Início » Notícias » Instituto Jurumi

Tag: Instituto Jurumi

Cacto raro e ameaçado de extinção é foco de projeto de conservação no Vale do Jequitinhonha, Itamarandiba, Minas Gerais

Hoje, no Dia Nacional do Cerrado (11/09), vamos conhecer uma planta rara natural da região do Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais, que está criticamente ameaçada devido à destruição de seu habitat por mineração e pela coleta ilegal e predatória para comércio de colecionadores. Ela pertence à família botânica Cactaceae, o cacto com o nome científico de Uebelmannia buiningii, Coroa de Ita, é encontrado numa área com cerca de 18,81 hectares localizada no município de Itamarandiba. Essa área é de transição entre os biomas da Mata Atlântica e o Cerrado e onde encontra-se uma das poucas unidades de conservação da região, o Parque Estadual Serra Negra – PESN. O local é considerado uma área-chave para a biodiversidade ou Key Biodiversity Area (KBA), repleto de espécies endêmicas. As KBAs são locais que “contribuem significativamente para a persistência mundial da biodiversidade”, por exemplo, por meio do apoio à conservação de espécies ameaçadas e espécies que tenham distribuições globais severamente restritas.

A planta vem sendo estudada desde 2012 por pesquisadores do Centro de Avaliação da Biodiversidade e Pesquisa e Conservação do Cerrado – CBC, do Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade (ICMBio), que vão a campo em busca de conhecimento sobre suas populações, de entendimento mais detalhado das características de seus habitats e de fatores que ameaçam a sua sobrevivência, os quais são divulgados em trabalhos científicos e ajudam a orientar os caminhos a serem trilhados para o manejo de suas populações na natureza.

Paisagem da região de Serra Negra, no Vale do Jequitinhonnha, em Itamarandiba. Foto: Washington Oliveira / Acervo pessoal

O Projeto “Ecologia e Recuperação de U. buiningii” conta desde 2019 com o apoio financeiro do Instituto Internacional de Educação do Brasil, através do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF Cerrado) e com a gestão do Instituto Jurumi para a Conservação da Natureza em parceria com a Embrapa-Cenargen e o Parque Estadual Serra Negra. A bióloga e coordenadora do Projeto, Suelma Ribeiro explica que: “o foco principal, sem dúvida, é garantir a manutenção do cacto na natureza em longo prazo”. 

A planta encontra-se criticamente ameaçada, segundo a lista nacional e internacional de espécies da flora ameaçada de extinção, devido à destruição de seu habitat e retirada ilegal de seus indivíduos. Porém, outras ameaças foram identificadas com os estudos realizados em 2019. Segundo o biólogo Washington Oliveira, integrante da equipe: “a pesquisa realizada no ano passado indicou que a planta exótica invasora conhecida como capim-gordura (Melinis minutiflora) foi encontrada em todas as áreas de ocorrência do cacto e afeta negativamente a sua abundância”.

O cacto que vive exclusivamente numa faixa entre 900 e 1350 m de altitude, é polinizado por abelhas, mede cerca de 6 cm de altura e vive em associação com outros arbustos e rochas, especialmente embaixo de outras espécies endêmicas de bromélias e velózias, também conhecidas como canela-de-ema. Essa associação favorece uma maior abundância do cacto, atenuando a radiação solar excessiva por meio do sombreamento, que deixa o ambiente mais úmido, reduzindo os efeitos negativos da alta temperatura do local, tornando esses locais apropriados para a germinação de sementes. De acordo com Suelma Ribeiro, “esses ambientes funcionam como um microecossistema que devem ser protegidos para garantir a manutenção dos indivíduos de Uebelmannia buiningii.

Coroa de Ita. Foto: Washington Oliveira/Acervo pessoal

No entanto, a maior parte das populações do cacto vivem fora do PESN, com quatro pequenas populações situadas em propriedades particulares, o que exige açōes urgentes de proteção e de sensibilização. Nesse sentido, o projeto também atua com iniciativas de educação ambiental já desenvolvidas pela equipe do Parque, estimulando açōes que sensibilizam crianças e jovens das comunidades locais. O gerente do PESN, Wanderlei Pimenta comenta que: “a redefinição dos limites do Parque, a criação de reservas particulares do patrimônio natural – RPPN e a intensificação de açōes de educação ambiental na região são fundamentais para a proteção da planta e dos ecossistemas da unidade”.

O manejo das populações do cacto nos campos rupestres da Serra Negra exige a adoção de estratégias de manejo adptativo que favoreçam a redução dos impactos sobre os poucos indivíduos que restam na natureza. Assim, é essencial garantir a manutenção das interaçōes ecológicas e a proteção de seus habitats. De acordo com Suelma Ribeiro, essa abordagem servirá também para beneficiar outras espécies ameaçadas de extinção que ocorrem no território e explica: “a implementação dessas estratégias de manejo será o próximo passo a ser trilhado pelo projeto, mas que irá exigir o fortalecimento das parcerias atuais bem como a sua ampliação para, assim, salvarmos juntos esse cacto da extinção”.

 

Mais informações podem ser acessadas nos seguintes sites: 

Instituto Jurumi: https://bio.institutojurumi.org.br/atividades/projeto/cacto    

CEPF Cerrado: http://cepfcerrado.iieb.org.br/projetos/ecologia-e-recuperacao-de-uebelmannia-buiningii-donald-cactaceae/

CBC/ICMBio:  https://www.icmbio.gov.br/cbc/acoes-de-pequisa-e-conservacao/manejo-para-conservacao-da-biodiversidade-em-ucs.html 

Parque Estadual Serra Negra: https://www.facebook.com/parqueserranegra/    


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.