Início » conservação

Tag: conservação

Cerrado: 31 Áreas Protegidas recebem plano de ação até 2030

por Renata Peña, via WWF-Brasil

São mais de 3,5 milhões de hectares de extrema beleza e diversidade de plantas, animais e ervas medicinais, além de comunidades quilombolas e terras indígenas. Toda essa riqueza natural e sócio-cultural está preservada num conjunto de 31 Áreas Protegidas localizadas no Cerrado, entre o norte e o noroeste de Minas Gerais. O Mosaico Sertão Veredas – Peruaçu acaba de receber um plano de ação para fomentar o desenvolvimento sustentável nesse território até 2030.

Rio Peruaçu, Januária, MG. Foto: ©André Dib/Acervo WWF-Brasil

A partir do ano que vem, o conselho consultivo do Mosaico buscará implementar ações relacionadas a cinco temas principais: gestão integrada, ecoturismo, extrativismo vegetal, conservação dos recursos hídricos e agronegócio sustentável.

Isso significa por exemplo desenvolver a agroecologia junto aos agricultores familiares da região – implantação de viveiros e quintais florestais – capacitar os moradores das comunidades rurais para fortalecer as cooperativas de extrativismo vegetal existentes e fomentar a criação de novas; apoiar brigadistas no combate aos incêndios florestais e ainda ampliar o potencial do turismo de base comunitária, capacitando guias e condutores, além de criar novas trilhas. O Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) e a recuperação de nascentes degradadas são outras duas pautas do plano de ação para o Mosaico Sertão Veredas Peruaçu.

“O plano é essencial para que as ações que estamos desenvolvendo há vários anos não sofram uma parada brusca com a mudança no cenário político nacional. É uma motivação para sermos mais inovadores e para que conquistemos cada vez mais projetos e iniciativas que aterrissem na realidade local dos povos e Unidades de Conservação do Mosaico”, diz o analista de conservação do WWF-Brasil, Vinícius Pereira.

Vereda Serra das Araras. Foto: ©Acervo FUNATURA

César Vitor do Espírito Santo, superintendente-executivo da Fundação Pró-Natureza (Funatura) explica que o plano também prevê a criação de um fundo para o Mosaico. Os recursos captados seriam utilizados na implementação das ações previstas: “Com esse plano, pretendemos que o Mosaico Sertão Veredas Peruaçu possa ser um indutor do desenvolvimento sustentável no território. Um território diverso e complexo econômica, social e culturalmente”.

Para Joel Sirqueira, gestor da  Cooperativa dos Agricultores Familiares e Extrativistas do Vale do Peruaçu (Cooperuaçu), uma cooperativa agroextrativista que conta com apoio do WWF-Brasil desde sua criação, o plano é um recurso organizado para seguir conservando o Cerrado. “Ele direciona de forma planejada e pensada coletivamente, já que tudo foi construído em conjunto, as ações voltadas ao extrativismo dentro do território e principalmente para os novos empreendimentos e cooperativas como a Cooperuaçu, é muito mais motivador agir quando se tem um documento que auxilia orientando os caminhos a seguir”, afirma.

Janelão, Parque Nacional Cavernas do Peruaçu. Foto: ©Acervo FUNATURA

O “Plano de Desenvolvimento Territorial de Base Conservacionista (DTBC)” foi realizado pela Fundação Pró-Natureza (Funatura) com apoio do Fundo CEPF (Critical Ecosystem Partnership Fund – sigla em inglês).

Veja a matéria no site do WWF-Brasil!

O WWF-Brasil e o Mosaico Sertão Veredas Peruaçu

O WWF-Brasil atua na região do Mosaico Sertão Veredas Peruaçu por meio do Projeto Sertões, desde 2010, e mais recentemente, com apoio do Fundo CEPF Cerrado (Critical Ecosystem Partnership Fund) nas ações focadas no incentivo à implementação e gestão integrada das unidades de conservação; fortalecimento da cadeia produtiva dos frutos do Cerrado; à comunicação, visando a valorização e o resgate do Cerrado e o planejamento territorial, que visa o planejamento sistemático da conservação no bioma Cerrado.

O WWF-Brasil executa o projeto Fortalecimento da Gestão Territorial Integral nas Áreas Especialmente Protegidas do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu, que tem o objetivo de atuar na integração e fortalecimento da gestão das áreas especialmente protegidas do Mosaico. Este projeto conta com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Funde Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Promoção da governança e conservação dos recursos hídricos no Cerrado

A principal ameaça à biodiversidade do Cerrado é o desmatamento. E a maior parte da cobertura vegetal original ainda restante tem sido alvo de vários tipos de interferência. Nas últimas cinco décadas, o bioma tem sido a principal área de expansão agrícola e consolidação do agronegócio brasileiro, levando à perda de metade da cobertura vegetal original deste hotspot – ecossistema único e ameaçado. Nesta conjuntura, o Cerrado que é considerado um dos biomas mais ameaçados do nosso planeta, ilustra muito bem os desafios e oportunidades de conciliar desenvolvimento econômico com conservação dos ecossistemas terrestres e aquáticos.

Neste artigo intitulado “Promoção da governança e conservação dos recursos hídricos no Cerrado”, que foi publicado na revista científica Conservation Science and Practice, os pesquisadores de Singapura, Estados Unidos, Brasil e Alemanha avaliaram o estado da arte e apresentaram novas informações sobre os impactos da expansão agrícola, represas e uso da água no Cerrado. A partir destas informações, o grupo fez recomendações para o manejo, conservação e restauração das bacias hidrográficas e ecossistemas do Cerrado que estão diretamente relacionados à água.

Leia o artigo na íntegra aqui.

De acordo com os pesquisadores, “a conservação do Cerrado exige, não apenas a conservação de remanescentes de sua vegetação, mas também a capacidade de manter a funcionalidade hidrogeomorfológica e ecológica de seus rios, particularmente o rio Araguaia, o último grande sistema bem preservado”. O grupo conclui seu trabalho ressaltando que se mantivermos este modelo usual de desenvolvimento no Cerrado, que já vem sendo implementado há décadas, os ecossistemas ribeirinhos do bioma possivelmente nunca se reestruturem novamente.

Rio Carinhanha no entorno do Parque Nacional Grande Sertão Veredas. Foto: ©Germano Neto/Acervo FUNATURA

Um dos autores deste trabalho e pesquisador da Universidade Federal de Goiás, Dr. Manuel Ferreira, vem trabalhando com uma equipe de pesquisadores e instituições da sociedade civil no projeto “Plataforma de Conhecimento do Cerrado”. O projeto é executado pelo Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento (LAPIG) e conta com o apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, na sigla em inglês para Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB) e visa compartilhar dados, informações e conhecimento entre as várias partes interessadas no Cerrado e empoderar a sociedade civil, por meio de informações confiáveis e ferramentas de monitoramento dos ecossistemas do Cerrado.

Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento (LAPIG) está vinculado ao Instituto de Estudos Socioambientais (IESA) da Universidade Federal de Goiás (UFG). As suas atividades foram iniciadas em 1994 e contribuíram desde então com a elaboração de diversas monografias, dissertações e teses, além da oferta de disciplinas de sensoriamento remoto, cartografia digital e sistemas de informações geográficas. Em 2010, deram início aos “Geocursos”, um projeto de extensão que oferta cursos de curta e média duração no âmbito das geotecnologias, oferecidos para a comunidade em geral. A pesquisa configura‐se como uma importante frente de atuação com vistas à produção e/ou organização de dados geográficos e documentais voltados ao monitoramento territorial e ambiental dos biomas brasileiros e respectivas paisagens naturais e antrópicas.


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Cadeia produtiva do baru – boa, limpa e justa

por Luana Campos, via ECOA

Castanha típica do Cerrado, o baru (Dipteryx alata) vem conquistando cada vez mais espaço, dentro e fora do país, com alto valor agregado. Isso porque, além do ótimo sabor, e de seus comprovados benefícios à saúde, o fruto do baruzeiro possui um forte componente socioambiental.

1a Oficina sobre o Comércio Justo e Solidário do Baru no IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado, Brasília, DF. Foto: © Acervo Cajuí Comunicação

O assunto foi abordado na “1ª Oficina para o Comércio Justo e Solidário da Cadeia do Baru”, durante o IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado. Organizada pela Cooperativa de Agricultura Familiar Sustentável com Base na Economia Solidária (Copabase), a oficina contou com financiamento do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF) Cerrado e apoio da ECOA, Rede Cerrado, Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), entre outras instituições.

No Cerrado, o extrativismo do baru, tem promovido a geração de renda, autonomia e o resgate da autoestima dos agricultores familiares extrativistas. Um processo virtuoso que ajuda a fixar as famílias e os jovens no campo, contribuindo de maneira direta na conservação do bioma.

Para a extrativista e diretora do Centro de Produção, Pesquisa e Capacitação do Cerrado (Ceppec), Rosana Sampaio, “as comunidades estão por dois motivos trabalhando com o baru: um é o principal deles, a conservação dessas espécies, desse modo de vida, a preservação do local em que nós vivemos. Porque nós queremos deixar pros nossos filhos, um ambiente equilibrado, e nós lutamos por isso. E a outra é que precisamos fomentar para permanecer existindo ali, precisamos da geração de renda”.

Leia a matéria completa no site da ECOA!

Projeto Corredor Miranda-Bodoquena

projeto Corredor Miranda-Bodoquena: preenchendo lacunas socioambientais, que foi executado pela ECOA e contou com apoio do Fundo de Parceria para  Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), foi encerrado este ano e teve objetivo de auxiliar a revegetação e conservação do Cerrado, através do fortalecimento do extrativismo não madeireiro por comunidades e assentados do Mato Grosso do Sul.

Com a proposta de otimizar o processo de restauração florestal iniciado em 2016 em três assentamentos rurais; melhorar a gestão da coleta de frutos do Cerrado, como baru e bocaiúva e sensibilizar o mercado, promovendo a valorização dos subprodutos dos frutos nativos do Cerrado, o projeto alcançou impactos importantes para a região.

Ao final, o projeto ampliou 1 dos 22,95 hectares de áreas do Cerrado sul-mato-grossense que foram cercadas em 2016, com apoio de outro projeto. Essa área está em restauração, restabelecendo a vegetação nativa e a recuperação de 03 nascentes/córregos: Córrego Madalena e Córrego Lima, no Assentamento Andalucia, Nioaque; e Córrego Agachi, Assentamento Bandeirantes, Miranda. Na área também foram registradas o retorno da presença de fauna nativa, como guaxinim ou cachorro-do-mangue e o tuiuiú. Além deste processo de restauração, a equipe do projeto trabalhou o fomento à produção de mudas de espécies nativas do Cerrado, feitas por assentados, em seus próprios lotes, dando-lhes condições de acesso às mudas, que são dificilmente encontradas para venda em viveiros públicos ou privado no estado. Até o final do projeto foram produzidas 100 mudas de baru, que foram destinadas ao plantio nas áreas cercadas. Também foram produzidas 50 mudas de guavira, em estágio inicial, 50 mudas de jatobá, e o projeto finalizou com as sementes de murici, que serão semeadas ainda este ano.


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

Pesquisa de campo busca a valorização dos modos de vida de Povos e Comunidades Tradicionais do Cerrado

por Bruno Santiago, Assessor de Comunicação da Campanha Nacional em Defesa do Cerrado

Entre os meses de setembro e outubro de 2019, a Campanha Nacional em Defesa do Cerrado visita Comunidades e Povos Tradicionais da região do Corredor Mirador-Mesas, situado nos estados do Maranhão, Piauí e Tocantins. O motivo da itinerância é a realização da pesquisa de campo do Projeto ‘’Articulação em rede e participação social para a conservação do Cerrado’’, que conta com o apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), com coordenação da ActionAid Brasil.

Jonathan e Jorge, crianças Gamella do Território Indígena Vão do Vico, Santa Filomena, Piauí. Na foto estão olhando um monóculo com fotos antigas de familiares. Foto: ©Andressa Zumpano/Acervo ActionAid

Com foco na valorização dos modos de vida dos Povos e Comunidades Tradicionais e no fortalecimento das ações de participação social e luta por direitos territoriais desses grupos, a pesquisa busca subsidiar a atuação da Campanha, de suas organizações integrantes e das populações que vivem na savana brasileira.

Diante da conjuntura socioambiental adversa experimentada pelos povos da terra, das florestas e das águas em qualquer bioma de nosso país, uma pesquisa como esta torna-se ainda mais relevante. É o que explica Gerardo Cerdas Vega, analista de Políticas e Programas da ActionAid Brasil. ‘’Vivemos um momento em que os Povos do Cerrado enfrentam uma violência generalizada contra seus direitos territoriais e seus modos de vida, o que coloca a sobrevivência dessas pessoas em risco’’, enfatiza.

Seu Didi, território Melancias. Comunidade Riacho dos Cavalos. Gilbués, Piauí. Esse local era a antiga casa dele, que hoje está cercada pela Fazenda Alvorada. Ele entrou lá pra nos mostrar como era a comunidade antes das casas serem destruídas. Foto: ©Andressa Zumpano/Acervo ActionAid

A partir da identificação de práticas, conhecimentos e tecnologias das comunidades visitadas, a pesquisa pretende mostrar a relação da ação dessas populações com a proteção da agrobiodiversidade dos territórios. ‘’Qualquer estratégia de defesa e conservação do bioma deve contemplar a permanência desses guardiões e guardiãs. É indiscutível que a contribuição dessas pessoas é significativa e a pesquisa pretende apresentar esses benefícios’’, afirma Gerardo.

Outro eixo temático da pesquisa é a garantia de direitos a partir dos espaços de participação social. O projeto objetiva detectar os espaços institucionais relevantes para ações de incidência das comunidades, abarcando temas como soberania alimentar e nutricional, educação rural e políticas de inclusão social.

Para além dos espaços de participação institucionais, a pesquisa também lançará um olhar para os espaços comunitários de organização. ‘’Observamos que no contexto nacional os espaços de participação social nem sempre são acessíveis ou democráticos, sobretudo para os povos e comunidades tradicionais. Dessa forma o projeto também visa garantir subsídios para que as comunidades e povos possam se organizar e lutar pelos seus direitos de participar’’, destaca Vega.

