Início » Notícias » Oficina Sistemas Agroflorestais – ganhos econômicos, ambientais e sociais

Oficina Sistemas Agroflorestais – ganhos econômicos, ambientais e sociais

Áreas de Cerrado em restauração em Miranda, MS.

 

Os sistemas agroflorestais (SAFs) são consórcios de culturas agrícolas com espécies arbóreas que podem ser utilizados para restaurar a vegetação nativa e recuperar áreas antropizadas. A tecnologia ameniza limitações do terreno, minimiza riscos de degradação inerentes à atividade agrícola e otimiza a produtividade a ser obtida¹. Os componentes arbóreos são inseridos como estratégia para o combate da erosão e o aporte de matéria orgânica, restaurando a fertilidade do solo. Há melhoria na estrutura e na atividade da fauna do solo e maior disponibilidade de nutrientes. É alcançado um equilíbrio biológico que promove o controle de pragas e doenças¹. Na mesma área, é possível estabelecer consórcios entre espécies de importância econômica, frutíferas e hortaliças. Podem ser introduzidas espécies de leguminosas para uso como adubo verde, as quais são roçadas, e espécies de leguminosas arbóreas, que, com a mesma finalidade, são podadas, visando à deposição de material orgânico sobre o solo. Além de contribuir para a conservação do meio ambiente, os benefícios dos sistemas agroflorestais despertam o interesse dos agricultores, pois, como estão aliados à produção de alimentos, permitem oferecer produtos agrícolas e florestais, incrementando a geração de renda das comunidades agrícolas¹.

No mês de julho, experiências vindas da região do Pontal do Paranapanema (SP) conduziram a oficina de Boas Práticas para Manejo de Agroflorestas, ministrada por Haroldo Borges, do Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ). A atividade aconteceu durante o encontro transfronteiriço promovido no Centro de Produção, Pesquisa e Capacitação do Cerrado (Ceppec), situado no assentamento de Andalucia, em Nioaque/MS. Participaram representantes da Associação Hanaiti Yomo’omo, que executam o projeto “Viveiro de mudas para a produção agroflorestal na Aldeia Brejão”, associações de assentamentos rurais e comunidades extrativistas do Cerrado e Pantanal e do Gobierno Autonomo Municipal de Roboré, Bolívia.

Ao considerar que os SAFs também auxiliam nos processos de restauração da vegetação nativa e recuperação de áreas degradadas, a oficina interagiu com os monitores que trabalham na recuperação de áreas de nascentes nos assentamentos de Andalucia e Bandeirantes, de Miranda (MS), atividades que ocorrem através do Projeto Corredor Miranda-Bodoquena: preenchendo lacunas socioambientais, que executado pela ECOA e conta com apoio do Fundo de Parceria para  Ecossistemas Críticos (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), e tem o objetivo de auxiliar a revegetação e conservação do Cerrado através do fortalecimento do extrativismo não madeireiro por comunidades e assentados do Mato Grosso do Sul (corredor Miranda-Bodoquena).

Veja a matéria completa no site da ECOA e acompanhe o nosso boletim eletrônico.


¹EMBRAPA (2004). Soluções tecnológicas-Sistemas Agroflorestais. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-solucoes-tecnologicas/-/produto-servico/112/sistemas-agroflorestais-safs

O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos é uma iniciativa conjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento, da Conservação Internacional, União Europeia, da Gestão Ambiental Global, do Governo do Japão, da Fundação MacArthur e do Banco Mundial. Uma meta fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida com a conservação da biodiversidade.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *