à Rede Cerrado.

Assembleia Geral da Rede Cerrado realizada em maio de 2018/Acervo Rede Cerrado.

 

A Rede Cerrado

Composta por mais de 50 entidades da sociedade civil associadas, a Rede Cerrado trabalha para a promoção da sustentabilidade, em defesa da conservação do Cerrado e dos seus povos. Indiretamente, a Rede Cerrado congrega mais de 300 organizações que se identificam com a causa socioambiental do bioma.

Somos representados por indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco babaçu, vazanteiros, fundo e fecho de pasto, pescadores artesanais, geraizeiros, extrativistas, veredeiros, caatingueros, apanhadores de flores Sempre Viva e agricultores familiares.

A Rede Cerrado também atua estrategicamente em diversos espaços públicos socioambientais para propor, monitorar e avaliar projetos, programas e políticas públicas que dizem respeito ao Cerrado e aos seus povos.

Veja matéria no site da Rede Cerrado!

Contato para imprensa e entrevistas
Assessoria de Comunicação da Rede Cerrado
Thays Puzzi
comunicacao@redecerrado.org.br
(61) 9 8116-4747 (WhatsApp)


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Oficina promovida pela Rede Cerrado em Novembro reuniu representantes de povos e comunidades tradicionais

No sentido de debater e dialogar sobre os direitos territoriais, incluindo as disputas e conflitos por terras, principalmente no campo, e conhecer novas formas de garantia de territórios, que a Rede Cerrado promoveu nos dias 6 e 7 de Novembro, em Brasília, a I Oficina de Territórios. O encontro reuniu representantes de povos e comunidades tradicionais (PCTs) que vivem no Cerrado e de organizações da sociedade civil. Leia matéria completa no site da Rede Cerrado.

O Cerrado, hoje, é proporcionalmente o bioma mais desmatado do Brasil. De acordo com dados do Ministério do Meio Ambiente, metade da vegetação nativa do Cerrado não existe mais. A área com a maior incidência é o MATOPIBA (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), região apontada como a última fronteira agrícola do país. O Cerrado, em especial, o MATOPIBA, sofre com o avanço indiscriminado de commodities do agronegócio. “Ocorre que nessas áreas nós temos dezenas de Terras Indígenas, centenas de assentamentos da reforma agrária, Territórios Quilombolas que são afetados diretamente pela constituição dessa nova fronteira para a agricultura de larga escala no Brasil”, explica a pesquisadora da Universidade de Brasília Mônica Nogueira, mestre em Desenvolvimento Sustentável e doutora em Antropologia.

A Rede Cerrado executa o projeto “Rede fortalecida, Cerrado conservado”, que visa ampliar a incidência política da Rede na elaboração, implementação e monitoramento de políticas públicas relacionadas à promoção do desenvolvimento sustentável, com respeito aos direitos de agricultores familiares, povos e comunidades tradicionais. O projeto conta com apoio do Fundo de Parceria para  Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB). A Rede Cerrado trabalha para a promoção da sustentabilidade, em defesa da conservação do Cerrado e dos seus povos. Indiretamente, a Rede Cerrado congrega mais de 300 organizações que se identificam com a causa socioambiental do bioma.

*Adaptado do texto de Thays Puzzi / Assessoria de Comunicação da Rede Cerrado.

 

I Oficina de Territórios da Rede Cerrado. ©Acervo Rede Cerrado/Thays Puzzi

O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Rede Cerrado lança novo site em evento que reuniu entidades associadas e parceiras

Composta por 54 entidades associadas e cerca de 300 organizações de base, a Rede Cerrado, que retomou as atividades da secretaria executiva no início deste ano, reuniu instituições filiadas e parceiras para uma confraternização para celebrar o Dia Nacional do Cerrado. Na oportunidade, houve o lançamento do novo site da Rede Cerrado que já está disponível para acesso em diferentes telas, computador, celular ou tablete, pelo endereço www.redecerrado.org.br.

A Rede Cerrado executa o projeto “Rede fortalecida, Cerrado conservado”, que tem o objetivo de ampliar a incidência política da Rede na elaboração, implementação e monitoramento de políticas públicas relacionadas à promoção do desenvolvimento sustentável com respeito aos direitos de agricultores familiares, povos e comunidades tradicionais no bioma Cerrado. O projeto conta com apoio do Instituto Internacional de Educação do Brasil e do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF Cerrado)

Veja a matéria completa no site da Rede Cerrado.

Coordenação da Rede Cerrado. Acervo IEB/Aryanne Amaral

O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão, da Fundação MacArthur e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.