Home » sociobiodiversity

Tag: sociobiodiversidade

Documentary #8220; The Cerrado is a Piece of Me #8221;

via WWF-Brasil

The production and collection of native fruits of the Cerrado allow the conservation of the biome that has already lost 50% from the original area, as it keeps the native trees standing and curbs the deforestation of the area.

Since 2010, WWF-Brasil has encouraged the agroextractivism and the formation of cooperatives as an alternative to protecting the Cerrado. THE sustainable plant extractivism It generates income and quality of life for local communities, favoring the permanence of traditional peoples in rural areas and reducing rural-city migration.

Watch to the documentary & #8220; The Cerrado is a Piece of Me & #8221; and get to know stories of people who make it happen and honor this exclusively Brazilian biome.

With the support of Critical Ecosystem Partnership Fund (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) and International Institute of Education of Brazil (IEB), WWF-Brasil executes the project Strengthening Integral Territorial Management in the Specially Protected Areas of the Sertão Veredas-Peruaçu Mosaicwhat Its purpose is to integrate and strengthen the management of the specially protected areas of the Mosaic. One of the actions that has been developed in the project is the implementation of the strategy of strengthening community enterprises in the territory, focusing on the productive chain of sustainable extraction of native Cerrado flora.


The Critical Ecosystem Partnership Fund is a joint initiative of the French Development Agency, Conservation International, the European Union, Global Environmental Management, the Government of Japan and the World Bank. A key goal is to ensure that civil society is involved in biodiversity conservation.

 

 

Community-based ecotourism in the quilombola community Furnas da Boa Sorte, MS advances with training and infrastructure

por WWF-Brasil e Instituto Mamede

Ecoturismo de base comunitária na comunidade quilombola Furnas da Boa Sorte, Corguinho/MS, avança com curso em comunicação e marketing e a instalação de placas sinalizadoras ao turista


Mais um encontro marcou o processo de implantação do Ecoturismo de Base Comunitária na Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte, em Corguinho/MS.

Rica em paisagens deslumbrantes e biodiversity exuberante, o lugar de características prístinas, contagia e encanta o visitante, e não há falta de inspiração para o Ecoturismo. Tudo remete à natureza e interage com ela. A comunidade se localiza em área de transição entre Cerrado e Pantanal, cujo relevo singular, com morros e encostas providos pelo Planalto de Maracaju, ali se despede das altitudes mais elevadas e aos poucos vai se rendendo à planície de inundação pantaneira. Além da natureza, os visitantes têm a oportunidade de imersão na história e cultura da Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte.

©Acervo Instituto Mamede

Desta vez, o módulo do curso de Ecoturismo de Base Comunitária – EcoTBC, na Comunidade trouxe o tema Comunicação e Marketing no Ecoturismo de Base Comunitária. O módulo foi ministrado

pela equipe do Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo, WWF-Brazil e ainda contou com a participação especial da Fundação de Turismo do Mato Grosso do Sul- FUNDTUR. Simone Mamede, coordenadora do curso de formação em Ecoturismo de Base Comunitária no Projeto Municípios Sustentáveis, afirmou que “o trabalho de Ecoturismo de Base Comunitária da Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte vem sendo organizado a muitas mentes e mãos, envolvendo o protagonismo da comunidade, o apoio de profissionais da área do turismo, do meio ambiente e da sustentabilidade. A união de todos tem proporcionado os avanços na construção de um território mais sustentável para atuais e futuras gerações. Entre as ações norteadoras estão: o turismo responsável, o diálogo intergeracional, o respeito e a valorização da cultura quilombola, assim como o respeito pela natureza. Que continuemos semeando a sustentabilidade junto as atuais e futuras gerações”. Até o momento, foram realizados três módulos com os temas: EcoTBC: Planejamento e sustentabilidade; Produtos, serviços e roteiros em EcoTBC e o último realizado nos dias 12 a 14 de julho, sob o tema Comunicação e Marketing. Além do conteúdo relacionado à produção, estratégias de comunicação e divulgação, o curso abordou fotografia de natureza e sustentabilidade. Pelo relato de Maristela Benites, ministrante do curso de Ecoturismo de Base Comunitária – Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo, “a experiência da construção do EcoTBC na Comunidade Quilombola Furnas da Boa tem sido muito especial. Cada passo desse processo é uma conquista, cheia de desafios, especialmente por se tratar de algo novo, mas, ao mesmo tempo, com muitas vitórias e descobertas. O sucesso do último módulo se deu não somente pelo conteúdo necessário e de qualidade à implantação dessa modalidade turística, mas por inaugurar definitivamente um destino turístico diferencial, rico em cultura e biodiversidade. As placas instaladas tem vários significados dentro dessa perspectiva, mas a mensagem principal transmitida é: “Turista, pode chegar que estamos te esperando”! Assim vamos construindo em favor de territórios sustentáveis”.