Riozinho, Comunidade Chupé. Santa Filomena, Piauí. Os moradores da Comunidade denunciam contaminação por agrotóxicos no Rio durante o inverno. Que é quando as fazendas jogam e com as chuvas, desce tudo para os rios das Comunidades. Foto: ©Andressa Zumpano/Acervo ActionAid

Conflitos no Cerrado

Uma das Comunidades que receberam a equipe da pesquisa de campo da Campanha foi Brejo do Miguel, no município de Gilbués, sul do estado do Piauí, território tradicional ribeirinho brejeiro. Na última semana a Comissão Pastoral da Terra (CPT) publicou nota pública denunciando a invasão de grileiros em uma área de roça no toco e solta de animais que é utilizada há cerca de três gerações pela comunidade. A cerca que havia sido construída pelas famílias da região foi destruída por sete jagunços com o uso de motosserras.

Infelizmente esse tipo de conflito não é novidade no Cerrado e no campo brasileiro. Segundo dados da CPT, 118.080 famílias estiveram envolvidas em conflitos por terra em 2018, período que também registra que esse tipo de ocorrência aumentou 3,9%, em relação a 2017, passando de 1.431 ocorrências para 1.489.

Neste contexto de conflitos, ameaças e desafios para as populações cerradeiras que resistem, a pesquisa de campo do projeto “Articulação em rede e participação social para a conservação do Cerrado’’ objetiva oferecer sua contribuição com a disponibilização de informações, relatório e cartilha com os frutos dessas vivências e aprendizados nos territórios.


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

No mês do Cerrado, povos e comunidades tradicionais elevam vozes em defesa do bioma

por Thays Puzzi, Assessoria de Comunicação da Rede Cerrado

IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado, promovido pela Rede Cerrado, foi prestigiado por aproximadamente sete mil pessoas. Seminários, oficinas, shows e comercialização de produtos da sociobiodiversidade movimentaram a capital federal de 11 a 14 de setembro

Mesa de abertura no IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado. Foto: A. Amaral / Acervo IEB

Cerrado: o que te faz lembrar dele? Mesmo que alguns ainda não percebam ou não saibam, este Bioma é rico em diversidades. Tem cultura, tem gente, tem planta, tem animais, tem vida! E isso pode ser vivenciado pelas quase sete mil pessoas que prestigiaram a nona edição do Encontro e Feira dos Povos do Cerrado, que ocorreu em Brasília, de 11 a 14 de setembro. Seminários, oficinas, shows, comercialização de produtos da sociobiodiversidade, além da tradicional Corrida de Toras deram vazão às riquezas e às principais demandas do Bioma, dos povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais que foram os protagonistas do evento, que teve início, não por acaso, no Dia Nacional do Cerrado.

Com o tema ‘Pelo Cerrado Vivo: Território, Diversidades e Democracia‘, o Encontro e Feira dos Povos do Cerrado, promovido pela Rede Cerrado, foi um espaço de encontros, celebração, denúncias, lutas e resistências. “Foi muito gratificante porque nós unimos forças por uma luta comum que é a defesa do Cerrado. Eu participo desde a primeira edição e vivenciar essa união, apresentar nossas riquezas e produtos foi muito bom”, destacou Lucely Pio, quilombola e raizeira que, além de trazer cosméticos a base de plantas medicinais do Cerrado, presenteou os participantes ministrando uma oficina sobre saúde da mulher. Ao todo, foram realizadas durante o evento 18 oficinas com a participação de mais de 750 pessoas. Diferentes temas foram abordados, como gênero, juventudes, gestão territorial, neoextrativismo, conflitos socioambientais, produção e comercialização de produtos agroextrativistas, entre outros.

Cerimônia de abertura do IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado. Foto: ©A. Amaral / Acervo IEB

“Meu sentimento é de felicidade, de realização. Pela situação que estamos vivendo, a realização deste encontro foi muito importante. Uma vitória de cada um de nós que juntos nesta Rede fizemos nosso evento acontecer. É preciso chamar a atenção de toda a sociedade. Pedimos que nos ajudem a cuidar do Cerrado, a combater todo o mal que está acontecendo com ele”, desabafou Maria do Socorro Teixeira Lima, quebradeira de coco babaçu e coordenadora geral da Rede Cerrado.

Com uma mistura de sentimentos refletidos no olhar, ela lembrou de todas as problemáticas enfrentadas pelo Cerrado, seus povos e comunidades tradicionais. Atualmente, ele é o Bioma mais ameaçado do Brasil. Mais da metade da vegetação original do Cerrado já foi desmatada. Ele, que é o segundo maior Bioma do país, ocupando 24% de todo território nacional, concentra 30% de toda biodiversidade do país e 5% da biodiversidade do planeta. Além disso, é no Cerrado que estão localizadas oito das doze regiões hidrográficas brasileira, abastecendo seis das oito grandes bacias hidrográficas do país. É no Cerrado, por exemplo, onde estão três dos principais aquíferos do Brasil: Bambuí, Urucuia e Guarani. O avanço indiscriminado das grandes monoculturas no Bioma tem afetado diretamente a sociobiodiversidade e as águas do Cerrado, responsáveis por abastecer grande parte do país.

Seminário “A Importância dos Povos e Comunidades para a conservação do Cerrado” em Brasília, DF no dia Nacional do Cerrado. Foto: ©A. Amaral / Acervo IEB

Além disso, a região Centro-Oeste do Brasil, quase toda ocupada pelo Cerrado, está na segunda posição quando se trata da elevação do número de incêndios florestais (atrás da Amazônia), apresentando o crescimento de 100% do número de focos de incêndio no comparativo com dados de 2018, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). No início do mês de setembro, por exemplo, o incêndio no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, situado no Mato Grosso, destruiu quase 4 mil hectares de sua área.

Leia a Carta Política do IX Encontro e Feiras dos Povos do Cerrado e esta matéria completa no site da Rede Cerrado!

A Rede Cerrado conta com apoio do CEPF Cerrado para executar o projeto “Rede fortalecida, Cerrado conservado”, que tem o objetivo de ampliar a incidência política da Rede na elaboração, implementação e monitoramento de políticas públicas de promoção ao desenvolvimento sustentável, com respeito aos direitos de agricultores familiares, povos e comunidades tradicionais. Durante o IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado, a Rede Cerrado e algumas instituições parceiras do CEPF Cerrado promoveram discussões importantes relacionadas à temas como gênero e território, comércio justo e solidário da cadeia do baru, gestão territorial e ambiental nas terras indígenas do Cerrado, conflitos socioambientais no MATOPIBA e a comercialização dos produtos agroextrativistas do Cerrado.

Fiquem ligados, pois logo vamos publicar mais notícias sobre o desdobramento destas discussões durante o IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado!


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Projetos no Cerrado receberam a visita do CEPF neste mês de setembro

Equipe de pesquisadores do projeto “Evitando a extinção do pato-mergulhão” reunida com o time do CEPF na área de ocorrência da espécie, na região da Chapada dos Veadeiros, Goiás, Brasil.

Neste mês de Setembro, alguns projetos que contam com apoio do CEPF Cerrado e que estão em fase de conclusão, receberam a visita da diretora e da gerente de subvenções do CEPF, Peggy Poncelet e Deborah Miller e do Time de Implementação Regional.

Alguns projetos visitados foram “Evitando a extinção do pato-mergulhão” e “Salvando a rolinha-do-panalto”, executados respectivamente pelo Instituto Amada Terra e SAVE Brasil, que trabalham para proteger espécies de aves criticamente ameaçadas e que ocorrem em ecossistemas únicos e frágeis no Cerrado. As ações voltadas ao pato-mergulhão visam evitar sua extinção na região da Chapada dos Veadeiros (GO), no intuito de avaliar seu habitat e hábitos de dispersão. Em relação à espécie rolinha-do-planalto, o objetivo do projeto é promover a conservação a longo prazo do Cerrado na área onde a espécie foi redescoberta.

O registro de novos indivíduos da espécie, a produção de conhecimento sobre as áreas onde ocorrem e envolvimento da sociedade

Equipe da SAVE Brasil, CEPF e IEB em visita à área de ocorrência da rolinha-do-planalto, região de Botumirim, Minas Gerais, Brasil. Foto: Acervo CEPF

nas ações de conservação, são alguns dos resultados atingidos até então por estes projetos em suas respectivas áreas e regiões de atuação.

Outro projeto que recebeu a visita de nosso time foi “Uso do geoprocessamento no manejo do Sítio Histórico e Patrimônio Cultural Kalunga-SHPCK”, que é executado pela própria Associação Quilombo Kalunga (AQK) e visa implementar a melhoria e a consolidação da gestão ambiental do território, por meio de mapeamento e uso de tecnologia para garantir a melhoria na qualidade de vida de todos os moradores do território Kalunga e gerações futuras. *Localizado no norte/nordeste goiano, o Sítio Histórico e Patrimônio Cultural Kalunga (SHPCK) possui uma área de 262 mil hectares, e compreende os municípios de Cavalcante, Teresina de Goiás e Monte Alegre onde residem mais de duas mil famílias, chegando a quase dez mil pessoas. O Kalunga é a maior comunidade remanescente de quilombo do Brasil, organizada em mais de 20 comunidades e 42 localidades. Até então, este projeto realizou capacitação de jovens Kalunga para o manuseio de tecnologias relacionados ao geoprocessamento, adquiriu equipamentos que ajudam na gestão de grande parte do território, proporcionou maior visibilidade ao trabalho desenvolvido pela AQK, fomentou novas parcerias e gerou dados inéditos sobre aspectos ambientais e sociais do território.

Mesa de abertura no IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado. Foto: A. Amaral / Acervo IEB.

Durante a visita ocorreu também o IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado, evento promovido pela Rede Cerrado, que conta com apoio do CEPF Cerrado para executar o projeto “Rede fortalecida, Cerrado conservado”. Na oportunidade, algumas instituições parceiras do CEPF Cerrado promoveram discussões importantes relacionadas à temas como gênero e território, comércio justo e solidário da cadeia do baru, gestão territorial e ambiental nas terras indígenas do Cerrado, conflitos socioambientais no MATOPIBA e a comercialização dos produtos agroextrativistas do Cerrado. Fique ligado, pois logo vamos publicar mais notícias sobre o desdobramento destas discussões durante o IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado. Confira nossos canais de comunicação para mais informações sobre os parceiros e sobre os projetos executados com apoio do CEPF Cerrado!


*Texto retirado do site http://quilombokalunga.org.br/info-visitantes/

O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Árvore criticamente ameaçada do Cerrado mineiro engaja pesquisadores e sociedade em prol da conservação

O faveiro-de wilson, cujo nome científico é Dimorphandra wilsonii Rizzini, da família das leguminosas (Fabaceae), é uma espécie ameaçada de extinção, categoria “Criticamente em Perigo de Extinção”. Ela é endêmica da região central de Minas Gerais, na transição do Cerrado para a Mata Atlântica, ou seja, não existe em nenhum outro lugar do mundo. Por ser tão raro, o faveiro-de-wilson é protegido pelo Decreto Lei no 43904/2004 de Minas Gerais. O faveiro-de-wilson chegou próximo da extinção devido à destruição das matas da região, principalmente nos últimos 60 anos. Até agora foram encontradas pouco mais de 300 árvores na natureza, e a maioria delas está isolada no meio de pastagens, onde tem grande dificuldade de se reproduzir. As árvores do faveiro-de-wilson podem ser encontradas também em capoeiras e matas, tanto nas baixadas quanto nas encostas e topos de morro*.

©Fernando Fernandes / Acervo SAFZB-BH

O projeto “Manejo e Proteção do faveiro-de-wilson” é executado pela Sociedade de Amigos da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte e recebe apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, sigla em inglês) e do Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB). O projeto teve início em novembro de 2017 e já conta com várias ações em andamento, dentre encontros, capacitações e visitas às áreas de ocorrência da espécie, atuando em uma extensão de 5.215 km², onde estão os 18 municípios de ocorrência do faveiro. “A execução do projeto na região tem propiciado, além do aumento de conhecimento, um aumento do grau de conscientização ambiental e maior engajamento na defesa do meio ambiente nas pessoas locais”, relata Fernando Fernandes, pesquisador e líder do projeto. Em dezembro de 2018, Fernando foi selecionado como finalista ao Prêmio Natureza Gerais, instituído pelo governo estadual por meio do pelo Conselho de Política Ambiental de Minas Gerais (COPAM) e recebeu uma homenagem ao seu trabalho em prol da conservação do meio ambiente.

©Acervo SAFZB-BH

Em dezembro do último ano foram semeadas 3.000 sementes da espécie no Jardim Botânico de Belo Horizonte (MG) e no viveiro Árvores Gerais, no município de Florestal (MG), visando a produção de mudas para a reintrodução do faveiro em suas áreas de ocorrência.

Veja o vídeo abaixo para saber mais sobre o trabalho da Sociedade de Amigos da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte com a espécie faveiro-de-wilson!


*Texto retirado do site da Sociedade de Amigos da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte.

O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

Guia “Sementes, plântulas e restauração no sudeste goiano” disponível no site do CEPF Cerrado

Já está disponível aqui no site do CEPF Cerrado o guia  “Sementes, plântulas e restauração no sudeste goiano” de autoria de Hélder Consolaro, Monique Alves, Maxmiller Ferreira e Daniel Vieira.

Este guia é fruto da cooperação técnica e financeira da Universidade Federal de Goiás, Regional Catalão, Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Serra do Facão Energia S.A. (Sefac) e Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), viabilizada pelo Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica (ANEEL-P&D), a partir do projeto intitulado “Desenvolvimento de metodologia e técnica para implantação de Áreas de Preservação Permanente através da restauração por semeadura direta: Pesquisa para diminuir custos e melhorar o potencial ecológico de plantios de APPs”.

O guia é composto por informações sobre sementes e plântulas de 40 espécies de Cerrado que podem ser utilizadas para a recomposição da vegetação nativa via semeadura direta ou pela produção e plantio de mudas. Para cada espécie, os autores forneceram características morfológicas para auxiliar sua identificação no campo e informações ecológicas e práticas para o uso das espécies na restauração ecológica.

Acesse o guia na versão pdf no nosso acervo.


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

Novo arranjo de investimento inteligente para o clima visa promover o uso sustentável da terra e da água na região do Cerrado mineiro

texto original disponível via IUCN

Marcas globais de café e organizações ambientais apoiam um programa inovador liderado pelo Consórcio de Águas do Cerrado

Patrocínio, Minas Gerais, Brasil, 8 de agosto de 2019 – Um arranjo de investimento inovador e inteligente para proteger a biodiversidade e o fornecimento de água no planalto central do país começou este mês, de acordo com o Consórcio Cerrado das Águas, apoiado por algumas das principais marcas de café e organizações de conservação do mundo.

Com base em um projeto liderado pela IUCN e apoio inicial da Nespresso, as grandes marcas de café Nestlé e Lavazza e a trading Expocaccer, agora juntaram forças para firmar um compromisso de cinco anos para apoiar a iniciativa do Consórcio Cerrado das Águas na região do Cerrado mineiro, uma das principais áreas de cultivo de café do Brasil e um hotspot de biodiversidade reconhecido mundialmente.

O Consórcio planeja investir na proteção dos ecossistemas naturais encontrados em 124 propriedades, ao longo da bacia do rio Feio, no estado de Minas Gerais, que está cada vez mais ameaçada pelo uso insustentável da terra, pelo uso ineficiente da água e pelas mudanças climáticas. A região é responsável por 12% da produção nacional de café.

“Promover a recuperação e conservação dos serviços ecossistêmicos como um seguro contra a mudança climática nessa importante paisagem é um dos principais objetivos do programa de investimentos”, diz Guilherme Amado, gerente da Nespresso no Brasil. “No local piloto em Patrocínio, onde todo o município e cafeicultores dependem dessa única bacia, os agricultores também terão uma visão clara da degradação dos serviços ecossistêmicos em suas fazendas e receberão aconselhamento profissional e financiamento para torná-los resilientes às mudanças climáticas”

“Sob o novo programa de investimentos, os proprietários de terra serão literalmente gerentes de ativos ambientais e suas decisões de proteger os principais serviços ecossistêmicos – como a vegetação nativa e córregos – contribuirão diretamente para a restauração da paisagem do Cerrado ”, diz Giulia Carbone, Diretora Adjunta do Programa de Negócios e Biodiversidade da IUCN.

No primeiro ano, as quatro empresas se comprometeram com quase US$ 100 mil para apoiar o Consórcio. Além disso, este recebeu uma doação de US$ 400.000, a maior até o momento, do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF Cerrado) para implementar o novo esquema, chamado de Programa de Investimentos para Produtores Conscientes. Este foi o maior subsídio já concedido pelo CEPF, que tem doadores, como a Agência Francesa de Desenvolvimento, a Conservação Internacional, a União Europeia, o Fundo Mundial para o Meio Ambiente, o Governo do Japão e o Banco Mundial.

Gláucio de Castro, Presidente do Consórcio Cerrado das Águas. Fotos: Acervo FUNDACCER

“A Lavazza acredita firmemente que a sustentabilidade é uma responsabilidade compartilhada e que a integração entre crescimento econômico, inclusão social e proteção ambiental é o único paradigma que pode criar valor. Como uma iniciativa de participação múltipla, o Consórcio Cerrado das Águas demonstrou por que as empresas precisam adotar uma abordagem de longo prazo e contribuir para o cenário mais amplo em que trabalhamos ”, afirma Mario Cerutti, Diretor de Relações Institucionais e Sustentabilidade da Lavazza.

A região do Cerrado abrange 21% do país e 11 milhões de hectares estão no estado de Minas Gerais. Seu bioma é único, dado o número de espécies endêmicas. Além disso, a região fornece 40% da água doce do país, mas 29 das bacias hidrográficas estão em “áreas de conflito de água”, segundo o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM).

 “Promover a restauração e conservação dos serviços ecossistêmicos como um seguro contra as mudanças climáticas é um objetivo fundamental do programa de investimentos”, afirma o diretor sênior de Conservação Internacional do Brasil, Miguel Moraes. “Em Patrocínio, onde a comunidade e os cafeicultores compartilham a única bacia hidrográfica, os produtores poderão administrar o fluxo de água pela primeira vez. Os produtores também terão uma visão clara da degradação dos serviços ecossistêmicos em suas propriedades e receberão aconselhamento profissional e financiamento para ajudar a tornar esses serviços resilientes às mudanças climáticas ”.

Todos esses esforços são críticos para restaurar a paisagem e garantir que as cadeias de valor do café sejam sustentáveis. Como Peggy Poncelet, diretora de subsídios do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos diz: “O objetivo é alcançar a restauração livre de químicos com espécies nativas do Cerrado e fornecer aos produtores de café conhecimento sobre práticas agrícolas inteligentes e gestão de recursos hídricos para conciliar café sustentável, produção e conservação deste importante hotspot global para a biodiversidade. Por exemplo, parcerias com laboratórios agroecológicos locais, como a Emater (uma organização do setor público que oferece extensão rural), ajudarão a testar novas tecnologias para reduzir a incidência de ervas daninhas e doenças e, finalmente, restaurar a paisagem ”.

Sobre o Consórcio Cerrado das Águas

Criado em 2015, o Consórcio Cerrado das Águas, uma organização legalmente independente, é uma plataforma que reúne empresas, organizações da sociedade civil e representantes do governo com o objetivo de promover o desenvolvimento ambiental através da restauração da paisagem e manutenção dos serviços ecossistêmicos do Cerrado. Os membros do Consórcio incluem: CerVivo, Conservação Internacional, Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF), Cooxupé, Expocaccer, Federação dos Cafeicultores do Cerrado, UICN, Lavazza, Nespresso e Nestlé.

Para mais informações, acesse a página do Consórcio Cerrado das Águas no site da IUCN.

Área em restauração em Patrocínio, MInas Gerais.

Programa de premiação para produtores conscientes – restaurando serviços ecossistêmicos no Cerrado

O projeto “Programa de premiação para produtores conscientes – restaurando serviços ecossistêmicos no Cerrado” é executado pela Fundação de Desenvolvimento do Cerrado Mineiro (FUNDACCER). O objetivo central do projeto é estabelecer e implementar uma estratégia para restaurar a provisão de serviços ecossistêmicos na bacia do Córrego Feio a longo prazo, por meio de um processo de engajamento dos produtores e atores locais. A FUNDACCER é uma organização sem fins lucrativos criada pela Federação dos Cafeicultores para promover a pesquisa, capacitação e coesão social em 55 municípios do Cerrado mineiro. Esses produtores de café enxergaram a necessidade de agir para garantir uma segurança climática na região a longo prazo. Sendo assim, o Consórcio das Águas do Cerrado trabalha de forma colaborativa para construir cenários transformadores, que resultam em paisagens produtivas e sustentáveis com o objetivo de:

1. Melhorar as práticas de gestão do solo e da água.
2. Promover a restauração da vegetação nativa e conservação de corredores ecológicos em nível regional.
3. Facilitar o intercâmbio de informações, através de serviços de extensão técnica para agricultores, a fim de melhorar as práticas ambientais.
4. Incentivar e facilitar o processo de regularização legal das fazendas, buscando conformidade com o Código Florestal.
O projeto conta com apoio do Fundo de Parceria para  Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).

Saiba mais sobre o Consórcio Cerrado das Águas e o Programa Produtor Consciente no vídeo abaixo:


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Instituto Oca Brasil lança edital para Planos de Manejo em RPPNs em projeto apoiado pelo CEPF Cerrado

O projeto Criação e Implementação Integrada de Reservas Privadas Federais na Região da Chapada dos Veadeiros, que é executado pelo Instituto Oca Brasil e conta com apoio do Fundo de Parceria para  Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), visa o fomento de novas Reservas Particulares do Patrimônio Natural – RPPN e a implementação de RPPNs no entorno do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros.

O projeto lança o edital para contratação de pessoas jurídicas de prestadores de serviços em Plano de Manejo, de acordo com o termo de referência. Interessados devem enviar suas propostas até às 18 horas do 25 de agosto de 2019. Para mais detalhes sobre o processo seletivo, acesse o termo de referência ou a página do Instituto Oca Brasil.


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

Parque Nacional Grande Sertão Veredas faz 30 anos

por Renata Andrade Peña via WWF-Brasil

A paisagem é espetacular: chega quando menos se espera. A água é em abundância: são veredas a perder de vista, rodeando cada canto que se olhe. Dela, sobrevivem centenas de espécies ameaçadas de extinção como a onça-pintada, o tamanduá-bandeira e o lobo-guará. Toda essa rica biodiversidade está protegida desde 12 de abril de 1989, quando 84 mil hectares formaram o Parque Nacional Grande Sertão Veredas, em Minas Gerais. Hoje, o Parque faz 30 anos e o Cerrado agradece.

“Foi muito importante essa Unidade de Conservação ter sido criada numa região de expansão da fronteira agrícola, com intensa ocupação do agronegócio. Essa área protegida é muito importante para a biodiversidade do Cerrado e também para os recursos hídricos. Ali nasce o rio Carinhanha. Quando ele desemboca no rio São Francisco, o velho Chico aumenta em 20% o seu volume”, explica Kolbe Soares, analista de Conservação do WWF-Brasil.

Elson Barbosa dos Santos, guia no Parque, destaca a importância dos recursos hídricos e espécies medicinais do Cerrado, que ficam protegidas. “Embaixo da região do parque está o aquífero Urucuia, muito importante para a manutenção dos rios da região como o Carinhana, Itaguari e tanto outros.  Graças ao Parque também estão protegidas diversas espécies medicinais do Sertão”.

Autor: Aryanne Amaral/Acervo IEB

Em 2004, o Parque Grande Sertão Veredas foi ampliado e passou a ter mais de 230 mil hectares, estendo-se por parte dos municípios de Chapada Gaúcha, Formoso e Arinos, em Minas Gerais e Côcos, na Bahia. Assim, é atualmente um dos maiores parques do Cerrado, garantindo, além da proteção de centenas de espécies da fauna e flora, o desenvolvimento de pesquisa científica, educação ambiental, o contato com a natureza, o desenvolvimento regional em bases sustentáveis e a preservação dos povos tradicionais, comunidades indígenas, seus saberes e cultura.

A existência dessa área protegida também é uma oportunidade de desenvolvimento sustentável.“Há um enorme potencial de aumento do ecoturismo na região pelas suas belezas, pela possibilidade de se ver o Cerrado preservado e também por conta da cultura dos povos da região e literatura”, diz Kolbe Soares. “Na região, é realizado anualmente, no mês de julho, o Encontro dos Povos do Grande Sertão Veredas. É muito importante conservar essa riqueza cultural e social”, completa Soares.

“É um grande prazer falar dessa UC porque é falar da riqueza da biodiversidade e também de história das comunidades que ainda guardam as tradições culturais do povo do Sertão”, diz César Víctor, da Fundação Pró-Natureza (Funatura).

O Parque recebeu esse nome em homenagem a uma das mais importantes obras literárias brasileiras, o romance “Grande Sertão: Veredas”, escrito em 1956 por João Guimarães Rosa. No livro, o escritor mineiro retrata com extrema sensibilidade a realidade regional. Guimarães Rosa tem mesmo razão: “Sertão é isto: o senhor empurra para trás, mas de repente ele volta a rodear o senhor dos lados. Sertão é quando menos se espera”.

WWF-Brasil e o Parque Nacional Grande Sertão Veredas

O Parque Nacional Grande Sertão Veredas está localizado no norte/noroeste de Minas Gerais e sudoeste Bahia, abrangendo uma área de 231.668 hectares. Desde 2010, o WWF-Brasil desenvolve na região o Projeto Sertões com foco na melhoria da gestão de áreas protegidas, valorização de cadeias produtivas agroextrativistas com boas práticas agrícolas. Mais recentemente apoiaram o Parque e o Mosaico em parceria com o Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF em inglês).

Os trabalhos são realizados em parcerias com as cooperativas agroextrativistas e associações comunitárias do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu, além de outras organizações não governamentais socioambientais e órgãos de governo, como as 12 prefeituras da região, além do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais.

No último ano, a construção de uma unidade de beneficiamento de frutos do cerrado e frutos de quintais no Núcleo Peruaçu e a criação da Cooperativa dos Agricultores Familiares e Agroextrativistas do Vale do Peruaçu foram umas das ações mais importantes. Além disso, foi dado apoio para implementação do Cadastro Ambiental Rural na região que resultou no cadastramento de aproximadamente 10 mil propriedades. Outro destaque foi a realização de um estudo de análise da efetividade de 69 Unidades de Conservação estaduais de Minas Gerais.

O WWF-Brasil executa o projeto Fortalecimento da Gestão Territorial Integral nas Áreas Especialmente Protegidas do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu, que tem o objetivo de atuar na integração e fortalecimento da gestão das áreas especialmente protegidas do Mosaico. Este projeto conta com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Funde Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).

Veja a matéria no site do WWF-Brasil!

Serviço
O município de Chapada Gaúcha, em Minas Gerais, o ICMBio, a Funatura, o Instituto Rosa e Sertão e parceiros organizam uma programação de três dias – de 11 a 13 de abril – para comemorar o aniversário. Haverá diversas atividades com a comunidade local e visitantes como plantio de mudas, trilhas, exibição de vídeos e debates.


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Acontece em Brasília o 2o Workshop Nacional de Mosaicos de Áreas Protegidas

Começou hoje em Brasília o II Workshop Nacional de Mosaicos de Áreas Protegidas, que segue até o dia 13 de junho reunindo alguns representantes dos mosaicos reconhecidos no país. Atualmente existem 25 mosaicos reconhecidos no Brasil, sendo 16 em âmbito federal e 9 em âmbito estadual. O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF Cerrado), com o apoio do Instituto Internacional de Educação do Brasil aporta recursos para projetos de conservação na região do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu, que está localizado na região norte de Minas Gerais.

O II Workshop Nacional de Mosaicos de Áreas Protegidas tem o objetivo de contribuir para o intercâmbio, discussões conceituais, embasamento legal e proposição de diretrizes que visam ampliar os avanços dos instrumentos de gestão territorial voltado às áreas protegidas, na conservação e na promoção do desenvolvimento sustentável, além de traçar estratégias para atuação conjunta do poder público, sociedade civil e terceiro setor. O evento é organizado pela Rede de Mosaicos de Áreas Protegidas (REMAP), que visa unir esforços de indivíduos e organizações públicas, privadas e coletivas com fins de fortalecer as iniciativas de conservação da natureza e promoção de bem estar e qualidade de vida humana em territórios protegidos e seu entorno.  O encontro também conta com apoio do Instituto Internacional de Educação do Brasil (lEB)/CEPF Cerrado, WWF-Brasil, Fundação Vitória Amazônia (FVA), WCS-Brasil, Instituto, Sociedade, População e Sociedade (ISPN); Fundação Pró-Natura (FUNATURA), Instituto Biotrópicos, Conservação Internacional (CI), SOS Mata Atlântica, Imaflora, Projeto Terra-Mar e Rede Brasileira de Reservas da Biosfera, entre outros.