©Acervo WWF-Brasil

Neste módulo com o financiamento da União Europeia (“European Union”), foram instaladas placas de sinalização em algumas residências anfitriãs do EcoTBC e em alguns pontos na estrada. Famílias que estão participando desde o início do projeto, receberam placas indicativas dos serviços que oferecem ao turista, como: camping, hospedagem domiciliar (cama e café) e refeição. O curso foi especial e simbólico, pois definitivamente marcou a materialização do EcoTBC na comunidade quilombola, através da instalação das placas, as quais foram gentilmente patrocinadas pela União Europeia com apoio do WWF-Brasil. Para o Sr. Deoclides, integrante da comunidade, “o curso de Ecoturismo e a instalação das placas do Ecoturismo de Base Comunitária é uma forma de divulgar a comunidade, é uma forma de dizer que a comunidade quilombo da Boa Sorte existe”. 

Participaram do curso moradores da comunidade quilombola, universitários, gestores públicos, turismólogos, publicitários e microempresárias do turismo. Elizandra Dutra, turismóloga e aluna do curso de formação em Ecoturismo de Base Comunitária na comunidade quilombola, nos contou que “a dinâmica e a metodologia utilizadas no curso de Ecoturismo de Base Comunitária realizado na comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte possibilitaram uma melhor compreensão dos conteúdos abordados, permitindo a todos vivenciar na prática junto à comunidade todo conhecimento teórico, fortalecendo ainda mais o aprendizado”.

Os professores, Rodrigo Motta falou sobre marketing em redes sociais, Don Eaton sobre sustainable municipalities, Simone Mamede sobre ecoturismo de base comunitária, Geancarlo Merighi sobre Rota Turística Caminhos dos Ipês, Alexandre sobre produção audiovisual, Bolivar Porto sobre fotografia de natureza e Maristela Benites sobre sustainability. Os conteúdos se integraram harmonicamente. Com tanta inspiração proporcionada pela sociobiodiversidade local, não faltou matéria-prima para cada palestrante.

©Acervo Instituto Mamede

Ao final do curso, a comunidade nos brindou com produtos da terra, como: banana, mamão e mandioca, e produtos culinários por eles confeccionados: garapa, rapadura, melado, bolos e doces. Os produtos podem ser adquiridos na comunidade.

A Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte é gestora do Ecoturismo de Base Comunitária e pode delinear seu próprio destino.

A iniciativa é apoiada pelo Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (Critical Ecosystem Partnership Fund) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), e executada por WWF-Brasil e Instituto Mamede, e integra o projeto “Municípios Sustentáveis, protegendo o berço das águas do Cerrado e as cabeceiras do Pantanal”. Além do turismo comunitário, o projeto abrange a coleta de sementes de espécies nativas do Cerrado para recuperação de áreas degradadas, o que permite constatar que as duas iniciativas integradas impactam positivamente e agregam valor às cadeias produtivas locais e regionais e mostram como é possível desenvolver sem destruir o Cerrado, mantendo estáveis os serviços ambientais providos pela natureza. Sustentabilidade assim se vislumbra quando comunidades são efetivamente envolvidas e beneficiadas, o ambiente é explorado de forma responsável e a economia prospera. De acordo com Don Eaton, coordenador do projeto, “além das maravilhas cênicas, os visitantes para Comunidade Quilombola Furnas de Boa Sorte podem relaxar e desfrutar da hospitalidade da comunidade e de suas comidas e artesanato tradicionais. As placas financiadas pela União Europeia e criadas pela comunidade ajudará a transformar o programa de turismo em uma fonte real de renda familiar enquanto preservar seu ambiente natural”.

©Acervo Instituto Mamede

Cada passo é uma conquista e mostra inegável avanço, fruto do empenho e união de todos. Aos poucos o sonho tem se tornado realidade e vamos avançando na construção de territórios sustentáveis!

Este módulo contou com a parceria da Fundtur (Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul), em presença do diretor de desenvolvimento do turismo e de mercado – Geancarlo Merighi e do profissional Bolivar Porto. De acordo com Geancarlo, “os projetos de desenvolvimento do Turismo de Base Comunitária são considerados uma importante ferramenta pra diversificação de renda nas pequenas propriedades. Quando envolve comunidades especificas, como indígenas e quilombolas, o Turismo de Base Comunitária além de diversificar a renda, tem a capacidade de divulgar, além das belezas naturais, a cultura e o modo de vida tradicional deles, ou seja faz a Promoção do Ser Humano”.

O Instituto Mamede e WWF Brasil, agradecem e parabenizam todos os esforços da comunidade e parceiros que tem se unido a luta para a construção de territórios mais sustentáveis e de convivência harmônica com a natureza.


The Critical Ecosystem Partnership Fund is a joint initiative of the French Development Agency, Conservation International, the European Union, Global Environmental Management, the Government of Japan and the World Bank. A key goal is to ensure that civil society is involved in biodiversity conservation.

 

 

Workshop on production and marketing of agro-extractive products from the Cerrado

The project Strengthening Integral Territorial Management in the Specially Protected Areas of the Sertão Veredas-Peruaçu Mosaicwhich is performed by WWF-Brazil and has the support of Critical Ecosystem Partnership Fund (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fund) and International Institute of Education of Brazil (IEB), Its purpose is to integrate and strengthen the management of the specially protected areas of the Mosaic.

In order to underline the importance of sustainable extraction of sociobiodiversity Cerrado, a traditional practice already widespread in the biome and one of the main alternatives to maintain “Cerrado standing”, WWF-Brazil in partnership with the Society, Population and Nature Institute (ISPN), Central Cooperative of the Cerrado, with support from CEPF Cerrado and International Institute of Education of Brazil, will hold the Cerrado Socio-Biodiversity Products Production and Marketing Workshop.

THE workshop aims to identify and give visibility to the contributions of different approaches to the development of Cerrado productive chains, in order to overcome challenges and articulate with the public authorities, besides starting a process of reflection, knowledge exchange and learning in the aspects related to “Production and Marketing” of agro-extractive products. The workshop will also be a space for organizing discussion forums for integration with the programming of the IX Meeting and Fair of the Cerrado People.

 

Contacts:

kolbesantos@wwf.org.br

luis@centraldocerrado.org.br

rodrigo@ispn.org.br


The Critical Ecosystem Partnership Fund is a joint initiative of the French Development Agency, Conservation International, the European Union, Global Environmental Management, the Government of Japan and the World Bank. A key goal is to ensure that civil society is involved in biodiversity conservation.

 

 

The fruits of the Cerrado available in São Paulo

By Renata Andrada Peña via WWF-Brasil

From now on, cassava flour, sesame, monkey pepper, indaiá coconut flour and two varieties of pestle rice are now part of the set of products regularly offered in the biomes box, opened in 2016 at the Pinheiros Municipal Market, in Sao Paulo. They combine with baru nuts, saffron, jatoba flour, honey, jabuticaba jelly and pequi, among others. Cerrado delights also available for sale in the state capital.

The news has just been released by Kalunga families (Brazil's largest Quilombola territory, located in Goiás, in the Chapada dos Veadeiros region), The Atá Institute and the Cerrado Central, with the support of WWF-Brazil, the Banco do Brasil Foundation and the United Nations Food and Agriculture Organization (FAO). All new products are the result of cultivation and agro-extractivism in the Cerrado and are part of the gastronomic culture of traditional quilombola peoples.

The products are marketed by Cerrado Central, a nonprofit cooperative center established in Brasilia and composed of 35 community organizations from seven Brazilian states (MA, TO, PA, MG, MS, MT and GO) that develop productive activities based on the sustainable use of the biome's biodiversity. The Cerrado has the potential to harness more than 200 different kinds of native plants, according to research from the University of Brasilia (UnB).