II Workshop Nacional de Mosaicos de Áreas Protegidas. Foto: Claudia Sachetto/Acervo IEB

A programação deste primeiro dia foi focada nos painéis, que envolveram temas como panorama geral sobre Mosaicos e reservas da Biosfera, uso dos recursos naturais, proteção integrada e oportunidades sociais. A partir de amanhã o encontro continua com alguns painéis de discussão,  trabalho em grupos temáticos por bioma e nas plenárias.

Mais informações nos sites do WWF-Brasil e Imaflora!

Anote aí:

II Workshop Nacional de Mosaicos de Áreas Protegidas

Quando: De 11 a 13 de junho, a partir das 8h

Onde: Edifício ParlaMundi da LBV, Brasília

Quanto: Acesso gratuito


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Qual a importância do Cerrado para a biodiversidade global?

Cerrado é o maior hotspot no Hemisfério Ocidental, cobrindo mais de 2 milhões de km² no Brasil e partes menores (cerca de 1%) da Bolívia e do Paraguai. O bioma Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul, cobrindo uma área de 2.039.386 km², 24% do território do Brasil.

 

 

Reconhecido como um hotspot global de biodiversidade, o Cerrado destaca-se pela abundância de espécies endêmicas, abrigando aproximadamente 12.070 espécies de plantas nativas catalogadas, das quais 34,9% (4.208) são endêmicas¹. O Cerrado contém 13,4% de todas as espécies de plantas na região neotropical e 1,5% de todas as espécies de plantas do mundo. A grande diversidade de habitats resulta em transições notáveis entre as diferentes tipologias de vegetação. Um total de 251 espécies de mamíferos vive no Cerrado, juntamente com avifauna rica, que compreende 856 espécies. A diversidade de peixes (800 espécies), répteis (262 espécies) e anfíbios (204 espécies) também é elevada. Por essas razões, em termos biológicos, o Cerrado é considerado uma das regiões de savana tropical mais ricas do mundo².

Mauritia flexuosa, buriti/©Bento Viana. Acervo ISPN

Além de suas especificidades ambientais, o Cerrado também apresenta grande importância social. Muitas pessoas dependem dos recursos naturais que o bioma oferece para sobreviver com qualidade de vida, incluindo grupos indígenas, quilombolas, geraizeiros, ribeirinhos e quebradeiras de coco babaçu, que são parte do patrimônio histórico e cultural do Brasil e compartilham o conhecimento tradicional da biodiversidade. Mais de 220 espécies são conhecidas para uso medicinal e muitas frutas nativas são regularmente consumidas por moradores locais e vendidas nos centros urbanos, como o pequi (Caryocar brasiliense Cambess.), buriti (Mauritia flexuosa L.f.), mangaba (Hancornia speciosa Gomes), cagaita (Eugenia dysenterica (Mart.) DC.), bacupari (Salacia crassifolia (Mart. ex Schult.) G.Don), araticum (Annona crassiflora Mart.) e baru (Dipteryx alata Vogel).

No entanto, numerosas espécies de plantas e animais estão ameaçadas ou correm risco de extinção. Estima-se que 20% das espécies nativas e endêmicas não são protegidas por nenhuma das áreas protegidas legais e pelo menos 339 espécies de animais que ocorrem no Cerrado estão ameaçadas de extinção, de acordo com as listas oficiais. Depois da Mata Atlântica, o Cerrado é o bioma brasileiro que mais sofreu com a ocupação humana. É esta combinação de condições, elevada biodiversidade e alto grau de ameaça pela perda de habitat, que fez com que esses dois biomas fossem considerados prioritários para o investimento em conservação da biodiversidade e serviços ecossistêmicos.

Apesar das ameças, o conhecimento sobre a biodiversidade do Cerrado evoluiu significativamente na última década. No entanto, muitas lacunas que ainda existem sugerem a necessidade de maiores investimentos em inventários e estudos para diferentes grupos biológicos³. Pesquisas mostram que, entre 1998 e 2008, 1.300 novas espécies de vertebrados foram descritas por cientistas no Brasil4. Destas, 347 espécies de vertebrados foram encontradas em locais de Cerrado, sendo 222 novas espécies de peixes, 40 anfíbios, 57 répteis e 27 mamíferos. Estes números reveladores reforçam a relevância biológica colossal do Cerrado.

Pato-mergulhão/©Marcelo Ismar Santana. Acervo Instituto Amada Terra

Com estes dados não temos dúvida sobre a importância biológica do Cerrado. O tamanho deste hotspot, a complexidade de sua heterogeneidade ambiental, os altos níveis de endemismo de espécies e as ameaças iminentes constituem um grande desafio em relação à conservação de sua biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos, bem como para a promoção de desenvolvimento mais sustentável na região, incluindo os habitantes que vivem em estreito contato com a natureza.

Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, na sigla em inglês para Critical Ecosystem Partnership Fundvem atuando desde 2000 para assegurar a participação e contribuição da sociedade civil na conservação de alguns dos ecossistemas mais ricos do mundo do ponto de vista biológico, porém atualmente ameaçados. O objetivo é promover a conservação em áreas biológicas de alta prioridade e numa escala de paisagem. Em 2013, o Conselho de Doadores do CEPF selecionou o Cerrado como um dos hotspots prioritários para investimentos na promoção da conservação entre os anos de 2016 e 2021. Para garantir que a estratégia CEPF tenha impacto significativo sobre a conservação da biodiversidade no hotspot, alguns investimentos se concentram em determinadas espécies e regiões prioritárias. Neste sentido, o CEPF Cerrado trabalha com uma linha específica de apoio a proteção das espécies ameaçadas no hotspot, onde seis espécies prioritárias entre as 1.593 consideradas espécies vulneráveis ou insubstituíveis foram selecionadas para investimentos. Conheça as espécies e os projetos que trabalham no apoio a sua proteção e conservação no Cerrado:

Classe Família Espécie Projeto
Magnoliopsida Cactaceae Uebelmannia buiningii Ecologia e recuperação de Uebelmannia buiningiiInstituto Jurumi
Magnoliopsida Fabaceae Dimorphandra wilsonii (faveiro-de-wilson) Manejo e proteção do faveiro-de-wilson – Sociedade dos Amigos da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte
Aves Columbidae Columbina cyanopis (rolinha-do-planalto) Salvando a rolinha-do-planalto e seu habitat único no CerradoSAVE Brasil
Aves Thraupidae Sporophila maximiliani (bicudo) Reintrodução do bicudo em áreas-chave para a conservação do CerradoInstituto Ariramba
Aves Anatidae Mergus octosetaceus (pato-mergulhão) Evitando a extinção do pato-mergulhão Instituto Amada Terra
Amphibia Hylidae Phyllomedusa/ Pithecopus ayeaye Conservação de Pithecopus ayeaye, espécies relacionadas e seus ecossistemasInstituto Araguaia

 

Columbina cyanopis, rolinha-do-planalto/©Ciro Albano. Acervo SAVE Brasil

Para o Cerrado, estas seis espécies que são altamente ameaçadas globalmente e que possuem Plano de Ação Nacional (PAN), ou fazem parte de um regional, foram priorizadas para investimentos do CEPF. Por meio da coordenação com os Grupos de Apoio aos Planos de Ação Nacional (GAPANs) foram identificadas ações prioritárias estabelecidas nos PANs relacionadas à estas espécies prioritárias. O financiamento do CEPF também vêm buscando apoiar a implementação dessas ações, especialmente as que estão relacionadas com a gestão e proteção dos habitats. O grande objetivo do CEPF Cerrado é melhorar o estado de conservação destas espécies.

O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos CEPF Cerrado e o Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB) trabalham para contribuir com a proteção destas espécies e com a conservação do Cerrado, através de apoio a projetos em diferente regiões do bioma. Esse apoio confere incentivos à expansão e criação de áreas protegidas, proteção às espécies ameaçadas, apoio à restauração e ao monitoramento ambiental, entre outros. O objetivo é promover a conservação em áreas biológicas de alta prioridade e numa escala de paisagem. A partir desta perspectiva, o CEPF identifica e apoia uma abordagem regional, envolvendo uma ampla gama de instituições públicas e privadas para atender as necessidades de conservação por meio de esforços coordenados. O CEPF é um programa conjunto da Agência Francesa para o Desenvolvimento, Conservação Internacional, União Europeia, Fundo para o Meio Ambiente Global (GEF), Governo do Japão e Banco Mundial, com vistas a oferecer financiamento para proteção de ecossistemas únicos e ameaçados – conhecidos também como hotspots de biodiversidade.

Saiba mais sobre nossas ações no Cerrado em http://cepfcerrado.iieb.org.br/lista-projetos/!


Texto extraído do Critical Ecosystem Partnership Fund. 2017. Perfil do ecossistema: hotspot de biodiversidade do Cerrado. Org. Sawyer, D. et al., Brasília, DF: Supernova.

Referências:

¹FORZZA, R.C. et al. New Brazilian floristic list highlights conservation challenges. BioScience, Oxford, v. 62, p. 39-45, 2012.

²MITTERMEIER, R.A. et al. Hotspots revisited: earth’s biologically richest and most endangered terrestrial ecoregions. Washington, D.C.: Cemex, 2004.

³MARINHO-FILHO, J. et al. Evolução do conhecimento e da conservação do Cerrado brasileiro. In: DINIZ, I. R. et al. (Org.). Cerrado: conhecimento científico quantitativo como subsídio para ações de conservação. Brasília: Thesaurus, 2010. p. 13-31.

4CAVALCANTI, R. B. et al. Cerrado. In: SCARANO, F. R. et al. (Org.). Biomas brasileiros: retratos de um país plural. Rio de Janeiro: Casa da Palavra; CI, 2012. p. 56-91.

 

WWF-Brasil promoverá curso de criação de unidades de conservação e gestão de conflitos do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu

O WWF-Brasil no âmbito do projeto Fortalecimento da gestão territorial integral nas áreas especialmente protegidas do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu irá promover o curso “Criação de unidades de conservação e gestão de conflitos nas áreas protegidas do Mosaico Sertão-Veredas Peruaçu”, entre os dias 21 e 24 de maio (2019) no SESC de Januária, Minas Gerais. A carga horária será de 24 horas.

O projeto que é executado pelo WWF-Brasil e conta com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), tem o objetivo de atuar na integração e fortalecimento da gestão das áreas especialmente protegidas do Mosaico.

Na programação estão previstos aspectos conceituais sobre as unidades de conservação, palestras sobre os conflitos pelo uso do território no Mosaico e uma visita técnica ao Parque Municipal Urbano Ecológico e Cultural Salustriano, em São João das Missões (MG).

Para mais informações, entre em contato com o WWF-Brasil!


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

O que é uma RPPN? Reserva Particular do Patrimônio Natural

por Yuri Salmona, Instituto Cerrados

Proteger ecossistemas é uma tarefa de todos, não só do Estado. Proprietários Rurais têm papel importante nessa tarefa, pois antes de ser um produtor agropecuário eles são incondicionalmente gestores de recursos naturais. Digo isso, pois o produtor rural depende do clima, dos nutrientes do solo, da polinização, da disponibilidade e qualidade da água entre tantos outros serviços ecossistêmicos. Então, proteger os ambientes naturais que resguardam esses serviços deve ser algo natural ao proprietário rural, e alguns, mais envolvidos e cientes dessas questões, protegem áreas além das suas reservas legais, eles criam Reservas Particulares do Patrimônio Natural, as RPPNs.

Essas reservas são Unidades de Conservação de Uso Sustentável, em que o proprietário de próprio toma a iniciativa de proteger uma determinada área de sua propriedade, para que possa ser feito turismo, pesquisa, educação e a própria conservação. Essas áreas têm isenção de Imposto de Territorial Rural (ITR) e são chanceladas pelo Estado, sendo prioridades em ações apoiadas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação (ICMBio). Além disso, os proprietários têm inúmeras oportunidades de rentabilizar essas áreas, com diferentes atividades, que vão desde o turismo ecológico, suporte a pesquisa, gastronomia e o Crédito Rural Ambiental (CRA), todos esses e outros pontos serão abordados em outro posts.

O Cerrado tem mais de 251 RPPNs, somando mais de 170 mil hectares e isso equivale a 24% das RPPNs do país. O Instituto Cerrados investe esforços na criação de Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN) e ações de promoção do Uso Sustentável dos Produtos Florestais Não Madeireiros (PFNM) desde de 2009, já tendo criado 7 Reservas, no projeto Mosaico de Proteção da Serra dos Pireneus, apoiados pela Associação do Córrego da Barriguda e das Cabeceiras dos Rio das Almas (ACBCR) e patrocinado pela Nature and Culture International (NCI).

Para conhecer o projeto acesse cerrados.org. Você também pode criar a sua Reserva e nós podemos lhe ajudar! Entre em contato por meio do nosso site!

O Instituto Cerrados é uma organização não-governamental com foco na conservação e usos sustentável do Cerrado, fundada em 2009.


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Oficina sobre produção e comercialização dos produtos agroextrativistas do Cerrado

O projeto Fortalecimento da Gestão Territorial Integral nas Áreas Especialmente Protegidas do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçuque é executado pelo WWF-Brasil e conta com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), tem o objetivo de atuar na integração e fortalecimento da gestão das áreas especialmente protegidas do Mosaico.

No intuito de ressaltar a importância do extrativismo sustentável dos produtos da sociobiodiversidade do Cerrado, prática tradicional já amplamente difundida no bioma e uma das principais alternativas para manter o “Cerrado em pé”, o WWF-Brasil em parceria com o Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN), Cooperativa Central do Cerrado, com apoio do CEPF Cerrado e Instituto Internacional de Educação do Brasil, realizarão a Oficina de Produção e Comercialização de Produtos da Sociobiodiversidade do Cerrado.

A oficina visa identificar e dar visibilidade às contribuições de diferentes abordagens para o desenvolvimento das cadeias produtivas do Cerrado, com o objetivo de superar desafios e realizar articulação com o poder público, além de iniciar um processo de reflexão, troca de conhecimento e aprendizagem nos aspectos relacionados à “Produção e Comercialização” de produtos agroextrativistas. A oficina também será um espaço para organizar fóruns de discussão para integração com a programação do IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado.

 

Contatos:

kolbesantos@wwf.org.br

luis@centraldocerrado.org.br

rodrigo@ispn.org.br


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Eleita nova coordenação diretiva da Rede Cerrado

Nos dias 07 e 08 de maio, entidades da Rede Cerrado estiveram reunidas em Brasília para a realização da VIII Assembleia Geral, que elegeu nova coordenação diretiva, que irá assumir os trabalhos até 2021.

O Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), na representação de Maria do Socorro Teixeira Lima, segue na coordenação geral da Rede Cerrado, com suplência de Hiparidi Top’tiro, que representa a Mobilização dos Povos Indígenas do Cerrado (MOPIC), e na coordenação administrativa financeira, estão os representantes da FUNATURA e MUPAN. O Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB) está entre as entidades que irão compor a coordenação colegiada, que presta auxílio à coordenação diretiva.

VII Assembleia Geral da Rede Cerrado

Além da eleição, a Assembleia também teve o objetivo de avaliar a atuação da Rede Cerrado no ano de 2018 e planejar atividades para este ano, como a realização do Encontro e Feira dos Povos do Cerrado.

Veja a matéria completa no site da Rede Cerrado.

Acompanhe as novidades da Rede Cerrado no Facebook e no Twitter.

A Rede executa o projeto Rede Fortalecida, Cerrado conserva (REFORCE), que tem o objetivo de ampliar a incidência política da Rede Cerrado na elaboração, implementação e monitoramento de políticas públicas relacionadas à promoção do desenvolvimento sustentável com respeito aos direitos de agricultores familiares, povos e comunidades tradicionais. Este projeto conta com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Funde Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Os frutos do Cerrado disponíveis em São Paulo

Por Renata Andrada Peña via WWF-Brasil

A partir de agora, farinha de mandioca, gergelim, pimenta de macaco, farinha de coco indaiá e duas variedades de arroz de pilão passam a fazer parte do conjunto de produtos oferecidos regularmente no box dos biomas, inaugurado em 2016 no Mercado Municipal de Pinheiros, em São Paulo. Eles se unem à castanha de baru, ao açafrão, à farinha de jatobá, o mel, à geleia de jabuticaba e ao pequi, além de outras delícias do Cerrado também disponíveis para venda na capital paulista.

As novidades acabam de ser lançadas pelas famílias Kalunga (maior território Quilombola do Brasil, localizado em Goiás, na região da Chapada dos Veadeiros), o Instituto Atá e a Central do Cerrado, com o apoio do WWF-Brasil, Fundação Banco do Brasil e Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Todos os novos produtos são fruto do cultivo e do agroextrativismo no Cerrado e fazem parte da cultura gastronômica dos povos tradicionais quilombolas.

Os produtos são comercializados pela Central do Cerrado, uma central de cooperativas sem fins lucrativos estabelecida em Brasília e composta por 35 organizações comunitárias de sete estados brasileiros (MA, TO, PA, MG, MS, MT e GO) que desenvolvem atividades produtivas a partir do uso sustentável da biodiversidade do bioma. O Cerrado possui potencial de aproveitamento de mais de 200 tipos diferentes de plantas nativas, segundo pesquisa da Universidade de Brasília (UnB).

Buriti

Segundo Luis Carraza, coordenador da Central do Cerrado, essa parceria com o WWF-Brasil foi muito importante e serviu para fortalecer e ampliar a produção e comercialização dos produtos nativos do Cerrado. “Por meio desse apoio, foi feito um trabalho específico junto às nossas organizações filiadas para a priorização de algumas cadeias produtivas dos frutos do Cerrado como o pequi, o baru e o jatobá, com intuito de garantir estoques de produção que possam abastecer o mercado consumidor que vem aumentando consideravelmente a cada ano”, afirma Carraza.

Além de promover a divulgação e inserção dos produtos de uso sustentável nos mercados locais, regionais e internacionais – exportação de pequi para o Japão, castanha de baru para os Estados Unidos e artesanato de capim-dourado para a França – a Central do Cerrado é também um centro de disseminação de informações, intercâmbio e apoio técnico para as comunidades na melhoria dos seus processos produtivos, organizacionais e de gestão.

O WWF-Brasil apoia a Central do Cerrado desde 2018 com ações focadas no extrativismo vegetal sustentável dos frutos do bioma e na estruturação e no fortalecimento das cadeias produtivas dos frutos nativos. Esse projeto conta com o suporte do WWF-França, do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF na sigla em inglês para Critical Ecosystem Partnership Fund) e do Instituto Humanize.

Veja a matéria no site do WWF-Brasil!

Serviço
Quem quiser se surpreender com as delícias do Cerrado, deve visitar o box biomas:
Rua Pedro Cristi, 89
Mercado Municipal de Pinheiros
Box dos biomas (BOX 28)
Segunda à sábado, das 8h às 18h

 

O WWF-Brasil executa o projeto Fortalecimento da Gestão Territorial Integral nas Áreas Especialmente Protegidas do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu, que tem o objetivo de atuar na integração e fortalecimento da gestão das áreas especialmente protegidas do Mosaico. Este projeto conta com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Funde Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

Nova população da rolinha-do-planalto foi descoberta no Cerrado

texto original por Margaret Sessa-Hawkins/BirdLife International

Em fevereiro de 2019, a equipe da SAVE Brasil (Representante da BirdLife no Brasil) começou a ouvir relatos emocionantes de membros das comunidades do entorno do Parque Estadual de Botumirim, no estado de Minas Gerais.

A comunidade relatou o avistamento de Columbina cyanopis (Criticamente em Perigo), espécie conhecida popularmente por rolinha-do-planalto, do lado de fora do local onde a ave costumava ser encontrada. A equipe da SAVE Brasil ficou tanto animada quanto cética. Uma das aves mais raras do mundo, a rolinha-do-planalto foi considerada extinta por 75 anos, antes que 14 indivíduos fossem vistos em estado selvagem em 2015. Uma nova população, mesmo pequena, significaria aumento da diversidade genética, e também apontaria para a possibilidade de haver mais indivíduos não descobertos na natureza.

Em 14 de março de 2019, uma equipe saiu em busca das aves. Os pássaros foram vistos dentro dos limites do Parque Estadual de Botumirim, a cerca de 5 quilômetros de onde a população conhecida vive atualmente. A equipe procurou os pássaros ao longo de cinco transectos independentes, tocando gravações de chamadas para atrair os pássaros.

Após 45 minutos, a busca da equipe foi recompensada. Eles avistaram um par da rolinha-do-planalto, enquanto um macho próximo cantava. Nas três horas seguintes, a equipe avistou uma quarta ave na área. O avistamento dos quatro novos indivíduos representou um aumento de 26% em relação à população anteriormente conhecida.

Rolinha-do-planalto. Foto: Ciro Albano/Acervo SAVE Brasil

“Aqueles que trabalham com a conservação da natureza são geralmente muito resistentes, mas é difícil procurar por espécies raras como a rolinha-do-planalto em um habitat que parece perfeito para ele e não encontrá-lo lá”, diz Marcelo Lisita, assistente de projeto Depois de um ano olhando em locais diferentes sem encontrar novos indivíduos, foi com muita emoção que vimos esses poucos em uma nova área.”

A descoberta da rolinha-do-planalto foi significativa além de sua importância para a população de aves. Desde a descoberta da população original em 2015, a SAVE Brasil tem trabalhado de perto com as comunidades vizinhas para aumentar a conscientização sobre a ave. No início de 2018, a SAVE abriu a reserva para os visitantes onde os as aves são encontradas. Desde então, eles vêm trabalhando para tentar garantir que as comunidades se beneficiem do ecoturismo. Ter um membro da comunidade relatando um avistamento, mostra que esses esforços de divulgação são bem-sucedidos.

Apesar da nova população, a perspectiva para a rolinha-do-planalto ainda não está clara, então a SAVE está fazendo todo o possível para aumentar a chance de sobrevivência das espécies. Em janeiro de 2018, com o apoio da Rainforest Trust, a organização conseguiu comprar um pequeno lote de terra onde a ave foi originalmente encontrada, formando a Reserva Natural da Rolinha-do-Planalto. As visitas à reserva são rigorosamente controladas e precisam ser agendadas com antecedência por meio da SAVE. Em 6 de julho do mesmo ano, o governo local estabeleceu, aproximadamente, outros 36 mil hectares de terras protegidas, criando o Parque Estadual de Botumirim, que se sobrepõe à reserva da SAVE e amplia a área total protegida.

Pesquisas recentes sobre a rolinha nos deram razões para sermos esperançosos. Até agora, oito ninhos foram encontrados, embora apenas um filhote tenha fugido. Com a descoberta da nova população, a equipe também renovou seus esforços para procurar outros locais onde a rolinha-do-planalto possa ser encontrada. Fora dos quatro indivíduos relatados pelos membros da comunidade, eles não tiveram sorte, mas não estão perdendo a esperança. Ainda há muitos lugares para serem visitados.

A SAVE Brasil executa o projeto Salvando a rolinha-do-planalto e seu habitat único no Cerrado com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Funde Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

1o Encontro de COMDEMAS do Corredor Miranda-Bodoquena

O projeto União de COMDEMAS Pró-Cerrado, que é executado pela Fundação Neotrópica do Brasil e conta com apoio do Fundo de Parceria para  Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), tem o objetivo de fortalecer os Conselhos Municipais de Meio Ambiente (COMDEMAs), a fim de subsidiar decisões locais que contribuam para conservação do Cerrado e para o alcance das metas mundiais de conservação da biodiversidade.

No intuito de empoderar o conselho quanto às temáticas ligadas à conservação, a fim de que proponham políticas públicas voltadas à proteção e conservação do Cerrado, a Fundação Neotrópica do Brasil irá promover o 1o Encontro de COMDEMAS do Corredor Miranda-Bodoquena, no dia 13 de maio de 2019 a partir das 8h30 em Bonito, Mato Grosso do Sul. Para mais informações, entre em contato com a Fundação Neotrópica do Brasil!


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Articulação dos Povos Timbira para implementação da PNGATI

via Centro de Trabalho Indigenista

Em parceria com a Associação Wyty Catë das Comunidades Timbira do Maranhão e Tocantins, o Centro de Trabalho Indigenista acaba de dar início ao projeto “Articulação dos Povos Timbira para implementação da PNGATI”, que tem o objetivo de fomentar a implementação da Política Nacional de Gestão Ambiental e Territorial de Terras Indígenas (PNGATI) no Cerrado, por meio da consolidação de uma rede de indígenas Timbira. Esta rede pretende reforçar o papel destes povos e seus territórios como importantes áreas de conservação dos recursos naturais e da sociobiodiversidade associada. O projeto conta com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Funde Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).

Ritual Timbira/Acervo CTI

Em fevereiro, o CTI deu início ao planejamento junto à Associação Wyty Cate, consolidando o calendário de atividades para 2019. A primeira atividade de campo já foi realizada nas Terras Indígenas Kanela e Porquinhos, com diálogos produtivos sobre a gestão ambiental e territorial daqueles territórios, sobre a articulação política das organizações indígenas e sobre a formação de jovens Timbira, que acontecerá em breve no escopo do projeto. As próximas rodadas de reuniões pelos territórios Timbira estão previstas para acontecer nas aldeias das TIs Kraholândia, Krikati, Governador, Apinajé e Geralda Toco Preto.

Veja matéria completa no site do Centro de Trabalho Indigenista!


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Equipe do projeto “Evitando a Extinção do Pato-Mergulhão” registra espécie no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, Goiás

por Gislaine Disconzi, Instituto Amada Terra

Rio Preto, Goiás. Foto: Acervo IAT

O projeto Evitando a Extinção do Pato-Mergulhão no Corredor Veadeiros – Pouso Alto – Kalunga, que é executado pelo Instituto Amada Terra, e conta com apoio do Fundo de Parceria para  Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Funde Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), realizou expedição a campo neste mês de abril no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, Goiás onde avistou OITO INDIVÍDUOS da espécie (Mergus octosetaceus).

O projeto tem realizado uma série de descidas de rios embarcado, na busca da  melhoria da informação sobre a presença do pato-mergulhão na região. A espécie é considerada uma das mais ameaçadas das Américas e foi declarado o Embaixador das Águas Continentais Brasileiras. Nos dias 2 e 3 de abril, uma equipe composta por cinco pessoas, sendo três profissionais de canoagem, o coordenador técnico de campo do projeto e o coordenador de uso público do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, percorreram aproximadamente 40 km do Rio Preto em busca de indivíduos da espécie. Está é a primeira de diversas ações a serem realizadas dentro de uma estratégia de proteção dentro do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, localizado no estado de Goiás.

Equipe em expedição ao rio Preto. Foto: Acervo IAT

Equipe em campo: Wellinton de França Lima; Carlos Alexandre Xavier; Guilherme Predebon (Consultor de Campo Embarcado); Fernando H. Previdente (Coordenador de Campo) e André Ribeiro (Coordenador de uso público do PNCV).

Veja mais notícias sobre a expedição no site do ICMBio, no Conexão Planeta e nas redes sociais!

Assista o vídeo que registra a presença do pato-mergulhão durante a expedição da equipe ao rio Preto!


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Instituto Jurumi abre oportunidade em projeto apoiado pelo IEB e CEPF Cerrado

O projeto ‘Ecologia e recuperação de Uebelmannia buiningii Donald (Cactaceae), que é executado pelo Instituto Jurumi e conta com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), visa propor um plano de recuperação para Uebelmannia buiningii, cacto endêmico da região de Serra Negra na Cadeia do Espinhaço (Minas Gerais). Este plano será baseado em estudos ecológicos robustos, que permitam o conhecimento do impacto do distúrbio antrópico e natural sobre a espécie e a identificação dos estágios da história de vida mais críticos, para se entender a viabilidade da população a longo prazo.

Através de Termo de Referência, o Instituto Jurumi abre oportunidade de contratação de prestação de serviço de profissional/empresa para gerar subsídios ecológicos para a recuperação das populações de Uebelmannia buiningii.

As atividades serão desenvolvidas de Março de 2019 a Outubro de 2020 e os interessados devem enviar currículo via e-mail para contato@institutojurumi.org.br até às 23 horas do dia 05/03/2019.

Para mais informações, entre em contato com o Instituto Jurumi.


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Terra da Gente filma a rolinha-do-planalto

Columbina cyanopis (rolinha-do-planalto). Foto: ©SAVE Brasil

 

rolinha-do-planalto (Columbina cyanopis) é uma das aves mais raras do mundo e ficou desaparecida por quase um século até uma pequena população ser redescoberta, em maio de 2015, em Minas Gerais. Devido à sua raridade, a espécie foi listada na categoria Provavelmente Extinta, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente do Brasil. Segundo a lista da BirdLife/IUCN a espécie é considerada Criticamente Ameaçada (CR). A redescoberta da rolinha-do-planalto foi um dos mais importantes achados ornitológicos das últimas décadas, tendo grande repercussão internacional. Agora, o desafio é desenvolver ações de conservação que garantam a proteção da população encontrada e do habitat onde vive*.