Buriti

According to Luis Carraza, coordinator of the Cerrado Central, this partnership with WWF-Brasil was very important and served to strengthen and expand the production and marketing of native Cerrado products. “Through this support, specific work has been done with our affiliated organizations to prioritize some of the Cerrado fruit production chains such as pequi, baru and jatobá, in order to guarantee production stocks that can supply the consumer market. which is increasing considerably each year, ”says Carraza.

In addition to promoting the dissemination and insertion of sustainable use products in local markets, regional and international & #8211; export of pequi to Japan, chestnut from baru to the United States and handicrafts of Golden grass for France & #8211; Cerrado Central is also a center for the dissemination of information, exchange and technical support for communities in improving their production, organizational and management processes.

WWF-Brazil has been supporting the Cerrado Central since 2018 with actions focused on sustainable plant extractivism of the fruits of the biome and in structuring and strengthening the productive chains of native fruits. This project is supported by WWF-France, the Critical Ecosystem Partnership Fund (CEPF) Critical Ecosystem Partnership Fund) and the Humanize Institute.

See the article in site from WWF-Brasil!

Service
Anyone who wants to be surprised by the delights of the Cerrado should visit the box biomes:
Pedro Cristi Street, 89
Pinheiros Municipal Market
Box of Biomes (BOX 28)
Monday to Saturday from 8am to 6pm

 

WWF-Brasil executes the project Strengthening Integral Territorial Management in the Specially Protected Areas of the Sertão Veredas-Peruaçu Mosaic, which aims to integrate and strengthen the management of the specially protected areas of the Mosaic. This project is supported by the Critical Ecosystem Partnership Fund (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fundand Brazilian International Institute of Education (IEB).


The Critical Ecosystem Partnership Fund is a joint initiative of the French Development Agency, Conservation International, the European Union, Global Environmental Management, the Government of Japan and the World Bank. A key goal is to ensure that civil society is involved in biodiversity conservation.

 

Timbira People Articulation for PNGATI implementation

via Centro de Trabalho Indigenista

Em parceria com a Associação Wyty Catë das Comunidades Timbira do Maranhão e Tocantins, The Centro de Trabalho Indigenista acaba de dar início ao projeto “Timbira People Articulation for PNGATI implementation”, que tem o objetivo de fomentar a implementação da Política Nacional de Gestão Ambiental e Territorial de Terras Indígenas (PNGATI) no Cerrado, por meio da consolidação de uma rede de indígenas Timbira. Esta rede pretende reforçar o papel destes povos e seus territórios como importantes áreas de conservação dos recursos naturais e da sociobiodiversidade associada. O projeto conta com apoio do Critical Ecosystem Partnership Fund (CEPF, Critical Ecosystem Partnership Fundand Brazilian International Institute of Education (IEB).

Ritual Timbira/Acervo CTI

Em fevereiro, o CTI deu início ao planejamento junto à Associação Wyty Cate, consolidando o calendário de atividades para 2019. A primeira atividade de campo já foi realizada nas Terras Indígenas Kanela e Porquinhos, com diálogos produtivos sobre a gestão ambiental e territorial daqueles territórios, sobre a articulação política das organizações indígenas e sobre a formação de jovens Timbira, que acontecerá em breve no escopo do projeto. As próximas rodadas de reuniões pelos territórios Timbira estão previstas para acontecer nas aldeias das TIs Kraholândia, Krikati, Governador, Apinajé e Geralda Toco Preto.

Veja matéria completa no site do Centro de Trabalho Indigenista!


The Critical Ecosystem Partnership Fund is a joint initiative of the French Development Agency, Conservation International, the European Union, Global Environmental Management, the Government of Japan and the World Bank. A key goal is to ensure that civil society is involved in biodiversity conservation.

 

 

Conexsus 2018 Challenge

 

 

The Conexsus Challenge intends to network the economic potential of sustainable community business. The idea is for networks to expand and generate positive socio-environmental impacts, such as territorial resilience and the transition to the low carbon economy.

This initiative aims to mobilize the performance of various actors and connect enterprises, support organizations, market players, financiers and investors in search of shared creative and innovative solutions to strengthen sustainable business ecosystems.

The registration has been extended until July 30 and the challenge seeks producer associations and cooperatives from all over Brazil. Registrations are made through this link. More information on the site: http://desafioconexsus.org/