Desde maio de 2015, quando Rafael Bessa reencontrou a espécie, a SAVE Brasil vem trabalhando para mensurar quantos indivíduos existem na natureza e onde eles estão. Após intensas buscas, Botumirim, um pequeno município no norte de Minas Gerais, foi apontada como a única localidade com registros da espécie até então. Ficou claro que esta população precisava de proteção, assim foi criada uma reserva natural, uma propriedade particular de 593 hectares*.

O projeto “Salvando a rolinha-do-planalto e seu habitat único”, que tem apoio do CEPF Cerrado e é executado pela SAVE Brasil, tem como principal objetivo promover a conservação a longo prazo do Cerrado na área de redescoberta da rolinha-do-planalto, com especial atenção à proteção desta espécie, que está criticamente ameaçada de extinção.

O programa Terra da Gente, que retrata a biodiversidade brasileira em diversos cantos do país, foi à cidade de Botumirim (MG), próxima à Serra do Espinhaço, para registrar esse animal raro. Confira a matéria completa e o vídeo no site!

*Adaptado de texto fornecido pela SAVE Brasil.


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão, da Fundação MacArthur e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Debate sobre instrumentos econômicos e identidade ecológica para a implementação do Código Florestal

 

Em agosto a Conservação Estratégica (CSF-Brasil), o Observatório do Código Florestal (OCF) e o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) promoveram o “Debate sobre instrumentos econômicos e identidade ecológica para a implementação do Código Florestal”. O evento acontece no âmbito do projeto “Implementação das Cotas de Reserva Ambiental (CRA) no Maranhão e oportunidades no Tocantis e Bahia”, que conta com apoio do Fundo de Parceria para  Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB). O debate foi realizado em Brasília no dia 7 de agosto, onde reuniu representantes governamentais, de pesquisa, da sociedade civil e produtores rurais para discutir sobre possíveis formas para avançar na implementação de dispositivos previstos no Código Florestal, como incentivos econômicos, compensação de Reserva Legal (RL) e a exigência de identidade ecológica para a compensação.

Este projeto é executado pela própria CSF-Brasil e tem o objetivo de analisar a viabilidade econômica e os ganhos ambientais de uma possível implementação do mercado de Cota de Reserva Ambiental no estado do Maranhão, além de investigar as oportunidades de implementação das CRAs nos estados de Tocantins e Bahia, através do engajamento em ações de articulação política, coleta de dados (preços de terra, lucros agrícolas, déficits de reservas legais, cobertura de vegetação nativa e localização de áreas de conservação prioritárias) e análise econômica.

A notícia completa sobre o evento você pode conferir no site da CSF-Brasil, assim como mais informações sobre Cota de Reserva Ambiental.


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão, da Fundação MacArthur e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

 

Reserva da Biosfera do Cerrado ganha mais territórios

Acervo IEB

 

Criadas pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) em 1972, as Reservas da Biosfera, espalhadas hoje por 110 países, têm sua sustentação no programa “O Homem e a Biosfera” (MAB) da UNESCO, desenvolvido com o PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), com a UICN (União Internacional para a Conservação da Natureza) e com agências internacionais de desenvolvimento. É o principal instrumento do Programa MAB e compõe uma rede mundial de áreas, que têm por finalidade a Pesquisa Cooperativa, a Conservação do Patrimônio Natural e Cultural e a Promoção do Desenvolvimento Sustentável¹.

A Rede Mundial de Reservas da Biosfera é composta por 631 Reservas da Biosfera localizadas em 119 países, incluindo 14 sítios transfronteiriços/transcontinentais. No Brasil podemos destacar as seguintes Reservas da Biosfera²:

Estas reservas desempenham o papel de promover a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais e disseminar os conhecimentos científicos, tradicionais e culturais em suas regiões.

Reserva da Biosfera do Cerrado, até então, apresentava três fases definidas que se situam em regiões do Distrito Federal e dos estados de Goiás, Tocantins, Maranhão e Piauí.  A declaração da fase I da Reserva abrange o território do Distrito Federal e data de 1994, e a da segunda fase, de outubro de 2000. A aprovação da fase III, em setembro de 2001, apoiou a formação do Conselho da Reserva da Biosfera.

De acordo com a assessoria de comunicação do  Ministério do Meio Ambiente (MMA), a revisão dos Limites da Reserva da Biosfera (RB) do Cerrado foi aprovada nesta segunda-feira (17), em Brasília (DF). O novo desenho priorizou a conectividade do Cerrado com os biomas Caatinga, Mata Atlântica e Pantanal e abrange cerca de 74 milhões de hectares, que inclui os estados da Bahia, Minas Gerais, Mato Grosso, Paraná e São Paulo, que se juntam ao Distrito Federal, Goiás, Piauí, Tocantins e Maranhão, que já compunham a RB. O documento será encaminhado para avaliação da UNESCO. Mais informações no site do MMA.

Esta ação faz parte do projeto “Apoio técnico e desenvolvimento de processo participativo para a formulação da proposta de ampliação da Reserva da Biosfera do Cerrado”, que tem o objetivo de discutir com os principais atores um processo de redefinição de limites para a Reserva da Biosfera do Cerrado, a partir da definição de critérios e conceitos enfocando a questão geoespacial, no intuito de compor um documento técnico a ser submetido à UNESCO. O projeto é executado pela Greentec Tecnologia Ambiental e conta com apoio do Fundo de Parceria para  Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).

 

¹Ministério do Meio Ambiente (2018). Comissão aprova limites da Reserva da Biosfera do Cerrado. Disponível em: http://www.mma.gov.br/informma/item/15103-comiss%C3%A3o-aprova-limites-da-reserva-da-biosfera-do-cerrado.html 

²UNESCO (2017). Reservas da Biosfera no Brasil. Disponível em: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/natural-sciences/environment/biodiversity/biodiversity/


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão, da Fundação MacArthur e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Estratégias Políticas para o Cerrado foram lançadas em Brasília no dia 04/09

Méle Dornelas/Acervo ISPN

 

O documento “Estratégias Políticas para o Cerrado” foi fruto de um processo de construção coletiva de diversas organizações da sociedade civil, como Instituto Centro de Vida (ICV), Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN), Instituto Socioambiental (ISA), Rede Cerrado e WWF-Brasil. A entrega simbólica do documento foi realizada pela Secretária Executiva da Rede Cerrado, Kátia Favilla, no evento “Desenvolvimento para Sempre – compromisso ambiental dos candidatos às eleições 2018” organizado pela Frente Parlamentar Ambientalista.

O documento reúne 27 recomendações em defesa do Cerrado e de seus povos e comunidades tradicionais, que foram baseadas em resultados de consultas interinstitucionais, incluindo a realização do Seminário Estratégia Nacional para o Cerrado no âmbito da Câmara dos Deputados e uma oficina de trabalho, que contou com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF Cerrado). Nessa oportunidade, além das organizações realizadoras, outras 13 organizações da sociedade civil e da academia colaboraram com o processo.

Leia matéria completa e acesse o documento na íntegra no site da Rede Cerrado.

 

Ato de entrega do documento Estratégias Políticas para o Cerrado. Méle Dornelas/Acervo ISPN
Ato de entrega do documento Estratégias Políticas para o Cerrado. Méle Dornelas/Acervo ISPN
Ato de entrega do documento Estratégias Políticas para o Cerrado. Méle Dornelas/Acervo ISPN

O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão, da Fundação MacArthur e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Instituto Mamede e WWF-Brasil promovem formação em ecoturismo com comunidades do MS

 

Foto: Aryanne Amaral / IEB

 

*O Ecoturismo de Base Comunitária é uma ação que contribui para a elevação da renda familiar e a conservação dos recursos naturais

Pode ser mais uma fonte de renda familiar, conservar os recursos naturais e, ainda, encantar as pessoas sobre os cuidados com a terra e com a natureza são os objetivos de um projeto que o Instituto Mamede e o WWF-Brasil desenvolvem hoje junto ao Assentamento Canaã, em Rochedo que fica a 80 km distante da capital sul-mato-grossense. Os assentados estão aprendendo que a vida simples e o cuidado com a natureza geram interesse de turistas que buscam por experiências e vivências no meio rural. No assentamento há vários atrativos tanto naturais como culturais, com a possibilidade de o turista visitar os roçados; acompanhar a produção de pecuária de leite; visitar o Morro de Santo Antônio – onde fiéis fazem peregrinações e devoções; várias nascentes hídricas; ambientes naturais com vegetação do Cerrado, matas de galeria e florestas estacionais, além de vida selvagem abundante. Também são oferecidas comidas típicas, produtos da horta e da agricultura familiar, além de pães, leite e queijo.

Para que tudo isso funcione, no entanto, é preciso que a comunidade esteja bem preparada e organizada, por isso a importância dos cursos de formação e engajamento dos moradores.

E é este tipo de iniciativa – organizar a comunidade para oferecer serviços de ecoturismo comunitário – que o Instituto Mamede está fazendo em parceria com o WWF-Brasil, por meio do projeto “Municípios Sustentáveis protegendo o berço das águas do Cerrado e as cabeceiras do Pantanal” apoiado pelo Fundo de Parceria para  Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).

Don Eaton do WWF-Brasil explicou que “o projeto, Municípios Sustentáveis, busca promover alternativas econômicas que são ambientalmente sustentáveis para as comunidades rurais, contribuindo para a geração de renda, o fortalecimento da economia local e a manutenção dos serviços ambientais essenciais para áreas de produção, comunidades rurais e biodiversidade regional. ”

Trabalho contínuo

O trabalho com Ecoturismo de Base Comunitária no Assentamento Canaã que contou com a participação de 23 membros de comunidade vem sendo construído através de um processo de diálogo desde o ano de 2017 e que culminou no primeiro módulo de formação em julho deste ano, tendo como base a experiência na Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte, localizada no município de Corguinho (130 km de Campo Grande), Mato Grosso do Sul. Lá, a formação vem sendo desenvolvida desde 2015 e, neste ano, o segundo módulo aconteceu em fevereiro com a participação de 43 pessoas.

Simone Mamede e Maristela Benites do Instituto Mamede, contam com a parceria de várias instituições como a Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), o Programa de Pós-graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da UNIDERP e Fundação de Turismo do Mato Grosso do Sul – FUNDTUR-MS. Assim, a experiência e as responsabilidades são compartilhadas, a fim de inspirar e assegurar a construção de territórios mais sustentáveis que percebam no turismo de base local uma alternativa para melhor uso da terra e conservação da biodiversidade. Além de fomentar à pesquisa e extensão neste tema e o investimento em formação e estruturação do turismo no estado, afirmaram.

Para a realização das formações tem sido utilizadas metodologias participativa como “open space”, mapa falado, diagnóstico participativo, aula expositiva e práticas de campo. Os cursos são divididos em três módulos: I) Planejamento e Sustentabilidade; II) Educação Ambiental e Formatação de Roteiros e; III) Empreendedorismo e Marketing.

Segundo Simone Mamede, do Instituto Mamede, “a atividade tem sido conduzida com muito cuidado e dedicação. Todos monitores passaram por capacitações e a aplicação dos módulos vem sendo avaliada e monitorada. O diálogo, a percepção e o acompanhamento tanto dos integrantes da comunidade como de outros atores são ações frequentes e enriquecedoras, que têm somado muito no processo de formação. Protagonismo, empoderamento, pertencimento, participação e identidade social são os temas estruturantes e que fundamentam as ações e cada módulo de formação”.

Como resultado a Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte já recebeu alguns grupos de turistas e percebeu a importância de ampliar o leque de atividades com o potencial turístico. Nesse sentido, as mulheres, que representaram mais de 50% das pessoas que participaram da última capacitação, tem se mobilizado para criar uma organização não governamental que represente o núcleo de mulheres da comunidade.

Para este segundo semestre estão previstas as instalações de placas de interpretação e sinalização do Ecoturismo de Base Comunitária e para 2019 estão programadas também novas oficinas sobre temas específicos.

“O Ecoturismo de Base Comunitária tem se revelado não só uma alternativa de renda para essas comunidades, mas uma forma de transformação das pessoas e de reconhecimento da beleza e simplicidade do cotidiano. Um aprendizado sobre a cultura da paz, do viver e conviver, uma construção contínua e coletiva para a sustentabilidade”, concluiu Mamede.

*Texto fornecido pelo WWF-Brasil e Instituto Mamede

Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte, Mato Grosso do Sul. ©Don Eaton/WWF Brasil
Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte, Mato Grosso do Sul. ©Instituto Mamede
Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte, Mato Grosso do Sul. ©Instituto Mamede
Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte, Mato Grosso do Sul. ©Don Eaton/WWF Brasil
Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte, Mato Grosso do Sul. ©Instituto Mamede
Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte, Mato Grosso do Sul. ©Instituto Mamede
Assentamento Canaã, Mato Grosso do Sul. ©Instituto Mamede
Assentamento Canaã, Mato Grosso do Sul. ©Instituto Mamede
Assentamento Canaã, Mato Grosso do Sul. ©Don Eaton/WWF Brasil
Assentamento Canaã, Mato Grosso do Sul. ©Don Eaton/WWF Brasil
Assentamento Canaã, Mato Grosso do Sul. ©Don Eaton/WWF Brasil
Assentamento Canaã, Mato Grosso do Sul. ©Instituto Mamede

 


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão, da Fundação MacArthur e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Árvore endêmica do Cerrado mineiro engaja sociedade em prol da conservação

Novo exemplar de faveiro-de-wilson encontrado em visita de campo do projeto em Minas Gerais.

O faveiro-de wilson, cujo nome científico é Dimorphandra wilsonii Rizzini, da família das leguminosas (Fabaceae), é uma espécie ameaçada de extinção, categoria “Criticamente em Perigo de Extinção”. Ela é endêmica da região central de Minas Gerais, na transição do Cerrado para a Mata Atlântica, ou seja, não existe em nenhum outro lugar do mundo. Por ser tão raro, o faveiro-de-wilson é protegido pelo Decreto Lei no 43904/2004 de Minas Gerais. O faveiro-de-wilson chegou próximo da extinção devido à destruição das matas da região, principalmente nos últimos 60 anos. Até agora foram encontradas pouco mais de 300 árvores na natureza, e a maioria delas está isolada no meio de pastagens, onde tem grande dificuldade de se reproduzir. As árvores do faveiro-de-wilson podem ser encontradas também em capoeiras e matas, tanto nas baixadas quanto nas encostas e topos de morro*. (*Texto retirado do site da Sociedade de Amigos da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte)

O projeto “Manejo e Proteção do faveiro-de-wilson” é executado pela Sociedade de Amigos da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte e recebe apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, sigla em inglês) e do Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB). O projeto teve início em novembro de 2017 e já conta com várias ações em andamento, dentre encontros, capacitações e visitas às áreas de ocorrência da espécie, atuando em uma extensão de 5.215 km², onde estão os 18 municípios de ocorrência do faveiro. “A execução do projeto na região tem propiciado, além do aumento de conhecimento,  um aumento do grau de conscientização ambiental e maior engajamento na defesa do meio ambiente nas pessoas locais”, relata Fernando Fernades, pesquisador e líder do projeto. Nas últimas visitas para coleta de dados foram descobertos cinco novos exemplares da espécie.

Veja o vídeo abaixo para saber mais sobre o trabalho da Sociedade de Amigos da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte com a espécie faveiro-de-wilson!

 


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão, da Fundação MacArthur e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu é ampliado e passa a ser um dos maiores do Cerrado

 

 

Rio Peruaçu, Januária, MG. Foto: ©André Dib

 

 

O Mosaico Sertão Veredas–Peruaçu (MSVP) é um conjunto de áreas protegidas localizadas na margem esquerda do Rio São Francisco, entre as regiões norte e noroeste de Minas Gerais e parte do sudoeste da Bahia. Com uma área aproximada de 1.8 milhões de hectares e perímetro de 1.210 km, o Mosaico envolve unidades de conservação ambiental, comunidades tradicionais e a Terra Indígena Xakriabá. Em Minas Gerais, o Mosaico engloba áreas dos municípios de Formoso, Arinos, Chapada Gaúcha, Urucuia, Cônego Marinho, Januária, Itacarambi, Bonito de Minas, São João das Missões, Miravânia e Manga. Atravessado pelo Rio Carinhanha, o território se estende até parte do município de Cocos, na Bahia. O território faz parte da região dos Gerais, imortalizada por João Guimarães Rosa em obras como “Grande Sertão: Veredas”, “Sagarana” e “Manuelzão e Miguilim”. A diversidade ambiental da região, que abriga espécies endêmicas da fauna e flora do Cerrado, convive com a riqueza cultural dos povos tradicionais sertanejos, ribeirinhos, geraizeiros e vazanteiros*.

O Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu foi ampliado de 1.8 milhões de hectares para mais de 3 milhões de hectares. A inclusão de dez unidades de conservação no Mosaico, que agora passam a integrar às 15 UCs já existentes, somando um total de 25 áreas protegidas, ocorreu na última quinta-feira (05), três meses após a proposta ser apresentada para a Câmara Técnica de Gestão Integrada das unidades do MSVP, em que o WWF-Brasil faz parte da coordenação. O conselho consultivo do MSVP aprovou, por unanimidade, o pedido de ampliação do mosaico. Esse é um grande passo para o planejamento e execução de ações conjuntas na prevenção ao desmatamento e maior desempenho das ações de conservação de um dos maiores remanescentes de Cerrado. Veja a matéria completa no site do WWF-Brasil!

No intuito de atuar na integração e fortalecimento da gestão das áreas especialmente protegidas do MSVP, o WWF-Brasil e parceiros executam o projeto “Fortalecimento da gestão territorial integral nas áreas especialmente protegidas do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu” com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, sigla em inglês) e do Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).

*Texto retirado do site Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu


O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão, da Fundação MacArthur e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Evitando a Extinção do Pato-Mergulhão na Chapada dos Veadeiros, Goiás, Brasil

O Projeto “Evitando a extinção do pato-mergulhão no corredor Veadeiros-Pouso Alto- Kalunga” teve suas atividades iniciadas em janeiro de 2018, na cidade de Alto Paraíso de Goiás, localizada na região da Chapada dos Veadeiros. O projeto tem como objetivo a realização de atividades de monitoramento e pesquisa do Pato-Mergulhão, ações de conscientização pública e capacitação sobre o atual estado de conservação da espécie. O projeto tem a duração de dois anos e é financiado pelo “Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos” – (CEPF), com apoio do Instituto Internacional de Educação do Brasil (IIEB). O projeto é executado pelo Instituto Amada Terra de Inclusão Social (IAT), sendo sua equipe básica composta pela Coordenadora Geral: Gislaine Disconzi, Coordenador de Campo: Fernando Previdente, Coordenadora de Educomunicação: Maria Beatriz Maury e Coordenador Financeiro: Paulo Henrique Golçalves.

Por que cuidar do Pato-Mergulhão?

Com uma população pequena e vivendo em um ambiente restrito, o pato-mergulhão é uma ave rara, que está criticamente ameaçada de extinção. Sua ocorrência atualmente é apenas, no Brasil. Já desapareceu nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Santa Catarina e também na Argentina e no Paraguai. A sua presença indica um bom estado de conservação do ambiente, por ser uma espécie restrita a ambientes de corredeiras, cachoeiras e remansos de águas limpas e cristalinas.

Alguns resultados do projeto e de suas parcerias

Lançamento do pato-mergulhão como o embaixador das águas no Brasil

No dia 20 de março deste ano, no Fórum Mundial das Águas, em Brasília, o Pato-Mergulhão recebeu do Ministério do Meio Ambiente, o título de Embaixador das Águas Brasileiras.

EQUIPE DO INSTITUTO AMADA TERRA ESTEVE PRESENTE NO 8º FÓRUM MUNDIAL DA ÁGUA: Gislaine Disconzi, Coordenadora do Projeto, Maria Beatriz Maury, Coordenadora de Educomunicação, juntamente com Ricardo Soavinsky, presidente do ICMBIO, Rita Surrage de Medeiros, Coordenadora do PAN do Pato Mergulhão pelo CEMAVE, Prof Sávio Bruno Freire, da UFF, Luís Fábio da Silveira, da USP, Paulo Zuquim Antas, da Funatura, Reinaldo Lourival, Nature And Culture Internacional, Fabiane Sebaio, da Cervivo e Sônia Rigueira do Instituto Terra Brasilis. Comemorando a merecida escolha do Pato-mergulhão para o título de Embaixador das Águas Brasileiras. Foto: ©IAT

Avistamento de indivíduos em expedições de campo

Desde o início do projeto já foram realizadas treinamentos, percursos de rios embarcados e expedições de reconhecimento de áreas de registros da espécie, cujo objetivo é localizar indivíduos para futuras marcações, anilhamentos e colocação de rádios e GPS. Em duas dessas expedições, já foram avistados um casal e um indivíduo. Na Chapada dos Veadeiros, estima-se que haja cerca de 50 a 60 indivíduos, o que torna estes avistamentos um resultado espetacular, em um curto período de tempo de realização do projeto.

Indivíduo localizado na expedição do Projeto Evitando a Extinção do Pato-Mergulhão na Chapada dos Veadeiros. Foto: ©IAT

Programa de Televisão sobre a Chapada

No mês de junho, a TV Record transmitiu uma série documental sobre a Chapada dos Veadeiros, dedicando um episódio ao Pato-Mergulhão. Para isso acompanhou a equipe do Projeto em uma de suas expedições. Esse é um resultado bastante positivo, que ajuda na conservação da espécie.

Série da Record

https://noticias.r7.com/jornal-da-record/videos/pesquisadores-tentam-preservar-especies-da-chapada-dos-veadeiros-07062018

Para saber mais

Facebook do Projeto

https://www.facebook.com/pato.mergulhao.7

Fotos do Projeto

https://www.facebook.com/pato.mergulhao.7/photos?lst=100002529835047%3A100026683758830%3A1530830913&source_ref=pb_friends_tl

 

*Texto fornecido por Maria Beatriz Maury, Coordenadora de Educomunicação, Instituto Amada Terra

 

 

Campanha Compensa Cerrado

No mês de junho foi lançada a Campanha Compensa Cerrado por um novo modelo de compensação florestal visando a recuperação e conservação do Cerrado.

O Distrito Federal tem uma regra que obriga a todos que desmatarem áreas de Cerrado, para fins de urbanização, a compensarem os impactos que causaram. A legislação que regulamenta a compensação, no entanto, é antiga (Decreto 14783, 1993) e sua implementação ao longo desses 25 anos demonstrou que, para que ela cumpra com seu objetivo, ela precisa ser atualizada.*
Um grupo de especialistas, representantes do governo, sociedade civil e setor produtivo, no âmbito da Aliança Cerrado, trabalhou durante dois anos para formular uma nova regra de compensação para o DF, que pudesse ao mesmo tempo trazer mais benefícios e menos custos financeiros. A proposta, que passou também por análise do Conselho de Meio Ambiente – CONAM, está aguardando aprovação do Governo do Distrito Federal.*

Para mais informações da campanha acesse a página oficial!

*Texto por Compensa Cerrado · Campanha pela assinatura do novo Decreto de Compensação Florestal do DF

 

 

Você conhece a rolinha-do-planalto?

A rolinha-do-planalto (Columbina cyanopis) é uma das aves mais raras do mundo e ficou desaparecida por quase um século até uma pequena população ser redescoberta, em maio de 2015, em Minas Gerais. Devido à sua raridade, a espécie foi listada na categoria Provavelmente Extinta, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente do Brasil. Segundo a lista da BirdLife/IUCN a espécie é considerada Criticamente Ameaçada (CR). A redescoberta da rolinha-do-planalto foi um dos mais importantes achados ornitológicos das últimas décadas, tendo grande repercussão internacional. Agora, o desafio é desenvolver ações de conservação que garantam a proteção da população encontrada e do habitat onde vive*.

Desde maio de 2015, quando Rafael Bessa reencontrou a espécie, a SAVE Brasil vem trabalhando para mensurar quantos indivíduos existem na natureza e onde eles estão. Após intensas buscas, Botumirim, um pequeno município no norte de Minas Gerais, foi apontada como a única localidade com registros da espécie até então. Ficou claro que esta população precisava de proteção, assim foi criada uma reserva natural, uma propriedade particular de 593 hectares. A Reserva rolinha-do-planalto, que futuramente será uma Reserva Particular do Patrimônio Natural, protege a única população conhecida da espécie*.

O projeto “Salvando a rolinha-do-planalto e seu habitat único”, que tem apoio do CEPF Cerrado e é executado pela SAVE Brasil, tem como principal objetivo promover a conservação a longo prazo do Cerrado na área de redescoberta da rolinha-do-planalto, com especial atenção à proteção desta espécie, que está criticamente ameaçada de extinção.

Conheça mais sobre a rolinha-do-planalto, sua vocalização, comportamento e seu habitat na página da SAVE Brasil e nos ajude a conservar esta espécie criticamente ameaçada!

*Adaptado de texto fornecido pela SAVE Brasil.

 

 

 

Projeto promove ações de conservação do faveiro-de-wilson

O faveiro-de-wilson vem sendo estudado, monitorado e protegido desde 2003 pelo Programa de Conservação do faveiro-de-wilson. Atualmente, a população nativa está reduzida a menos de 300 indivíduos adultos na natureza, devido basicamente à destruição do seu habitat. O projeto Manejo e proteção do faveiro-de-wilson (Dimorphanda wilsonii), executado pela Sociedade de Amigos da Fundação Zoobotânica de Belo Horizonte, visa aumentar a proteção desta espécie e a do seu habitat por meio da implementação de ações do seu Plano de Ação Nacional (PAN), trabalhando a conservação e sensibilização através do engajamento de comunidades.
O II Encontro do faveiro-de-wilson foi realizado no último mês de Maio, na Câmara Municipal de Maravilhas-MG. Na ocasião, foram reunidos 20 proprietários rurais que possuem a espécie em suas propriedades e outros colaboradores que auxiliam na sua busca e conservação. Fernando Fernandes, líder do projeto, realizou uma apresentação sobre o faveiro e o trabalho de pesquisa e conservação que a Sociedade vem fazendo na região de atuação.
Veja mais no vídeo abaixo:

Gestão integrada e o fortalecimento em rede foram temas do Encontro dos Mosaicos de Áreas Protegidas do Cerrado e Caatinga

Ocorreu na semana passada em Januária (Minas Gerais), entre os dias 10 e 11 de maio, o primeiro Encontro dos Mosaicos de Áreas Protegidas do Cerrado e Caatinga. Este encontro foi organizado pelo WWF-Brasil, Fundação Pró-Natureza (FUNATURA), o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o Instituto Estadual de Florestas (IEF-MG), Rede de Mosaicos de Áreas Protegidas e Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu e contou com a participação dos grupos dos Mosaicos Capivara-Confusões, Espinhaço-Alto Jequitinhonha-Serra do Cabral, Jalapão, Amazônia Oriental, Veadeiros (ainda em proposta), Espinhaço Meridional (ainda em proposta) e representantes de diversas instituições. O evento ocorreu no âmbito do projeto “Fortalecimento da gestão territorial integral nas áreas especialmente protegidas do Mosaico Sertão-Veredas-Peruaçu”, executado pelo WWF-Brasil e com apoio do CEPF Cerrado, que tem o objetivo de atuar na integração e fortalecimento da gestão das áreas especialmente protegidas do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu.

Esta foi a primeira oportunidade de reunir os Mosaicos do Cerrado e da Caatinga para se apresentarem e discutirem diversas ações de gestão integrada, execução de projetos, ações de comunicação e atividades que estão ocorrendo nos diferentes mosaicos. Na ocasião, foram apresentadas também as propostas de criação do Mosaico Veadeiros e Mosaico Espinhaço Meridional que receberam uma carta de apoio dos participantes do encontro e também foi deliberado o próximo local do evento, que será realizado no Mosaico Jalapão, que foi estabelecido recentemente. A Rede de Mosaicos de Áreas Protegidas (REMAP) também teve um espaço de apresentação, reforçando a importância da atuação em redes para o fortalecimento da gestão integrada e de políticas. No segundo dia foi realizada uma visita técnica ao Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, que propiciou aos participantes o contato com a biodiversidade, com as cavernas e com a arte rupestre e sítios arqueológicos da região do Peruaçu. Os visitantes foram guiados pelos condutores ambientais do parque, que fazem parte da comunidade local e foram capacitados e credenciados pelo ICMBio.

Mais informações sobre o encontro também no site do WWF-Brasil.

 

Reunião dos Mosaicos em Januária, Minas Gerais.
Recepção aos visitantes no Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, MG.
Pintura rupestre no Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, MG.
Participantes do evento em Januária, MG.. Foto: Felipe Spina / WWF-Brasil

 

 

 

 

Projeto Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu realiza reuniões dos Grupos de Trabalho em Januária (MG)

Dando continuidade às atividades do Projeto Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu, foram realizadas em Januária (MG) as reuniões dos Grupos de Trabalho que estão debatendo os temas que são centrais para a revisão do Plano de Desenvolvimento Territorial de Base Conservacionista – DTBC  e a elaboração do Zoneamento Socioambiental do Mosaico.

Entre os dias 03 a 06/04 reuniram-se os membros dos Grupos de Trabalho Águas do Mosaico, Iniciativa Privada, Agroecologia e Extrativismo, Gestão Integrada de Unidades de Conservação e Turismo. A reunião foi realizada nas dependências da Universidade Federal de Montes Claros – UNIMONTES, no campus de Januária (MG).

Na oportunidade, os participantes dos grupos representantes dos diversos setores atuantes na área de abrangência do Mosaico, puderam evoluir em suas proposições para a elaboração do Plano de DTBC e a contribuição para o Zoneamento Socioambiental. A metodologia de trabalho com os mapas da região tem sido a ferramenta principal para o debate com as comunidades tradicionais, indígenas e quilombolas do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu.

 

Texto por Fernando Lima

 

Grupos de Trabalho Águas do Mosaico, Iniciativa Privada, Agroecologia e Extrativismo, Gestão Integrada de Unidades de Conservação e Turismo.. Foto: Paulo Henrique/Funatura
Apresentação de Cesar Victor do Espírito Santo, Superintendente da Funatura. Foto: Paulo Henrique/Funatura

 

 

SEMA Bahia lança publicação de boas práticas de agricultura para o Cerrado

A Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA) do estado da Bahia lançou a publicação “Como cultivar alimentos plantando florestas – Histórias de pessoas, florestas e roças” fruto do Projeto Cerrado, que ocorre em parceria entre o Governo do Estado, Ministério do Meio Ambiente e Banco Mundial, com atuação em 11 municípios do oeste da Bahia.

A publicação apresenta exemplos de agricultores e agricultoras do Cerrado que mudaram sua relação com as formas de produzir, mostrando que é possível cultivar alimentos em colaboração com a natureza, utilizando práticas agroecológicas e sistemas agroflorestais, sem uso de agrotóxicos, com adubação verde, consórcio entre espécies, uso de sementes crioulas e de plantas nativas, em coerência com os ciclos da natureza. o objetivo é de socializar informações entre agricultores, agentes territoriais, técnicos da Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER), professores e servidores públicos dos municípios do Oeste da Bahia contemplados pelo Programa Cerrado.

Mais informações no site da SEMA.

 

 

 

O retorno da fauna silvestre em área restaurada no Corredor Miranda-Bodoquena

A equipe técnica da ECOA (Ecologia e Ação) junto com monitores assentados, vêm realizando o monitoramento de uma área reflorestada de 22 ha, que teve o processo de restauração iniciado em 2016. Nestas visitas, eles identificaram áreas com grande potencial de regeneração natural, onde nascentes estão se recuperando gradativamente com auxílio da vegetação em reflorestamento. Além do processo de restauração dos serviços ecossistêmicos, a equipe técnica da ECOA vêm registrando a presença constante do retorno da fauna silvestre na região. Na área já foram confirmadas as presenças da anta (Tapirus terrestris), mão-pelada (Procyon cancrivorus) e de tuiuiús (Jabiru mycteria).

Registros da presença de tuiuiús e mão-pelada na área em processo de regeneração. ©ECOA
Pegada de anta na área. ©ECOA

A ECOA executa atividades no projeto “Corredor Miranda-Bodoquena: preenchendo lacunas socioambientais” em regiões dos municípios de Nioaque e Miranda (MS). O projeto é apoiado pelo CEPF Cerrado e tem como objetivo auxiliar na revegetação e conservação do bioma, através do fortalecimento do extrativismo não madeireiro nas comunidades e assentamentos do corredor Miranda – Bodoquena.

 

Pegadas de mão-pelada (Procyon cancrivorus) registradas por projeto apoiado pelo CEPF Cerrado

Pegadas de mão-pelada, ou também popularmente conhecido como guaxinim ou cachorro-do-mangue, foram registradas pela equipe da ONG ECOA durante viagem técnica. O diretor científico Rafael Morais fez o registro em uma área que está passando por um processo de recomposição da vegetação nativa de Cerrado, na região do assentamento Boa Esperança (Mato Grosso do Sul). De acordo com a nota divulgada pela equipe, o animal é raro em região de supressão vegetal. Veja a notícia completa no site da ECOA.

As atividades da ECOA estão sendo apoiadas pelo Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF Cerrado), através do projeto “Corredor Miranda-Bodoquena”, que visa auxiliar na revegetação e conservação do Cerrado, através do fortalecimento do extrativismo não madeireiro nas comunidades e assentamentos do corredor Miranda – Bodoquena, Mato Grosso do Sul.

Conheça mais sobre os projetos apoiados pelo CEPF Cerrado neste link!

 

Pegadas de mão-pelada/guaxinim (Procyon cancrivorus) registradas pela equipe da Ong ECOA. Foto retirada do site da ECOA (©Rafael Morais).

 

 

Projeto “Restauração de Campos e Savanas no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros” é premiado em conferência internacional sobre restauração

Equipe do projeto “Restauração de Campos e Savanas no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros” recebendo o prêmio na VII Conferência Mundial da Sociedade Internacional de Restauração Ecológica (SER). (Foto cedida pela equipe)

O projeto “Restauração de Campos e Savanas no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (PNCV)” foi premiado como o melhor projeto de restauração apresentado na VII Conferência Mundial da Sociedade Internacional de Restauração Ecológica (SER), realizada entre agosto e setembro de 2017. O projeto, coordenado pelo ICMBio, concorreu com outros 14 projetos, tendo ficado entre os três finalistas. Este projeto foi iniciado em 2010, no intuito de erradicar espécies invasoras e restaurar áreas degradadas no Parque. Em 2012, o analista Alexandre Bonesso Sampaio (CECAT/ICMBio) em parceria com outros servidores, propuseram a ampliação da escala dos experimentos de restauração, incluindo as espécies herbáceo-arbustivas do Cerrado. A técnica testada foi a semeadura direta de espécies nativas, em muito inspirada no método de restauração das florestas do entorno do Parque Nacional do Xingu. Este projeto já contou com o financiamento da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e Rede de Sementes do Cerrado, e conta, com apoio de pesquisadores da Embrapa, como Daniel Mascia Vieira e José Felipe Ribeiro, e da UnB, Isabel Belloni Schmidt e Sarah Caldas, além de contar com o apoio da comunidade do entorno do PNCV. O projeto sempre buscou gerar conhecimento e aprimorar técnicas de restauração de menor custo e alta eficiência para restaurar formações savânicas e campestres do Cerrado, envolvendo as comunidades locais em todas as etapas. Em 2016, todos os envolvidos no projeto se uniram para orientar uma ação inovadora no Parque. O objetivo era realizar reposição florestal via semeadura direta de plantas nativas, promovendo em larga escala a primeira restauração de formações savânicas e campestres do Cerrado. Os plantios desta reposição foram realizados em 2015 e 2016, onde foi possível restaurar 94 ha.

A restauração ecológica de savanas e campos do Cerrado é um desafio ainda pouco estudado e aplicado. Apesar disso, as práticas desenvolvidas no PNCV, com réplicas na REBIO Contagem (Brasília-DF) e na Fazenda Entre-Rios (PAD-DF), indicam que é possível restaurar em larga escala as formações savânicas e campestres. Este resultado só foi atingido graças ao envolvimento ativo da comunidade do entorno do PNCV, especialmente na produção de sementes nativas e nas atividades de semeadura e manutenção das áreas. Hoje, há mais de 70 famílias de coletores de sementes organizadas junto à Associação Cerrado de Pé, que é primeira a ofertar sementes de espécies herbáceo-arbustivas no Cerrado. Atualmente os coletores da Chapada dos Veadeiros ofertam sementes de 80 espécies nativas, entre ervas, arbustos e árvores. Desde 2012 foram restaurados 105 ha, a partir da semeadura de cerca de 25 toneladas de sementes de plantas nativas, movimentando R$ 170.000 para comunidades locais.

adaptado do texto enviado por Alexandre Bonesso Sampaio – Analista Ambiental CECAT/ICMBio

Um futuro para o Cerrado

Rio dos Couros, Chapada dos Veadeiros, Goiás/Aryanne Amaral

Principal fronteira onde avança a agropecuária desde os anos 1960, o Cerrado tem poucas chances de seguir existindo nas próximas décadas sem ações emergenciais que ampliem suas áreas protegidas e que levem à adoção em larga escala de práticas produtivas menos danosas ao meio ambiente.

Consolidar as áreas já protegidas é fundamental, inclusive porque somente 7,7% do Cerrado estão hoje efetivamente resguardados pelo poder público, e apenas 2,8% destas áreas são protegidas integralmente. A última unidade de conservação criada no bioma foi a Estação Ecológica Chapada de Nova Roma, neste ano (2017), pelo governo estadual de Goiás. Novas metas internacionais chanceladas pelo Brasil recomendam a conservação de pelo menos 17% de cada bioma, até 2020.

Enquanto isso, projeções mostram que a área plantada com soja pode saltar de 21 para 30 milhões de hectares na próxima década, sempre com foco nas “terras baratas” do Cerrado. E os alvos são justamente os maiores remanescentes da savana brasileira, no Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. Além disso, a demanda interna e global por carnes cresce junto com as necessárias melhorias socioeconômicas.

Como agricultura e pecuária são os principais motores da destruição do Cerrado, respeitar a legislação e melhorar a eficiência da produção são atitudes indispensáveis. A integração de lavouras, pecuária e florestas plantadas, por exemplo, ajudaria a evitar a abertura e novas áreas e seria um sinal de que o país realmente quer fornecer itens produzidos com mais sustentabilidade aos mercados globalizados de commodities. Afinal, se antecipar a possíveis barreiras comerciais é sempre estratégico. Inclusive porque mais de 40% dos grãos, metade do farelo e um terço do óleo de soja produzidos no Brasil são exportados. Sete em cada dez países do mundo já compraram esses itens na última década.

Estimativas oficiais apontam que há aproximadamente 140 milhões de hectares degradados no país, principalmente no Cerrado e na transição deste para a Amazônia. A área é duas vezes maior que a da França. Na maioria dos casos, são terras que foram desmatadas para lavouras e acabaram abandonadas pela baixa produtividade. Em seguida, viraram pastos para rebanhos até o solo se tornar imprestável economicamente pela falta de manejo adequado. Tornar essa imensidão de terras novamente produtivas ajudaria no combate ao aquecimento do planeta, aliviaria a pressão para o desmatamento de florestas nativas e serviria à produção de commodities e alimentos.

Outra preocupação recai sobre as mudanças na legislação florestal brasileira. A destruição do Cerrado já pesa tanto quanto a da Amazônia nas emissões nacionais de gases de efeito estufa. E o bioma pode ser um dos maiores prejudicados com as mudanças que setores atrasados do ruralismo impuseram ao Código Florestal. Além disso, a aprovação da PEC 504/2010, que trata de incluir na Constituição Federal o Cerrado e a Caatinga como patrimônios nacionais e do PL 25/2015, que dispõe sobre a conservação e a utilização sustentável da vegetação nativa do bioma, são ações urgentes para a proteção do bioma.

Se a margem para desmatamento for ampliada, a caixa d´água do país ficará seriamente comprometida. No Cerrado nascem águas que abastecem aquíferos subterrâneos e as bacias hidrográficas Amazônica, do Tocantins, do Atlântico Norte/Nordeste, do São Francisco, do Atlântico Leste e do Paraná/Paraguai. Dessa última depende a sobrevivência do Pantanal, a maior planície inundável do planeta. Além de insumo econômico, a água que escorre por rios, córregos e veredas de beleza incomum, alimenta culturas regionais muitas vezes fundadas no extrativismo sustentável, uma atividade que perpetua e valoriza a vegetação e outros recursos nativos pelas mãos de valorosos e inúmeros povos tradicionais do Cerrado.

Os índices atuais de degradação e planos desenvolvimentistas carentes de sustentabilidade ambiental projetam um futuro nada animador para um bioma que já perdeu mais da metade da vegetação nativa, e ainda não é reconhecido como patrimônio nacional pela Constituição, sofrendo desnecessariamente com incêndios e queimadas cada vez mais intensos.

Mas com majestosa resistência, o Cerrado ainda segue encantando quem se atreve a conhecer esse abrigo de vida e de paisagens únicas no mundo. Manter esse patrimônio inigualável é o desafio que se impõe ao Brasil.

por Michael Becker – Coordenador da Estratégia de Implementação Regional do CEPF Cerrado 

Decreto regulamenta a primeira Estação Ecológica do estado de Goiás

A Secretaria de Meio Ambiente do estado de Goiás divulgou a publicação do decreto que cria a primeira estação ecológica estadual. A Estação Ecológica Chapada de Nova Roma conta com aproximadamente 6 mil hectares e está localizada no município de mesmo nome.

A unidade de conservação conta com grande importância biológica para o Cerrado, pois abriga nascentes e corpos d’água que contribuem diretamente com o rio Paranã, além de acolher espécies endêmicas da flora e da fauna. De acordo com a SECIMA, os levantamentos apontaram a ocorrência de espécies críticas da fauna, como o tatu-canastra, lobo-guará, onça-pintada, gato-do-mato-pequeno e a jaguatirica.

A área está localizada próxima ao Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, o que contribui na ampliação das áreas protegidas na região e na formação de corredores ecológicos. A reportagem completa pode ser acessada neste link.

Área da Estação Ecológica Chapada Nova Roma (GO), imagem retirada do site da SECIMA-GO. Fonte: http://www.secima.go.gov.br/post/ver/223058/goias-cria-sua-primeira-estacao-ecologica

Pesquisa para a conservação é tema de seminário no ICMBio

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) irá comemorar 10 anos da existência da instituição, promovendo o IX Seminário de Pesquisa e IX Encontro de Iniciação Científica, que abordará os 10 anos de aprendizado em pesquisa para a conservação. Realizados desde 2009, os Seminários de Pesquisa e Encontros de Iniciação Científica do ICMBio tem o objetivo de promover a troca de experiências entre os profissionais que conduzem ou acompanham e demandam pesquisas científicas no Instituto Chico Mendes, bem como sua integração com as demais áreas da gestão e do conhecimento.

O evento ocorrerá de 12 a 14 de setembro de 2017, no auditório da sede do Instituto, em Brasília, e contará com palestras, rodas de conversa, apresentação de trabalhos científicos e mesas-redondas. A programação completa está disponível no site do Instituto.

O evento é aberto e as inscrições são gratuitas. Participe!

Local: Auditório da sede do ICMBio, EQSW 103/104, Complexo Administrativo, Subsolo, Setor Sudoeste, Brasília-DF

Inscrições: no local do evento